Copom indica um novo corte na taxa Selic

A redução da taxa estimula a economia porque juros menores impulsionam a produção e o consumo.


Da Redação

02/03/2017 - 14:15

O Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central (BC) pode intensificar o ritmo de cortes na taxa básica de juros (Selic). A indicação da nova estratégia consta da ata da última reunião do comitê, divulgada quinta-feira (2).

No último dia 22, o Copom anunciou o quarto corte seguido na taxa. Por unanimidade, o comitê reduziu a Selic em 0,75 ponto percentual, de 13% ao ano para 12,25% ao ano.

Com a recessão econômica e as expectativas de inflação em queda, o comitê indica que os próximos cortes podem ser maiores do que o da reunião passada de 0,75 ponto percentual. “Com expectativas de inflação ancoradas, projeções de inflação na meta para 2018 e marginalmente abaixo da meta para 2017, e elevado grau de ociosidade na economia, o cenário básico do Copom prescreve antecipação do ciclo de distensão da política monetária [redução da Selic]”, diz a ata.

A projeção de inflação do Copom para 2017 caiu em relação à estimativa prevista em janeiro e ficou em torno de 4,2%, abaixo do centro da meta de 4,5%. Para o próximo ano está ao redor de 4,5%. Para instituições financeiras consultadas pelo BC, a inflação ficará em 4,36%, em 2017 e em 4,5% em 2018.

Na ata, o Copom diz também que se os cortes forem maiores, o ciclo de redução da Selic (período de cortes) pode ser menor. Ou seja, em vez de ir cortando a Selic aos poucos a cada reunião, o Copom pode fazer reduções maiores na taxa em um período menor de tempo. As reuniões do Copom ocorrem aproximadamente a cada 45 dias. A próxima reunião está marcada para os dias 11 e 12 de abril.

O Copom ressalta que a aprovação e implementação de reformas fiscais são fundamentais para a sustentabilidade da desinflação e para a redução da taxa de juros ao longo do tempo.

A redução da taxa Selic estimula a economia porque juros menores impulsionam a produção e o consumo em um cenário de baixa atividade econômica. Segundo o boletim Focus, os analistas econômicos projetam crescimento de apenas 0,48% do Produto Interno Bruto (PIB, soma dos bens e serviços produzidos pelo país) em 2017.

No ano passado, a economia registrou retração. De acordo com o Índice de Atividade Econômica do Banco Central (IBC-Br), a queda ficou em 4,34%. O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) vai divulgar o PIB de 2016 no próximo dia 7. O PIB (Produto Interno Bruto) é a soma de todos os bens e serviços produzidos no país.

A taxa básica é usada nas negociações de títulos públicos no Sistema Especial de Liquidação e Custódia (Selic) e serve de referência para as demais taxas de juros da economia. Ao reajustá-la para cima, o Banco Central segura o excesso de demanda, que pressiona os preços, porque juros mais altos encarecem o crédito e estimulam a poupança. Quando reduz os juros básicos, o Copom barateia o crédito e incentiva a produção e o consumo, mas enfraquece o controle da inflação.

Fonte: Agência Brasil




Caixa Econômica tem lucro de R$ 4,1 bilhões em 2016

Banco registrou queda de 43% em relação aos 7,2 bilhões de lucro registrados em 2015.


Confiança do Consumidor atinge maior índice desde 2014

Índice atingiu 85,3 pontos em março.


ABIH promove congresso com foco em planejamento

Congresso Nacional de Hotéis (CONOTEL) acontecerá entre os dias 17 e 19 de maio em São Paulo.


Mecanismo para reduzir a mortalidade de empresas

Ferramenta ajuda donos de negócios a venderem suas empresas de maneira autônoma.


Emissor gratuito de NFe será mantido em 2017

Desde 1º de janeiro de 2017 os emissores passaram a ser atualizados e disponibilizados pela SEFAZ-MA.


A reforma trabalhista e as oportunidades do home office

A combinação de modernização regulatória e tecnológica é a chave para trazer mais produtividade às empresas.


Apesar de Trump, brasileiros investem nos EUA

Empresas brasileiras migram para hub especializado no Estado de Connecticut, nos EUA.


Mais de 850 cidades têm problemas por falta de água

Em 2017, as regiões Nordeste e Centro-Oeste são as mais afetadas do Brasil.


Coreia do Sul retoma a compra de frango do Brasil

Seul volta atrás e cancela veto à importação de carne de frango, mas intensificará fiscalização.


Escândalo da carne se alastra

China, Chile e Coreia do Sul suspendem importações.



...


...