Termina greve dos bancários

Acabou nesta quarta-feira, dia 26, na maior parte do país, a greve dos bancários que já durava nove dias. Agências dos bancos privados e do Banco do Brasil voltaram a abrir normalmente nesta quinta-feira, 27 de setembro.


Da Redação

27/09/2012 - 21:00

Bancários de bancos privados e do BB de capitais como São Paulo, Rio de Janeiro, Brasília, Belo Horizonte, Curitiba e Campo Grande e estados como Pernambuco, Piauí, Mato Grosso e Alagoas decidiram seguir a orientação da Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf-CUT), nas assembleias realizadas nesta quarta à noite, e aceitaram a nova proposta da Fenaban.

Já os funcionários da Caixa decidiram permanecer em greve em São Paulo, Brasília, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Porto Alegre, Pará, Ceará, Bahia e Sergipe. “Vamos fortalecer a greve na Caixa, buscando cobrar mais avanços para os trabalhadores”, afirma Carlos Cordeiro, presidente da Contraf-CUT e coordenador do comando nacional dos bancários.

Os dias de greve não serão descontados dos bancários, mas terão de ser compensados. A reivindicação dos bancários era anistia, mas a Federação Nacional dos Bancos (Fenaban) não aceitou e apresentou a mesma regra do ano passado de compensação até 15 de dezembro, diz a Contraf.

Assim, os dias parados serão compensados em, no máximo, duas horas por dia, de segunda a sexta-feira, exceto sábados, domingos e feriados. O que ultrapassar esse período não será considerado.

A Federação Nacional dos Bancos (Fenaban) elevou a 7,5% a proposta de reajuste dos salários dos trabalhadores, um aumento real de 2%. A proposta também prevê aumento de 8,5% no piso salarial e no valor dos auxílios-refeição e alimentação; e uma alta de 10% na parcela fixa da Participação nos Lucros e Resultados (PLR). A proposta anterior previa reajuste de 6% nos salários.

Os bancários reivindicavam reajuste de 10,25% nos salários (aumento real de 5%), uma participação nos resultados equivalente a três salários mais R$ 4.961,25 fixos, piso salarial de R$ 2.416,38, criação do 13º auxílio-refeição e aumento dos benefícios já existentes para R$ 622, fim da rotatividade e das metas "abusivas", melhores condições de saúde e trabalho e mais segurança nas agências.

daiana

E a gente que depende desse banco,faz o que. Preciso dar entrada no meu fgts........Socorrooooooooooooooo....

mardonenascimento

Engracado todos os bancos aceitam o reajuste so a caixa economica federal nao,e os clientes que precisam resolver os seus problemas como ficam?

sergio antonio de oliveira

estes bancaria nao faz nada.todos os anos e a mesma ladainha de sempre eles quer aumento.
Lomadee, uma nova espécie na web. A maior plataforma de afiliados da América Latina.

Pais poderão ser obrigados a ter guarda compartilhada

Venda de veículos tem queda de 7,43% em agosto

Conselho recomenda fim da revista íntima em presídios

Balança tem superávit de US$ 1,168 bilhão em agosto

Preservação da Mata Atlântica custaria 0,01% do PIB


Jornal O Debate

Emprego em Portugal

Emprego nos Estados Unidos

Siga O Debate pelo Twitter
Curta-nos pelo Facebook

    Vídeo mostra os efeitos do Sol na nossa pele



Copyright © 2014 Todos os direitos reservados