Regularização Fiscal: Refis da Crise e Refis da Copa

Contribuintes dispõem de duas oportunidades para regularização das dívidas junto ao Fisco federal, devendo atentar para os prazos.


Autor: Rodrigo de Castro Lucas

27/06/2014 - 15:55

Enquanto os olhos do mundo estão voltados ao Brasil para acompanhar os jogos da Copa do Mundo, o Governo Federal trabalha na busca de alternativas para a recomposição das receitas públicas comprometidas com os altos investimentos para a realização do evento.

A primeira dessas soluções, que visa o reabastecimento dos cofres públicos federais, foi regulamentada pela Portaria Conjunta nº 9 elaborada pela Procuradoria Geral da Fazenda Nacional e pela Receita Federal do Brasil.

Essa Portaria objetiva normatizar os procedimentos para que os cidadãos ou empresas que tenham débitos federais possam regularizar sua situação fiscal. Embora seja uma oportunidade para regularização do passivo tributário federal, os contribuintes devem estar atentos de que não se trata de um novo programa de parcelamento especial, mas, sim, de reabertura do prazo para adesão ao chamado “Refis da Crise de 2008”, o que implica no fato de somente serem parceláveis os débitos federais vencidos até 30 de novembro de 2008.

Por outro lado, a segunda alternativa, apresentada em 18 de junho de 2014, com a publicação da Lei nº 12.996/2014, vem sendo chamada de “Refis da Copa”, e, embora autorize a inclusão no parcelamento, dos débitos tributários vencidos até 31/12/2013, impõe condições mais severas para a adesão a esse programa, já que para as dívidas parceladas de até R$ 1.000.000,00 o contribuinte deverá antecipar o correspondente a 10% do valor do débito. Já para os débitos superiores a esse valor, a antecipação deverá corresponder a 20% do montante da dívida objeto do parcelamento. Em ambos os casos, a antecipação poderá ser dividida em até cinco parcelas iguais e sucessivas.

O prazo para a adesão ao Refis da Crise vai até 31 de julho de 2014, tanto para o pagamento à vista quanto para o parcelamento, já para a adesão ao Refis da Copa o prazo vence no dia 29 de agosto de 2014.
Ambos os parcelamentos poderão ser feitos em até 180 meses, desde que o valor de cada parcela não seja inferior a R$ 50,00 em se tratando de débitos de pessoas físicas, ou de R$ 100,00 caso o débito parcelado seja de pessoa jurídica, e poderão ser quitados à vista ou parcelados em 30, 60, 120 ou até 180 meses, observando-se que quanto maior o prazo de pagamento, menores serão os benefícios com as reduções das multas e dos juros, além do que o saldo devedor será atualizado mensalmente pela Taxa Selic.

O pedido de adesão deve ser feito exclusivamente pela internet, nos seguintes sites: www.receita.fazenda.gov.br ou www.pgfn.fazenda.gov.br.

Com a adesão ao Refis, o contribuinte regularizará sua situação fiscal, reestabelecendo seu direito de participar de licitações e de contratar com órgãos públicos. Além disso, o contribuinte poderá ter acesso a linhas de crédito e a financiamentos com recursos públicos.

Destacamos que a legislação tributária estabelece o prazo decadencial de cinco anos para a extinção do crédito tributário. Ou seja: como o Refis da Crise trata de reabertura de parcelamento de débitos já antigos (anteriores a 30 de novembro de 2008), o contribuinte deverá se atentar para não incluir nesse parcelamento especial débitos que não mais poderão ser cobrados pelo fisco.

* Rodrigo de Castro Lucas é Mestre em Direito Público pela PUC/MG. Professor Universitário. Coordenador da Área Tributária da Bady Curi Advocacia Empresarial.




NEUSA AMARAL

Tenho uma divida juridica com a previdencia rf/1992.Não consigo dar baixa na empresa por este motivo. Esse debito sou obrigada a pagar ou esta em decadencia. Espero uma resposta Agradecida Neusa

Uma dose de otimismo

O que esperar deste novo ano?


Como vai o seu CHA?

O ano de 2017 chegou e, com ele, novas possibilidades e novos caminhos. Você já se perguntou como anda o seu CHA?


A tecnologia como remédio para a saúde pública

Cerca de 1,4 milhão de pessoas deixaram os planos de saúde em 2016 no Brasil.


Agricultura familiar, um estímulo à economia brasileira

O agronegócio está entre as principais atividades responsáveis por movimentar a economia brasileira.


Big Data para auxiliar na tomada de decisão

Como começar a utilizar o big data para a tomada de decisões estratégicas.


Três tecnologias que vão revolucionar o e-commerce

Chatbots, deep learning e aplicativos progressivos para a web prometem mudar a forma como as marcas vendem online.


Direitos Humanos ou “dos manos”?

Será que a vida de um criminoso é mais importante do que a de um cidadão de bem ou a de um policial?


O avanço da febre amarela e dos crimes ambientais

Todos precisam ficar atentos à questão, pois não se trata de um problema isolado.


O normal virou gordo e o desnutrido virou normal

A ditadura da beleza e como ela estraga a alimentação das pessoas.


A adesão ao PDV e os riscos para o trabalhador

Nos últimos meses uma série de empresas e estatais estão implementando programas de demissão voluntária.



...




...