Governo pode fazer campanhas para economizar energia

Governo estuda fazer campanhas de conscientização para uso racional de energia.


Da Redação

10/04/2017 - 19:50

O ministro de Minas e Energia, Fernando Coelho Filho, informou nesta segunda-feira (10) que o governo estuda fazer campanhas de conscientização para economia e uso consciente da energia pela população.

O motivo é a falta de chuva prevista para o segundo semestre, que deverá levar a um maior acionamento de usinas termelétricas, o que pode resultar em aumento no custo da operação do sistema elétrico.

“A ideia é que a gente pudesse iniciar campanhas de conscientização para diminuir o impacto que as bandeiras [tarifárias] têm na conta do consumidor. É um movimento que pode iniciar agora, mas acho que tem ser constante, independentemente do preço da energia”, disse o ministro, antes de participar do seminário Concessões e Investimentos no Brasil: Novos Rumos, da FGV Projetos, no Rio de Janeiro.

“O segundo semestre de 2017 deve ser bastante difícil do ponto de vista de fornecimento hídrico, e não energético. Temos energia para atender à população. Por ser um fornecimento que deverá depender em maior parcela pelas [usinas] térmicas , deverá ter um custo adicional [nas contas de energia]”, acrescentou.

O tema foi tratado na semana passada em reunião do Comitê de Monitoramento do Setor Elétrico (CMSE) que determinou a formação de um grupo de trabalho para aprofundar as análises sobre as condições de fornecimento de energia no país. Também caberá ao grupo definir ferramentas e formas de intensificar a divulgação desse processo para a sociedade, de forma proativa.

Bandeiras tarifárias

O diretor-geral da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), Romeu Rufino, disse na semana passada que provavelmente as contas de luz continuarão com a bandeira vermelha patamar 1 acionada até o fim do período seco, que vai até novembro. Por causa da falta de chuvas , essa bandeira tarifária foi acionada e começou a valer no início de abril.

A bandeira vermelha patamar 1, que está em vigor, implica uma cobrança extra de R$ 3 para cada 100 quilowatts-hora (kWh) consumidos. Ela é usada quando é preciso acionar usinas termelétricas (mais caras), por causa da falta de chuvas.

O sistema de bandeiras tarifárias foi criado em 2015 como forma de recompor os gastos extras com a utilização de energia de usinas termelétricas, que é mais cara do que a de hidrelétricas. A cor da bandeira é impressa na conta de luz (vermelha, amarela ou verde) e indica o custo da energia em função das condições de geração.

Fonte: Agência Brasil




Nelson Borges da Silva

Nós sempre fomos enganado por essa quadrilhas de corruptos, mentiroso, ladrões de impostos, só sabe extorquir a população, botando culpa na chuva, para que serve aquele lixo de angra, país governado por PMDB, PSDB e DEMO é morar no inferno.

Produção de energia renovável bateu recorde em 2016

Com 80% da produção total, usinas solares e eólicas promovem rápida expansão das fontes renováveis.


Cemig abre inscrições para o Programa de Estágio 2017

O estágio está previsto para começar em junho, com duração de seis meses.


Conta de luz seguirá com bandeira vermelha

Aneel diz que bandeira vermelha deve continuar na conta de luz até o fim do ano.


Novos painéis solares funcionam mesmo com chuva

Cientistas chineses desenvolvem painéis solares que funcionam mesmo com chuva ou nevoeiro.


Novos cursos para economizar energia elétrica

A empresa Eficiência Máxima está disponibilizando aos seus clientes cursos para reduzir suas despesas com energia elétrica.


Petrobras tem prejuízo de R$ 14,8 bilhões em 2016

Prejuízo apresentou uma forte redução devido ao aumento das exportações e redução das despesas.


Cemig inaugura agência conceito em Belo Horizonte

Tecnologia e localização em shopping vão permitir maior acessibilidade para pessoas com deficiência.


Gestão em energia ameniza custos e garante eficiência

Empresas estão cada vez mais interessadas em obter consultoria para gestão de energia.


BNDES aprova projetos de energia renovável na Amazônia

BNDES aprovou financiamentos para projetos de geração energia limpa a serem implementados.


Valores pagos a mais serão devolvidos na conta de luz

A decisão de como será feita essa devolução, sairá dia dia 28 de março, diz Aneel.