E agora? O que faço?

Estávamos projetando crescimento em cima de uma perspectiva irrealista.


Autor: Reinaldo A. Moura

17/02/2017 - 11:00

Meus dados estatísticos e uma simples análise de projeções para 2,5 ou 10 anos apontavam um crescimento além de nossa capacidade. Fiz estudos, projetos e contratos para atender às demandas futuras. Fui prejudicado já em 2015 com as baixas no mercado, em 2016 mais ociosidade.

E agora em 2017? Tenho tudo documentado, se não fizesse análises em 2013 e 2014 seria taxado de incompetente, pois tudo estava crescendo e a passos largos (2 dígitos em alguns casos). Não sabia que era alavancagem. E qualquer contra explicação julgavam-me pessimista.

Nas rodas com amigos, seja nos almoços, happy hours, todos estavam felizes e até mesmo otimistas. A crise é política! E só “ela” sair e tudo melhorará. Ledo engano! Estávamos projetando crescimento em cima de uma perspectiva irrealista.

O novo consumidor das classes D e E sem emprego fixo não garantiram o crescimento futuro. Análise de projeção é uma mera estatística, que apenas indica um número. Estimativas dos especialistas foram descartadas, como fizeram com lançamentos imobiliários, criando uma falsa demanda.

Ações de marketing destruíram muitos sonhos de ganhos fáceis – pura especulação. Quem aposta nem sempre ganha, ou melhor, tem 2/3 de chances de errar logo de partida. Então generalizou-se com a palavra crise! Que crise? Se todos estavam numa banca de apostas!

Em paralelo, houve os escândalos denunciados pela Lava-Jato etc, que só serviram de bode expiatório. Mudou o governo e dai? A globalização está ameaçada pelos nacionalistas de qualquer país. O buraco é bem maior e está lá embaixo, bem mais profundo.

Não adianta chorar pelo leite derramado. Agora é tarde. Estimativas sem uma base fundamental, orgânica é pura especulação. Alguns ganham e a maioria perde. Jornais noticiam tudo, seja uma ou outra expansão, ou crises generalizadas.

E agora o que fazer? Reveja todas suas projeções. Pise em terra firme. Estoure as bolhas que você ajudou a inflar. Caia na real! Nada acontece ao acaso. Mais cedo ou mais tarde veremos que muitos artifícios foram ilusões eleitoreiras.

Estatística é uma mera ferramenta que auxilia outros indicadores e opiniões de especialistas. Inclusive dos otimistas que só querem ouvir boas notícias! A vida é assim, não caia na tentação de belas palavras em frases de efeito.

* Reinaldo A. Moura é engenheiro e mestre em Ciências e Engenharia de Produção pela Escola Politécnica da Universidade de São Paulo e fundador do Grupo IMAM entidade dedicada ao treinamento de curta duração.




O eleitor não é vaga-lume para aceitar lista fechada

A verdade é que a política nacional está contaminada.


Coaching para profissionais de vendas

Os primeiros processos de compra e venda surgiram logo que os seres humanos começaram a socializar.


O custo da violência no trânsito brasileiro

Um trânsito mais seguro depende de cada um de nós.


A deturpação do conceito de Direitos Humanos

Quando falamos em Direitos Humanos é recorrente a ideia da ampla defesa de presos e criminosos.


Terceirização e desumanização

Sem trabalho, criativo e consciente, o homem não é homem.


Para convencer, é preciso se autoconhecer

Uma das principais características de alguém com ótimo poder de convencimento é o autoconhecimento.


2017/2018: o Biênio da Matemática no Brasil

Os dois maiores eventos mundiais da matemática acontecerão no Brasil e pela primeira vez.


Reflexões e uso da tecnologia ou metodologia

Como a escola está posicionada ou qual nosso papel como educadores no momento?


A leitura como um aprendizado para a vida

Um dos mais importantes temas em educação e em formação humana é a leitura e a formação de leitores.


Passo lento no Congresso

O relógio do Congresso precisa bater num ritmo mais próximo do andamento da economia real.



...


...