Atraso no pagamento dos tributos e sonegação fiscal

Em tempos de crise é necessário saber os conceitos de elisão e evasão fiscal.


Autor: Jorge Calazans

10/03/2017 - 11:00

Em tempos de crise, onde inúmeras empresas não estão conseguindo pagar em dia suas obrigações tributárias, se faz inicialmente necessário explicar os conceitos de elisão e evasão fiscal, sabendo que existe linha muito tênue entre ambos.

Entretanto, a regra principal que os diferencia é o momento do fato gerador e a conduta do contribuinte. A elisão legítima é buscar economia do tributo evitando a ocorrência do fato gerador, sendo uma prática lícita, isso porque o contribuinte agiu antes da ocorrência do fato gerador e a obrigação tributária específica ainda não ocorreu, com o direito do fisco ao tributo se encontrando ainda em uma fase abstrata.

Como exemplo, deixar de importar determinado bem ou deixar de produzir determinada mercadoria são comportamentos do contribuinte que precedem a ocorrência do fato gerador, exercendo uma faculdade de não arcar com o tributo sobre a importação ou produção de determinado produto.

Já a elisão ilegítima, ou seja, a evasão, é caracterizada quando se obtém através do abuso das formas jurídicas, ou seja, pela recorrência às formas jurídicas artificiais, anormais, inadequadas em relação ao ato ou negócio jurídico que deveria ser tributado.

Assim, o contribuinte, após a ocorrência do fato gerador, utilizando-se de má-fé, pretende ocultar, através da sonegação, a incidência da norma tributária sobre o fato. A exemplo, realizar importação de um bem ou a produção de determinada mercadoria, mas omitir a prática dessas operações ao fisco.

A sonegação é definida pela Lei nº 4502/65 em seu artigo 71, e tem como traço comum a ideia de fraude consistente em omissão de informação quando existente dever de declarar, reduzindo o valor do tributo a ser pago. Diante disso, o atraso no pagamento do tributo será considerado apenas uma infração administrativa passível de cobrança de juros ou multa, desde que ocorrido após o fato gerador, e envio das declarações ao fisco, sendo o débito declarado em sua integralidade.

Sempre que ocorrer qualquer impontualidade do sujeito passivo, resultará na cominação de juros de mora, pois correspondem à mera recomposição do poder de compra do capital. Desse modo, o tributo manteve-se devido no mesmo valor da data do pagamento, e o contribuinte não recaiu em nenhuma conduta criminosa.

* Jorge Calazans é advogado, sócio do escritório Yamazaki, Calazans e Vieira Dias Advogados.




O eleitor não é vaga-lume para aceitar lista fechada

A verdade é que a política nacional está contaminada.


Coaching para profissionais de vendas

Os primeiros processos de compra e venda surgiram logo que os seres humanos começaram a socializar.


O custo da violência no trânsito brasileiro

Um trânsito mais seguro depende de cada um de nós.


A deturpação do conceito de Direitos Humanos

Quando falamos em Direitos Humanos é recorrente a ideia da ampla defesa de presos e criminosos.


Terceirização e desumanização

Sem trabalho, criativo e consciente, o homem não é homem.


Para convencer, é preciso se autoconhecer

Uma das principais características de alguém com ótimo poder de convencimento é o autoconhecimento.


2017/2018: o Biênio da Matemática no Brasil

Os dois maiores eventos mundiais da matemática acontecerão no Brasil e pela primeira vez.


Reflexões e uso da tecnologia ou metodologia

Como a escola está posicionada ou qual nosso papel como educadores no momento?


A leitura como um aprendizado para a vida

Um dos mais importantes temas em educação e em formação humana é a leitura e a formação de leitores.


Passo lento no Congresso

O relógio do Congresso precisa bater num ritmo mais próximo do andamento da economia real.



...


...