MP pede devolução por obras no Maracanã

Superfaturamento foi para reforma do estádio para a Copa de 2014.


Da Redação

13/03/2017 - 16:40

O Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro (MPRJ) ajuizou uma ação pedindo que cerca de R$ 200 milhões sejam devolvidos aos cofres públicos por suspeita de superfaturamento nas obras do Maracanã.

Segundo o MPRJ, a estimativa dos custos foi inviabilizada por erros no projeto básico e pela forma inviabilizada por erros no projeto básico e pela forma genérica de apresentação de serviços e itens previstos. Como resultado, houve excesso de aditivos ao projeto.

Os 16 termos aditivos à proposta vencedora da licitação elevaram o orçamento inicial de R$ 705 milhões para R$ 1,2 bilhão ao final da obra. Para o promotor de justiça Flávio Bonazza, a quantidade de aditivos pode ter sido excessiva por conta das falhas no projeto básico, que permitiu que o consórcio tivesse "total controle do projeto executivo, quando quem deveria ter esse controle era o Estado".

O pedido do Ministério Público estadual é embasado por irregularidades identificadas pelo Tribunal de Contas da União e pelo Tribunal de Contas do Estado do Rio de Janeiro. De acordo com o MPRJ, o TCU constatou que, já na licitação, o "excesso de exigências" limitava a concorrência. Já o TCE-RJ identificou o superfaturamento.

Os alvos do MPRJ são as construtoras que formam o Consórcio Maracanã (Odebrecht, Andrade Gutierrez e Delta), o ex-secretário estadual de Obras Hudson Braga e o diretor-presidente da Empresa de Obras Públicas do Estado (Emop), Ícaro Moreno Júnior. Além deles, são citados três membros da Comissão de Fiscalização de contrato e outros dois funcionários da Emop. Hudson Braga já está preso pela Operação Calicute, resultado da força-tarefa da Lava Jato no Rio de Janeiro.

Os problemas apontados pelo MP no projeto básico da reforma causaram prejuízos aos cofres públicos, como o aumento do gasto com ar-condicionado, que saltou de R$ 1,5 milhão para R$ 18,5 milhões, aumento de mais de 1.200%.

A ausência de fiscalização e as mudanças significativas no projeto adicionaram ainda custos como o da construção da nova cobertura do estádio, que inicialmente seria apenas reformada. O consórcio vencedor condenou a estrutura, e o custo da reconstrução foi de R$ 274 milhões, valor que a promotoria afirma ser "muito superior" ao praticado em outros países pela mesma empresa.

Em julho do ano passado, o TCE-RJ já havia determinado, em sessão plenária, que a Secretaria de Estado de Fazenda retivesse pouco mais de R$ 198 milhões das construtoras.

O conselheiro-relator do TCE-RJ, José Gomes Graciosa, estimou que as construtoras podem ter ganhado R$ 95 milhões a mais apenas com a falta de revisão dos preços, após desonerações fiscais concedidas pelo governo federal e ignoradas pelo governo do estado.

Graciosa afirmou que faltou planejamento e houve "megalomania estatal". O relator do TCE criticou o enquadramento da obra como reforma e disse que isso garantiu mais elasticidade para alterações contratuais. Para ele, o estádio foi quase todo demolido para que um novo fosse construído.

Na época, o TCE deu prazo de 30 dias para a apresentação da defesa dos envolvidos e, desde então, o corpo técnico do tribunal analisa o que foi enviado por eles. Não há prazo para essa análise terminar e, após a conclusão, o resultado é enviado ao relator para que ele se posicione em um prazo de 60 dias.

As construtoras Andrade Gutierrez e Delta afirmaram que não vão comentar a ação ajuizada pelo MPRJ. A Odebrecht disse que colabora com as autoridades e trabalha na implantação de melhores práticas de controle e fiscalização. Em nota, a Empresa de Obras Públicas do Estado diz que todas as questões levantadas foram respondidas ao TCE-RJ e estão sob análise, além de destacar que ainda não foi notificada da ação do ministério público.

Fonte: Agência Brasil

Onde fica Rio de Janeiro (RJ)?




ONU quer eliminação total de armas nucleares existentes

A organização tenta eliminar as armas nucleares há mais de 70 anos.


Mulher trabalha 5,4 anos a mais que o homem, diz Ipea

De acordo com estudo do Ipea, o trabalho extra é resultado dos afazeres domésticos.


Aposentadoria: apenas quatro em dez estão preparados

Veja por que e como se preparar para ter uma aposentadoria tranquila no futuro.


3,4 milhões fizeram cursos profissionalizantes

As informações constam do Suplemento Educação Profissional, da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) 2014.


Brasil lança campanha por direitos às mulheres rurais

Brasil lança campanha internacional pelo empoderamento das mulheres rurais.


Até onde vai o sigilo da fonte?

Condução de blogueiro alinhado ao PT reacende debate sobre preservação da fonte.


Brasil tem 17 milhões de crianças vivendo na pobreza

Este número equivale a 40,2% da população brasileira na faixa etária de 0 a 14 anos.


Operação da PF combate crimes cibernéticos em 5 estados

Fraudes contra o sistema bancário são investigadas em Goiás, Pará, Tocantins, Santa Catarina e DF.


Conheça os países mais felizes e mais tristes

Estudo Mundial sobre a Felicidade mostra que o Brasil é o 22º país mais feliz do mundo.


Lava Jato completa três anos com 260 acusados

Importantes políticos e empresários já foram condenados pelos crimes apurados na operação.



...


...