PIB brasileiro fecha 2016 com uma queda de 3,6%

As quedas no PIB de 2015 e 2016 representam a maior recessão no país desde 1947.


Da Redação

07/03/2017 - 10:00

O Produto Interno Bruto (PIB), que é a soma de todos os bens e serviços produzidos no país, fechou 2016 com uma queda de 3,6%.

Em 2015, a economia brasileira já tinha recuado 3,8%. Segundo dados divulgados nesta terça-feira (7), no Rio de Janeiro, pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o PIB de 2016 ficou em R$ 6,3 trilhões. Segundo o IBGE, os números do PIB de 2015 e 2016 representam a maior recessão desde 1947.

Segundo a coordenadora de Contas Regionais do IBGE, Rebeca Palis, já houve anos em que a retração foi maior que 2016, mas nunca a economia brasileira havia somado 7,2% de queda em um biênio.

"A magnitude da queda, olhando o biênio, é a maior desde 1948", disse ela, que explicou que a série histórica do IBGE para o PIB começa em 1947, mas apenas em 1948 há dado de variação anual.

"Em outros períodos, algumas atividades econômicas davam uma segurada na economia. Nesse biênio, foi disseminado na economia toda, o que não é muito comum de acontecer. Serviços foram muito afetados, o que não acontecia muito", explicou.

O resultado negativo dos dois anos fez o PIB do país voltar para o patamar registrado no terceiro trimestre de 2010, segundo o IBGE.

No último trimestre de 2016, o PIB recuou 0,9% em relação ao trimestre anterior e caiu 2,5% na comparação com o mesmo período do ano anterior.

O setor da economia que sofreu a maior queda em 2016 foi a agropecuária, com uma contração de 6,6%. Na indústria, a queda foi de 3,8%. O segmento de serviços teve um recuo de 2,7%, segundo o IBGE.

Se analisado apenas o quarto trimestre, houve queda na indústria (-0,7%) e nos serviços (-0,8%) em relação ao terceiro trimestre do mesmo ano. Nessa base de comparação, houve crescimento de 1% na agropecuária.

Já na comparação do quarto trimestre com o mesmo período de 2015, todos os setores caíram, com destaque para o recuo de 5% na agropecuária. Indústria e serviços apresentaram retração de 2,4%.

Durante o ano de 2016, o desempenho negativo da agropecuária se deveu ao desempenho da agricultura. Já a indústria contou com uma queda de 5,2% na construção e de 2,9% na indústria extrativa mineral. Houve resultados positivos nas atividades de eletricidade e gás, esgoto e limpeza urbana com crescimento de 4,7%.

Os serviços foram puxados para baixo pela recuo do comércio, de 6,3%, e pelo resultado negativo dos outros serviços, de -3,1%. Atividades imobiliárias avançaram 0,2%.

Fonte: Agência Brasil




Índice de inflação do aluguel cai em abril

Inflação do aluguel cai e acumula variação de 3,37% em doze meses.


O que deve mudar com a reforma trabalhista?

Projeto aprovado pela Câmara altera profundamente as relações trabalhistas no Brasil.


Exportações brasileiras crescem 24,4% no 1º trimestre

A maior alta nas exportações foi observada no setor da indústria extrativa, 38%.


Dia das Mães deve injetar R$2,10 bi no comércio de BH

Empresários estão otimistas e acreditam que as vendas serão melhores este ano.


Mercado financeiro espera inflação de 4,04% no ano

Banco Central reduz projeção para a inflação em 2017 pela sétima vez no ano.


Tribunal valida acordo milionário entre VW e EUA

Juiz afirma que valor acordado é suficiente pela fraude cometida.


Maioria dos empresários não pretendem contratar crédito

85% dos micro e pequenos empresários não pretendem contratar crédito nos próximos três meses.


Caixa já pagou mais de R$15 bilhões das contas inativas

A previsão é que R$ 43,6 bilhões sejam sacados das contas inativas do FGTS.


Livros infantis ganham espaço no mercado brasileiro

Nesta terça-feira (18/04) é comemorado o Dia Nacional do Livro Infantil.


Inadimplência de pessoas físicas cresce em BH

Segundo pesquisa da CDL/BH, entrada de recursos do FGTS está ajudando as pessoas a quitarem dívidas.