Má circulação: tome uma atitude para uma vida saudável

Especialista defende que ter bons hábitos de saúde é a melhor maneira de prevenir doenças e ter uma vida longa e produtiva.


Da Redação

17/09/2012 - 21:00

A má circulação é caracterizada pela passagem dificultosa do sangue pelas veias e artérias, e pode desencadear no desenvolvimento de outras doenças. Os sintomas podem ser muito variados, dependendo da forma como surgem.

Nos casos crônicos, onde o problema circulatório se instala e evolui lentamente, os sintomas dependem do tipo de circulação afetada, isto é, circulação arterial, venosa ou linfática. Segundo Luiz Marcelo Aiello Viarengo, doutor em Cirurgia Vascular pela UNICAMP, não há diferenças nas manifestações clínicas entre homens e mulheres. O que pode variar é a prevalência de determinadas doenças.

Por exemplo, as varizes são 4 a 6 vezes mais frequentes nas mulheres, enquanto que a doença aterosclerótica, que pode causar obstruções e/ou aneurismas arteriais, são mais prevalentes nos homens. Manter uma boa circulação depende do combate de todos os fatores de riscos, que podem ser controlados: combater o sedentarismo, parar de fumar, controlar o diabetes, o colesterol, os triglicérides, a hipertensão arterial e a obesidade.

“Resumindo, é preciso manter um estilo de vida saudável, ter amigos e, claro, sorrir muito!”, simplifica. Para Viarengo, tudo isso  está ao alcance de qualquer indivíduo e estes cuidados podem garantir uma boa circulação por muito mais tempo.

“Eu penso que tudo que precisamos para manter uma boa circulação já nos foi dado: as pernas e o cérebro. Cada um de nós é responsável pelo que fazemos com nosso corpo”, defende o médico. Para o especialista, uma vida longa e produtiva depende de atitude. Nenhum médico sabe fazer milagres, por mais competente que seja.

Ele pode colaborar, incentivar e tratar, mas cada pessoa é responsável pela vida que deseja ter. “Não existe nenhum medicamento ou substância natural que seja mais benéfico para sua circulação do que andar”, destaca, afirmando que o cérebro é um instrumento divino e todas as pessoas deviam usá-lo sem medo.

“Pense sobre o que está ingerindo e exercite-se! Cérebro e pernas: esta é a receita para uma vida saudável”, conclui o médico. Luiz Marcelo Viarengo ainda pondera que caso um problema de circulação já esteja instalado, é necessário procurar um especialista o quanto antes. “Use seu cérebro e tome uma atitude! O importante é nunca se automedicar, mesmo que se trate de medicamentos ou substâncias naturais”.




Epidemias de zika e chikungunya poderão ser mais fortes

Fiocruz diz que epidemias das doenças serão ainda maiores no verão de 2016/2017.


Não cometa esses erros ao tentar emagrecer

Emagrecer é um processo complexo, tanto é que, muitas pessoas acabam não conseguindo alcançar os objetivos almejados.


Cólicas do bebê: o que fazer?

Especialista explica como diminuir um dos problemas mais comuns do primeiro trimestre de vida da criança.


Brasil tem 827 mil vivendo com HIV, 112 mil não sabem

Pesquisa mostra queda de 42,3% na mortalidade provocada pelo HIV/aids no Brasil nos últimos 20 anos.


Mitos e verdades sobre a dor de garganta

Sabia que até hoje não foi comprovada a eficácia do mel com própolis no tratamento das dores de garganta?


Endoscopia x gravidez: descubra quando deve ser feita

A endoscopia só deve ser realizada em gestantes no último caso ou quando apresentar sinais de alarme como dor abdominal intensa, dificuldade ao engolir, vômitos severos e incessantes, sangramento gastrointestinal e obstruções das vias biliares.


Incontinência urinária afeta mulheres após menopausa

Doença, que acomete principalmente pessoas do sexo feminino e idosos, possui diversas formas de tratamento.


Dengue, chikungunya e zika deixam 885 cidades em alerta

Brasil tem 885 cidades em situação de alerta ou risco de surto


É hora de falar sobre a saúde do homem

Índice de cuidado com a saúde é de 78% de mulheres contra 63,9% dos homens.


Atraso no crescimento dos dentes prejudica crianças

Especialista explica as causas e como obter um diagnóstico precoce do problema.