Para lidar com as grandes transformações

Convido você para uma viagem no tempo.


Autor: Luciana Campos Souza

16/02/2017 - 10:00

Volte 10 anos e reflita sobre as seguintes questões: com que frequência você assistia a um vídeo? Como se comunicava com seus amigos? Quem publicava reportagens e notícias?

Como era o acesso à Internet? E agora, nos dias atuais, você percebe alguma mudança? Muitas, não é mesmo? As coisas se transformaram em pouco tempo e continuam mudando a uma velocidade impressionante.

Hoje somos bombardeados por informações, fotos, vídeos, entre outras coisas. Mas quem está criando todos esses conteúdos? São profissionais ou aquele aluno sentado no fundo da sala de aula? Os criadores de conteúdos digitais podem estar em qualquer lugar e irão transformar a forma de se comunicar e pouco tempo.

E com a educação não será diferente. YouTubers, instagrammers e snapchaters estão ganhando fama, uma notoriedade que antes era exclusiva das celebridades. São pessoas anônimas, que, por meio da Internet, compartilham ideias e oferecem informações, não têm medo de se expor e são grandes influenciadores de opiniões.

Criadores de conteúdos profissionais ou não, estão cada vez mais presentes em nossas vidas, formando uma imensa teia entre quem cria e quem “consome” esses conteúdos. Transportando para a sala de aula, é importante refletir: seu aluno tem espaço para ser um criador de conteúdo?

Como a geração que está adaptada a curtir, compartilhar e publicar pode gostar de copiar textos no caderno? Esse é o novo perfil de alunos em nossas salas de aula. E isso é ruim? Não! Isso é incrível, esses novos alunos têm sede de conhecimento e querem disseminar o que sabem.

E aí entra o papel do novo professor, que deve incentivar a criação de conteúdos digitais dentro da sua sala de aula. Mas como fazer isso? Aí vão algumas dicas:

- Não limite seus alunos a atividades de cópia.

- Incentive o uso das redes sociais para compartilhar atividades e conteúdos.

- Solicite atividades ou tarefas que envolvam a criação de vídeo e/ou uso de fotos.

- Indique videoaulas para que os alunos possam estudar em casa.

- Incentive as pesquisas. Não tenha respostas prontas!

- Conheça as tendências, saiba o que os alunos estão “curtindo” no momento.

- Estimule atividades em grupos, que permitam a troca de ideias.

- Crie grupos nos canais de comunicação, para que possam tirar dúvidas e debater assuntos importantes.

- Não fique preso em apresentações em PowerPoint, explore os recursos digitais – os jovens são multimídia e você também pode ser!

- Jamais proíba o uso de tecnologias na sala de aula. Uma boa tática é limitar o uso. Tirar fotografias do quadro negro ou filmar aulas e apresentações, pode. Bater papo nas redes sociais, não pode.

- Seja você também um criador de conteúdo digital, produza vídeos, fotos e textos.

Já dizia o provérbio americano: “Se não pode derrotá-los, junte-se a eles”. Que tal usar seu conhecimento atrelado às dicas e transformar a criação de conteúdo em uma nova experiência também para seus alunos. Hoje a aprendizagem se torna muito mais significativa quando os alunos curtem os conteúdos, compartilham o que aprenderam e publicam suas ideias!

* Luciana Campos Souza é Orientadora Educacional da Planneta, empresa do grupo Vitae Brasil.




Uma dose de otimismo

O que esperar deste novo ano?


Como vai o seu CHA?

O ano de 2017 chegou e, com ele, novas possibilidades e novos caminhos. Você já se perguntou como anda o seu CHA?


A tecnologia como remédio para a saúde pública

Cerca de 1,4 milhão de pessoas deixaram os planos de saúde em 2016 no Brasil.


Agricultura familiar, um estímulo à economia brasileira

O agronegócio está entre as principais atividades responsáveis por movimentar a economia brasileira.


Big Data para auxiliar na tomada de decisão

Como começar a utilizar o big data para a tomada de decisões estratégicas.


Três tecnologias que vão revolucionar o e-commerce

Chatbots, deep learning e aplicativos progressivos para a web prometem mudar a forma como as marcas vendem online.


Direitos Humanos ou “dos manos”?

Será que a vida de um criminoso é mais importante do que a de um cidadão de bem ou a de um policial?


O avanço da febre amarela e dos crimes ambientais

Todos precisam ficar atentos à questão, pois não se trata de um problema isolado.


O normal virou gordo e o desnutrido virou normal

A ditadura da beleza e como ela estraga a alimentação das pessoas.


A adesão ao PDV e os riscos para o trabalhador

Nos últimos meses uma série de empresas e estatais estão implementando programas de demissão voluntária.



...




...