Termina greve dos bancários

Acabou nesta quarta-feira, dia 26, na maior parte do país, a greve dos bancários que já durava nove dias. Agências dos bancos privados e do Banco do Brasil voltaram a abrir normalmente nesta quinta-feira, 27 de setembro.


Da Redação

27/09/2012 - 21:00

Bancários de bancos privados e do BB de capitais como São Paulo, Rio de Janeiro, Brasília, Belo Horizonte, Curitiba e Campo Grande e estados como Pernambuco, Piauí, Mato Grosso e Alagoas decidiram seguir a orientação da Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf-CUT), nas assembleias realizadas nesta quarta à noite, e aceitaram a nova proposta da Fenaban.

Já os funcionários da Caixa decidiram permanecer em greve em São Paulo, Brasília, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Porto Alegre, Pará, Ceará, Bahia e Sergipe. “Vamos fortalecer a greve na Caixa, buscando cobrar mais avanços para os trabalhadores”, afirma Carlos Cordeiro, presidente da Contraf-CUT e coordenador do comando nacional dos bancários.

Os dias de greve não serão descontados dos bancários, mas terão de ser compensados. A reivindicação dos bancários era anistia, mas a Federação Nacional dos Bancos (Fenaban) não aceitou e apresentou a mesma regra do ano passado de compensação até 15 de dezembro, diz a Contraf.

Assim, os dias parados serão compensados em, no máximo, duas horas por dia, de segunda a sexta-feira, exceto sábados, domingos e feriados. O que ultrapassar esse período não será considerado.

A Federação Nacional dos Bancos (Fenaban) elevou a 7,5% a proposta de reajuste dos salários dos trabalhadores, um aumento real de 2%. A proposta também prevê aumento de 8,5% no piso salarial e no valor dos auxílios-refeição e alimentação; e uma alta de 10% na parcela fixa da Participação nos Lucros e Resultados (PLR). A proposta anterior previa reajuste de 6% nos salários.

Os bancários reivindicavam reajuste de 10,25% nos salários (aumento real de 5%), uma participação nos resultados equivalente a três salários mais R$ 4.961,25 fixos, piso salarial de R$ 2.416,38, criação do 13º auxílio-refeição e aumento dos benefícios já existentes para R$ 622, fim da rotatividade e das metas "abusivas", melhores condições de saúde e trabalho e mais segurança nas agências.




daiana

E a gente que depende desse banco,faz o que. Preciso dar entrada no meu fgts........Socorrooooooooooooooo....

mardonenascimento

Engracado todos os bancos aceitam o reajuste so a caixa economica federal nao,e os clientes que precisam resolver os seus problemas como ficam?

sergio antonio de oliveira

estes bancaria nao faz nada.todos os anos e a mesma ladainha de sempre eles quer aumento.

Minha empresa entrou em crise. O que faço?

Encare a realidade: os fatos são mais relevantes do que o que você pensa.


5 estratégias básicas de marketing para pequenas empresas

Especialistas dão dicas para administrar bem seu negócio.


Campanha Votabrasil será lançada neste sábado num trio elétrico

Em Ritmo de Carnaval, Iniciativa Do Instituto Uniceub de Cidadania estimula o Voto Consciente e a Redução da Abstenção Eleitoral.


Mundo Verde lança campanha para incentivar alimentação saudável no carnaval

O Carnaval é considerado a melhor época do ano por muitos.


Bibliomundi de Literatura abre inscrições

O Prêmio é uma realização do Selo Off Flip e contempla os gêneros conto, poesia e literatura infantojuvenil.


British Council abre inscrições para bolsa de estudos no Reino Unido

Um profissional brasileiro será selecionado para participar de curso intensivo e de rede internacional de profissionais de festivais na Escócia e quatro estudantes de teatro serão selecionados para curso de teatro contemporâneo.


Anunciada programação do Meeting CICB de Produtividade

O encontro vai debater tecnologia, inovação e gestão na cadeia do couro e do calçado.


Qual o melhor investimento para o período de crise?

Essa pergunta é uma das mais frequentes por onde quer que eu passe, principalmente, por passarmos por um período de crise, onde os anseios são muito grandes.


FGTS e crédito consignado é melhor não misturar

O debate sobre o uso do FGTS para garantir o crédito consignado, conforme vem demonstrando a intenção o Governo Federal, esconde uma série de riscos.


Armadilhas financeiras: como evitar o desperdício de dinheiro?

O consumidor brasileiro é bombardeado sempre com estímulos para comprar, muitas vezes com ofertas de necessidades artificiais, que não precisamos verdadeiramente.





Copyright © 2016 Todos os direitos reservados