Produção de energia renovável bateu recorde em 2016

Com 80% da produção total, usinas solares e eólicas promovem rápida expansão das fontes renováveis.


Deutsche Welle

10/04/2017 - 08:17

O diretor-geral da Agência Internacional para as Energias Renováveis (Irena), Adnan Z. Amin, exulta: "Estamos testemunhando uma transformação global de energia. Isso se reflete novamente num novo ano recorde na geração de energias renováveis." A declaração foi feita durante a apresentação do relatório Renewable Capacity Statistic 2017, em Abu Dhabi, capital dos Emirados Árabes Unidos.

O documento lista como as energias renováveis se desenvolveram desde 2007 em mais de 200 países e quantas usinas de fontes hidráulica, solar, eólica e de biomassa foram construídas, com qual capacidade.

Energia solar ultrapassa eólica


Em todo o mundo, foram construídas em 2016 usinas de energia limpa com a capacidade total de 161 gigawatts (GW), segundo dados da Irena. Isso corresponde à capacidade instalada de cerca de 161 usinas nucleares ou de carvão de grande porte.

Em termos de geração de energia, as instalações solares estão, pela primeira vez, à frente das eólicas, tendo sido construídas em todo o mundo usinas solares com uma capacidade total de 71 GW, quase 50% a mais do que em 2015. Em seguida vem a energia eólica (51 GW), hidráulica (30 GW), de biomassa (9 GW) e geotérmica (1 GW).

Assim, até o final de 2016 a capacidade de geração de energias renováveis em todo o mundo era de 2.006 GW, mais do que o dobro de dez anos atrás. A transformação da matriz energética mundial é incentivada sobretudo pelo custo atualmente baixo da produção eólica e solar. Na última década, cerca de 80% da energia renovável gerada recai sobre estas duas fontes. 
margin-right: 10px; margin-bottom: 10px;
Energias renováveis crescem em todo o mundo

Renováveis trazem mais empregos e prosperidade

Desde 2009 o preço da eletricidade gerada por usinas eólicas caiu cerca de um terço, e a por centrais solares, aproximadamente 80%. A eletricidade gerada pelas novas instalações é em geral mais barata do que a de usinas convencionais a diesel, carvão, gás e nuclear.

De acordo com dados da Irena, o forte crescimento das energias renováveis tem também outros efeitos positivos. "Elas são muito lucrativas e geram alguns benefícios socioeconômicos, como a criação de novos empregos. Além disso, há a melhora do bem-estar das pessoas e do meio ambiente", diz Amin.

Ele acrescenta, contudo, que, para atingir as metas climáticas mundiais acordadas em Paris, o ritmo de expansão deveria ser acelerado. "Essa dinâmica exige investimentos adicionais para a descarbonização do setor de energia. Os novos dados são um sinal encorajador de que estamos no caminho certo, mas há ainda muito a fazer."

Ásia cresce e Europa fica para trás

Nos últimos anos, o principal motor da expansão global de energia renovável foi a Ásia, com a China decididamente na dianteira. Segundo dados da Irena, o país asiático construiu em 2016 centrais eólicas com capacidade total de 19 GW, seguido a distância pelos EUA (9 GW), Alemanha (5 GW) e Índia (4 GW).

Em relação à energia solar, o ritmo na Ásia é ainda maior. Com a construção de usinas com a capacidade de 50 GW no ano passado, o continente respondeu por cerca de 70% do crescimento mundial. Foram instalados painéis solares com capacidade de 34 GW na China, 8 GW no Japão, 8 GW nos EUA, e 4 GW na Índia.

Como precursores na expansão das renováveis, a Europa e, em particular, a pioneira Alemanha continuam caindo na ampliação desses tipos de energia. No Velho Continente foram instalados apenas 5 GW de energia solar, na Alemanha apenas 1 GW. Como motivo para a diminuição, especialistas veem, sobretudo, a pressão das empresas de energia convencional na política do setor.

"Há um forte movimento contra a energia renovável. Os setores fóssil e nuclear tentam sustar sua expansão, que prejudicam o modelo de negócios deles", diz Stefan Gsänger, secretário-geral da Associação Mundial de Energia Eólica (WWEA), em entrevista à DW.

Gráfico do crescimento da energia solar nos principais países produtores

Eletricidade para mais 300 milhões de seres humanos

Pela primeira vez, o relatório de estatísticas da Irena divulgou também dados especiais sobre os assim chamados "sistemas off-grid" – sistemas isolados, não conectados à rede elétrica e autossustentados por baterias ou geradores.

Mais de 1 bilhão dos habitantes do planeta não têm acesso a redes elétricas, principalmente em regiões remotas. Nesses locais desenvolveu-se nos últimos anos uma forte dinâmica, principalmente em relação à energia fotovoltaica.

No fim de 2016, a capacidade de energia solar off-grid nessas regiões era de 1,4 GW, cinco vezes mais do que em 2011. Em geral trata-se de sistemas bem pequenos, com baterias que fornecem energia para uma aldeia ou casa durante a noite, permitindo a muitos o acesso à eletricidade. Esses sistemas têm grande sucesso especialmente na África e Ásia, com a Índia, Bangladesh, Argélia e África do Sul na linha de frente, segundo dados da Irena.

Na Índia há, ainda, um boom na expansão de bioenergia para fornecimento elétrico local. As instalações construídas em aldeias em 2016 totalizam quase 1 GW, 200 vezes mais do que no ano anterior. Segundo estimativas da Irena, até 60 milhões de famílias ou 300 milhões de pessoas têm acesso à energia através de sistemas off-grid.




Governo pode fazer campanhas para economizar energia

Governo estuda fazer campanhas de conscientização para uso racional de energia.


Cemig abre inscrições para o Programa de Estágio 2017

O estágio está previsto para começar em junho, com duração de seis meses.


Conta de luz seguirá com bandeira vermelha

Aneel diz que bandeira vermelha deve continuar na conta de luz até o fim do ano.


Novos painéis solares funcionam mesmo com chuva

Cientistas chineses desenvolvem painéis solares que funcionam mesmo com chuva ou nevoeiro.


Novos cursos para economizar energia elétrica

A empresa Eficiência Máxima está disponibilizando aos seus clientes cursos para reduzir suas despesas com energia elétrica.


Petrobras tem prejuízo de R$ 14,8 bilhões em 2016

Prejuízo apresentou uma forte redução devido ao aumento das exportações e redução das despesas.


Cemig inaugura agência conceito em Belo Horizonte

Tecnologia e localização em shopping vão permitir maior acessibilidade para pessoas com deficiência.


Gestão em energia ameniza custos e garante eficiência

Empresas estão cada vez mais interessadas em obter consultoria para gestão de energia.


BNDES aprova projetos de energia renovável na Amazônia

BNDES aprovou financiamentos para projetos de geração energia limpa a serem implementados.


Valores pagos a mais serão devolvidos na conta de luz

A decisão de como será feita essa devolução, sairá dia dia 28 de março, diz Aneel.