A nova Barbie e a questão de representatividade

28 de janeiro de 2016 foi um dia para entrar na história.


Autor: Rafaella Iwakura

11/02/2016 - 09:00

Neste dia, e depois de 56 anos, a Mattel anunciou que a sua icônica boneca Barbie terá mudanças significativas. Agora, a boneca apresentará 4 tipos de corpo, 6 tons de pele e diferentes tipos de cabelos e olhos.

Um novo momento na história da empresa está sendo impulsionado, onde as meninas estão encorajadas a se sentirem parte de uma real beleza e de um padrão estético sem padrões.

As respostas dos consumidores na página oficial da Barbie no Facebook não poderiam ser mais positivas:

“Agora sim terei vontade de comprar uma Barbie para a minha irmã mais nova. Amei a iniciativa! Para os que gostam dos modelos ‘antigos’, não precisam se preocupar. Elas não fugirão do mercado. Só temos mais opções e cada um escolhe a que quer”

“Obrigada por ouvir os consumidores! Obrigada por ajudar a ensinar as meninas e meninos que, desde cedo, temos diferenças que nos fazem ser únicos e lindos. Todo o amor pra essa campanha! #atéqueemfim!”

Com isso, a Mattel melhora sua relação com o consumidor e mostra algo às empresas de brinquedos e produtos para crianças: não se pode ignorar o novo contexto social em que vivemos. Discussões sobre representatividade, gênero e feminismo não podem (e nem devem) ser ignoradas.

O consumidor quer ser ouvido, e agora, não no próximo século. Quer se sentir representado nos produtos e consumir dentro de uma lógica menos sexista.

A conectividade traz um mundo sem fronteiras, com mais informação. A informação gera autonomia e permite que o poder de escolha esteja potencializado ao infinito. Inúmeras são as demonstrações da força e do poder de escolha dos consumidores.

É o caso do menino Matias, que teve sua foto ao lado de um boneco de Star Wars viralizada simplesmente porque falou “Eu gosto dele porque é preto igual a mim”. Sincero e direto. E as redes sociais abraçaram Matias, com milhares de likes que mostraram que o menino não está sozinho.

Sábias as empresas que escutam seus consumidores. Quando vejo uma campanha ruim, que não se comunica positivamente com o cliente, ser “detonada” na internet, fico pensando que quem a idealizou certamente está alienado a todas as questões que levantei nesse texto.

Mas como pode? Em que mundo está vivendo? Será que ignora propositalmente todos os sinais? Tento entender o porquê da demora das empresas em mudar o rumo das comunicações, das interações e das ações com o consumidor.

Espero que compreendam esse novo momento e estejam preparadas para ele. Que estejam abertas para a mudança e que se deixem conduzir sabendo mais ouvir do que falar, porque o consumidor não está pra brincadeira não. Representatividade importa sim!

* Rafaella Iwakura é mãe, jornalista e editora do projeto Eduque Com Carinho.




A democratização do ensino básico

As diretrizes curriculares do ensino básico passaram por mudanças.


Mistérios rondam a morte de Teori Zavascki

A Aeronáutica e outras autoridades têm esclarecimentos a prestar.


Monitoramento em mídias sociais

Ano novo, estratégias nem tão novas assim


Pai rico, filho nobre e neto pobre

É necessária uma melhor preparação dos herdeiros para que haja um processo bem estruturado de sucessão familiar.


Seis erros de quem estuda online

Hoje em dia tudo acontece online, por meio de computadores, tablets e celulares.


Professor, conheça a Sala de Aula Invertida

Você já parou para pensar quantas aulas um professor pode dar em uma semana?


Norte-americanos com dívidas e sem diploma

O financiamento estudantil do Governo dos Estados Unidos está fazendo água.


O hóspede é rei

O verão é a época mais aquecida em termos de negócios para o setor hoteleiro no Brasil.


Reforma trabalhista e terceirização de atividades

Mudanças no tratamento conferido ao fenômeno da terceirização das atividades empresariais vêm sendo sugeridas.


Criação de peixes cada vez mais forte no país

A criação de peixes em cativeiros se tornou uma atividade altamente lucrativa nos últimos anos em nosso país.