As lições da Suécia para um transporte mais eficiente

O que os suecos estão fazendo para melhorar o trânsito, as emissões dos veículos e a formação de motoristas profissionais.


Marcos Villela

05/04/2017 - 07:48

As viagens ao exterior são excelentes momentos para o aprendizado por meio da observação e conversas com os residentes dos locais visitados. Por trabalhar na área de transporte, costumo ir algumas vezes ao ano a diferentes países para conhecer novas tecnologias e tendências de mobilidade.

Recentemente, estive na Suécia para conhecer o andamento das soluções da Scania para o transporte de cargas e passageiros. Então, aproveitei a oportunidade para conhecer melhor o jeito do sueco lidar com os desafios similares aos nossos e compartilho algumas observações e curiosidades:

Bicicleta: Cresce o uso do veículo de duas rodas e propulsão humana (não vi bicicletas elétricas, mas deve ter). A cidade é bem servida de ciclovias, plana e as distâncias não são grandes. Nas vias expressas, o uso da bicicleta é proibido. O clima inicial de primavera era frio, mas não tanto.

Mesmo assim, a proporção de usuário, em uma estatística caseira, era de 1 bike para cada 20 carros.

Transporte público: A capital, Estocolmo, é muito bem servida de ônibus, metrô e trens e mesmo altos executivos de empresas utilizavam esses meios de transporte. Porém, os engarrafamentos de cada dia estavam nas ruas pela manhã e no fim da tarde. Mesmo sendo excelente, o transporte público ainda não é solução para todos os habitantes e rotas. Na cidade, já existe pedágio urbano há alguns anos.

Ônibus: Atualmente, 92% dos ônibus que rodam dentro da cidade são de veículos movidos por energias alternativas ao combustível fóssil. Os ônibus são elétricos, a gás metano, híbrido ou etanol.

Abastecimento urbano: Neste item talvez a Suécia esteja pior do que o Brasil. O aproveitamento dos caminhões é de 10%, fazendo com que os veículos de carga circulem pela cidade vazios. Na cidade, também, é proibido os caminhões acima de 3 toneladas a entrarem na cidade à noite. A tendência é o contrário disso, dos caminhões grandes abastecendo as grandes redes de lojas, shopping e supermercado à noite para aliviar o trânsito durante o dia. Mas já trabalham para reverter essa situação.

Segurança no trânsito: A Suécia tem a meta de acidente zero, porém, lá é um dos raros países da Europa que é permitido dirigir falando ao celular.

Formação de caminhoneiro: Ao contrário do Brasil, onde se pode obter uma CNH na categoria profissional facilmente, lá já existe curso de nível médio e com três anos de duração para a formação de novos caminhoneiros. O resultado é que além de não ter problema com falta de motoristas profissionais, eles são bem qualificados.

Onde fica Estocolmo (Suécia)?




Debate para o transporte coletivo ser mais atrativo

Rádio Jovem Pan promove Fórum Mitos e Fatos para discutir como fazer o cidadão deixar o carro em casa e usar o transporte público.


Rigor na habilitação de motociclista para reduzir acidentes

Congresso discute lei que vai dividir CNH categoria A em três subcategorias conforme o tempo de experiência do piloto.


Exame toxicológico: ITTS divulga nota de esclarecimento

O Jornalista Marcos Villela questiona dados genéricos e sem comprovada relação com as causas dos acidentes com caminhões.


Exigência do exame toxicológico se mostra ineficaz

Quase 1 milhão de motoristas já fizeram o teste e pagaram quase R$ 3 milhões aos laboratórios.