As dores mais comuns durante a gestação

Durante a gestação, é normal a mulher sentir dores ou desconforto por um curto período e pouca intensidade. As inúmeras alterações causadas pelo aumento dos níveis de hormônios deixam as articulações ficam mais soltas.


Da Redação

11/11/2012 - 18:00

Por isso, as gestantes sofrem com dores nas costas, quadris, joelhos e tornozelos. Além disso, é possível a gestante apresentar dores abdominais que, geralmente, ocorrem no segundo trimestre da gravidez, já no terceiro trimestre, ela pode sentir contrações descoordenadas da musculatura uterina, conhecida por Braxton-Hicks. Nas últimas semanas, a gestante pode sentir cólica e dor pélvica, afinal o bebê se encaixa na parte inferior da bacia. Na verdade, sentir tais incômodos é normal, mas é importante observar com qual frequência e intensidade essas dores se manifestam.

Se forem muito fortes podem indicar algum problema de saúde e isso tem de ser levado ao médico. De acordo com o ortopedista Luiz Alberto Nakao Iha, formado pela Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP) e médico da Clínica Healthme, é comum a ter dificuldade em realizar tarefas simples como agachar, sentar, andar ou virar de lado.

“Também é considerado normal, durante a gravidez, ela sofrer com transtornos de ordem circulatória (inchaços), osteoarticular (predisposição e lesões articulares), muscular (dores) e respiratória devido a alterações hormonais e o grande aumento do volume abdominal”, explica o médico.

O médico acrescenta que a dificuldade em se movimentar e as queixas de dores pioram no último trimestre da gestação. E é importante a paciente conhecer quais são as dores mais comuns para identificar os sintomas e identificar se algo está fora de controle. Por tal motivo, o ortopedista lista os principais incômodos na gestação e dá dicas para minimizar o desconforto, confira! 

Dor nas costas: Costuma ser mais intensa do quinto ao sétimo mês de gestação. “A gestante pode sentir dor na região lombar, localizada na região inferior das costas. E dores nas pernas devido à contratura da musculatura ao longo da coluna. A intensidade piora se a mulher permanecer muito tempo sentada ou em pé”, destaca. 

Evite: Usar salto alto e coloque um travesseiro entre as pernas ao dormir de lado. Se for abaixar, dobre as pernas e não a coluna. Mantenha uma alimentação equilibrada para controle de peso. 

Dor na panturrilha e tornozelos: Geralmente, surge após o segundo trimestre, por causa da tensão nas pernas causada pelo aumento do peso e acúmulo de líquido nas pernas, provoca um incômodo e sensação de peso nas panturrilhas principalmente no final do dia.

Evite: Para amenizá-la, é importante realizar alguns exercícios físicos e  alongamento para as pernas. Um deles é deitar e como um pano(por exemplo: toalha, fronha) apoiado na ponta do pé com o joelho esticado e tentar alongar a parte posterior da perna.

Dor sacro-ilíaca: ela acomete a articulação entre o sacro (final da coluna que se alarga) e a bacia, chamada de articulação sacro-ilíaca. A dor se estende para os glúteos e região posterior da coxa, não ultrapassando o joelho. Ela ocorre devido ao aumento de peso e alterações hormonais que podem sobrecarregar essas articulações.

Evite: Para prevenir as dores e desconforto durante a gestação, vale apostar em exercícios de fortalecimento da musculatura e diminuir o esforço nas crises de dor.

Câimbras: A partir do terceiro trimestre, a barriga começa a pesar e a postura se altera para garantir equilíbrio. As pernas e as costas são as áreas mais afetadas nesse estágio. Também é a fase que o bebê ‘rouba’ o cálcio da mãe aumentando as chances de a gestante sofrer câimbras.

Evite: Mantenha uma alimentação rica em cálcio, ingerindo leite e seus derivados ao menos três vezes por dia. Faça exercícios físicos, alongando os músculos antes e depois da atividade.

Dores nas articulações: É normal surgir sensação de dor ou dormência nas extremidades do corpo, sendo mais frequente nas mãos. Nessa fase, acontece um acúmulo de líquido nos compartimentos e, por esse motivo, alguns nervos podem ser comprimidos e atingir os dedos.

Evite: Controle o aumento excessivo de peso, faça exercícios regularmente e mantenha a postura adequada.

Dores nas pernas: O peso da barriga sobrecarrega o sistema cardiovascular da gestante e isso acarreta inchaços e dores nas pernas.

Evite: O sedentarismo não é saudável também nessa fase. Por isso, pratique atividades físicas, faça caminhadas e aposte em meias elásticas, de suave a média compressão, para diminuir os inchaços.

Outros incômodos: Além das dores musculares e articulares, as gestantes também podem sofrer de dor de cabeça, no estômago, na virilha, nos seios e na região pélvica. “São inúmeros os fatores que contribuem para o surgimento dessas dores, entre eles, o peso da barriga, tamanho do bebê, excesso de peso e alterações hormonais”, diz o médico.

Fonte- Ortopedista Luiz Alberto Nakao Iha, formado pela Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) e médico da Clínica Healthme.




ricardo

minha mulher esta com dor de barriga por mais de tres semana o que pode ser

Controlar o peso pode ajudar a engravidar

O risco de hipertensão, parto prematuro e diabetes gestacional são maiores entre as gestantes com excesso de peso


Minas Gerais confirma sete mortes por febre amarela

O último boletim epidemiológico contabilizava 184 casos notificados da doença.


Conheça os benefícios que o caqui oferece à saúde

Neste artigo mostraremos os principais benefícios do caqui para a saúde.


7 mitos sobre suplementos alimentares

Tudo o que você precisa saber para acabar com o preconceito desses produtos.


Anvisa aprova registro de remédio à base de maconha

Medicamento ajuda no tratamento de adultos com esclerose múltipla.


Trocar o carro pela bicicleta exige alguns cuidados

A busca por hábitos mais saudáveis, principalmente no verão, faz muita gente trocar o carro pela bicicleta.


Número de pessoas com pressão alta aumenta no mundo

Estima-se que 3,5 bilhões de indivíduos tenham pressão arterial alta, mostra estudo.


Despesas com tabagismo custam US$ 1 trilhão por ano

Tabagismo pode custar aos países mais de US$ 1 trilhão por ano, diz OMS.


Brasil registra 1.982 mortes pelo vírus H1N1 em 2016

Ao todo, foram registradas 2.220 mortes pelos diversos tipos de influenza.


Dor de cabeça em crianças e adolescentes

A criança que tem dor de cabeça não tratada pode apresentar comprometimento no rendimento escolar.