Mioma no útero é confundido com câncer

Segundo a Sociedade Beneficente Israelita Brasileira Albert Einstein, metade das mulheres brasileiras entre 30 e 50 anos são portadoras de mioma, nódulos que se desenvolvem na parede do útero.


Da Redação

19/06/2012 - 16:00

Apesar de parecer grave, a maioria desses casos não traz sintomas, mas são comumente confundidos com câncer, provocando sofrimento e preocupações infundadas.  O importante é que a mulher faça, constantemente, os exames ginecológicos de rotina e, caso haja algum tipo de suspeita, peça o esclarecimento médico e faça exame de ultra-som, que é o principal exame para detecção dos miomas e pode constatar sua presença e também a localização.

A confusão com o câncer tem fundamento. O câncer de colo de útero se desenvolve praticamente sem sintomas, assim como os miomas. No câncer, quando aparecem sintomas, eles são bem semelhantes aos do mioma. “Sangramentos prolongados, sem intervalos, ou após as relações sexuais. Em casos mais avançados, pode provocar dor no abdome, ao urinar ou até cólicas intestinais”, explica Dr. Amândio Soares, Diretor da Oncomed BH.

Um dos sintomas do mioma, quando há um crescimento exagerado do nódulo, é a falsa gravidez. “É muito raro um mioma chegar a esse ponto, mas pode ocorrer a dilatação do abdômen quando o nódulo atinge seu tamanho máximo, aproximadamente o de uma bola de basquete”, comenta Amândio.

Outros indícios do mioma são sangramentos mais volumosos, que podem ser notados pelo aumento do número de absorventes que a mulher usa durante a menstruação, período menstrual mais longo e cólicas mais intensas, ou até mesmo sangramentos fora do período menstrual, às vezes com coágulos.

Apesar das semelhanças, o mioma não pode ser considerado um câncer e nem sempre traz problemas à saúde feminina. Cada nódulo surge a partir de uma célula muscular com predisposição genética para o crescimento, que se expande a partir do contato com o hormônio feminino estrogênio. “É por isso que os miomas normalmente aparecem na idade fértil da mulher e costumam desaparecer depois que a taxa hormonal feminina cai, na menopausa”, comenta o médico.




Fibromialgia: doença ou imaginação?

Muitas pessoas, hoje em dia, que procuram pela medicina tradicional e queixam-se de dores que circulam pelo corpo todo, são diagnosticadas com fibromialgia.

Pesquisa: obesidade em alta no Brasil

Enquanto não se atingir condições de prevenção desde o nascimento, as ações relacionadas ao controle do aumento do sobrepeso e da obesidade claramente terão pouco sucesso.

Cirurgia bariátrica não é tão simples quanto parece

Pacientes no pós-operatório podem apresentar complicações nutricionais.

Trabalhar mais de 55 horas semanais aumenta risco de enfarte

O risco aumenta em 33% quando se compara com uma jornada de 35 a 40 horas semanais.

Retiradas das amígdalas, em alguns casos, é indispensável

Especialista do Hospital CEMA explica qual a função deste órgão e quando a extração deve ou não ser realizada.

Nova droga oferece maior controle em casos de câncer de mama

Tratamento reduz efeitos colaterais e apresenta resultados promissores.

Razões para você doar leite materno

Ao fazer isso, você aumenta as chances de vida de bebês prematuros internados em Unidades Neonatais.

Estudo: chá verde pode dificultar a digestão de carboidratos

A pesquisa foi divulgada na "Scientific Reports", uma publicação do grupo editorial "Nature".

Margarina o grande vilão dos ataques cardíacos

O estudo foi publicado no British Medical Journal e pode mudar tudo que se sabe sobre dietas.

Vacina contra a dengue pode estar disponível em 2018

A informação é do ministro da saúde, Arthur Chioro.




Copyright © 2015 Todos os direitos reservados