Cientistas descobrem nova Super-Terra

Novo planeta descoberto está a apenas 39 anos-luz do Sol.


Da Redação

19/04/2017 - 16:00

Uma nova “super-Terra” foi descoberta por cientistas, aponta um estudo publicado nesta quarta-feira (19/04) na revista Nature.

O planeta, batizado de LHS 1140b, tem composição rochosa e orbita uma estrela anã-vermelha próxima do nosso sistema solar, a 39 anos-luz (cada ano-luz equivale a 9,46 trilhões de quilômetros) do Sol – o que, em termos cósmicos, é considerado relativamente perto.

Com uma massa 6,6 vezes maior do que a da Terra, LHS 1140b está localizado dentro da zona considerada “habitável” de sua estrela, o que significa, segundo os cientistas, que pode existir água líquida em sua superfície. Isso porque o astro central, LHS 1140, é uma estrela fraca, avermelhada e pequena, com apenas 60% da massa do Sol. Assim, ela não expõe o exoplaneta – chamado assim porque fica fora do nosso sistema solar – a uma radiação solar tão intensa.

Utilizando telescópios para fazer medições em LHS 1140b, os pesquisadores descobriram que ele guarda algumas semelhanças com o nosso planeta. Apesar de seu raio ser 1,4 vezes maior do que o da Terra, assim como ela, o corpo celeste apresenta uma composição rochosa e provavelmente foi formado em sua localização atual, sofrendo pouco ou nenhum deslocamento desde então. Os autores do estudo chegaram a essa conclusão porque a órbita do exoplaneta, que tem uma trajetória circular, não passou por alterações significativas desde que ele surgiu.

Além disso, a equipe de cientistas também afirma que, por orbitar uma estrela pequena e bem próxima da Terra, telescópios atuais seriam capazes de identificar gases específicos na atmosfera do astro – se ela existir. “Atmosferas de planetas do tamanho da Terra são acessíveis para serem observadas por meio de espectroscopia de transmissão quando eles passam em frente a essas estrelas”, escrevem os autores no artigo.

Os cientistas ressaltam, no entanto, que estudos mais aprofundados são necessários para descobrir informações precisas sobre a órbita do exoplaneta, determinando suas características climáticas e se ele pode ser habitável ou não.

Fonte: Veja




O impacto da tragédia do Rio Doce para a saúde

Estudo inédito investiga os principais problemas físicos e psicológicos de quem foi atingido.


Alemanices: Pfand, reciclar "ganhando" dinheiro

Troca é parte de uma estratégia adotada há décadas para incentivar reciclagem.


Papagaio-chauá ganha projeto de conservação

Iniciativa visa monitorar a presença do animal na Mata Atlântica.


Cientistas identificam 21 espécies de dinossauros

Cientistas identificam 150 pegadas de 21 espécies de dinossauros na Austrália.


Células-tronco como terapia contra impotência

Pesquisadores testam com sucesso solução para disfunção erétil com uma única injeção.


Humanos e ratos convivem há 15 mil anos, diz estudo

Estudo revela que domesticação de animais começou antes do surgimento da agricultura.


A luta para salvar o Mar Morto

Principal causa são os desvios do rio Jordão, que levam água à população do Oriente Médio.


Nuvens ainda são um mistério para a ciência

Embora familiares, as variadas formas no céu permanecem basicamente imprevisíveis.


Cientistas divulgam boa notícia sobre pinguins

Pesquisadores descobrem que população de pinguins-de-adélia é bem maior do que o antes estimado.


Amazônia pode entrar em ciclo de desmatamento e seca

Ação humana e redução de chuvas podem transformar floresta em savana.