Saúde aprova venda e aplicação de vacinas em farmácias

Medida foi autorizada após surto de febre amarela e dengue no país.


Da Redação

20/04/2017 - 14:40

O Ministério da Saúde (MS) aprovou uma norma que regulamenta a venda e aplicação de vacinas em farmácias e drogarias para combater doenças e epidemias imunológicas. A medida surgiu depois que mais de 70% do território nacional se tornou área de risco às doenças como febre amarela e dengue.

A nova lei da vacinação autoriza o serviço – farmácias e drogarias – para prevenção também de outras doenças consideradas imunopreveníveis como tétano, difteria, sarampo, rubéola, caxumba, poliomielite, hepatite a, hepatite b, varicela, gripe, HPV. Para isso, os estabelecimentos deverão estar devidamente licenciados pela Vigilância Sanitária local.

A preocupação para combater possíveis epidemias deixou em alerta algumas regiões do país. Em janeiro deste ano, o MS divulgou que a distribuição de vacinas contra febre amarela, teria um reforço de 11,5 milhões de doses, quantidade que atenderia basicamente todos os municípios vulneráveis às doenças.

Conservação de vacinas


As geladeiras de vacinas lotadas em postos de saúde nunca tiveram tanta notoriedade nos últimos meses. Com inúmeros casos de febre amarela e dengue se espalhando pelo país, traz o alerta aos milhares de pontos de vacinação no Brasil que tem sido um: manter os estoques de vacinas devidamente refrigerados.

De acordo com a coordenadora de marketing da NHS, Debora Skrobot, empresa fabricante de nobreaks que atua neste segmento, para a conservação de vacinas é imprescindível que cada posto de vacinação esteja equipado com refrigeradores em perfeito funcionamento, durante 24 horas por dia, sete dias da semana. “Uma geladeira conectada a um nobreak, vai contribuir para conservação das vacinas e poderá evitar o desperdício de inúmeras doses caso falte energia”, ressalta.

Para a coordenadora, a preocupação é para que não ocorram fatos como aquele onde, cerca de 200 doses de vacinas foram perdidas, depois que uma árvore caiu e rompeu fios da rede elétrica durante um temporal, na Ilha do Mel, no litoral do Paraná. “Medidas como essa podem inibir os efeitos causados por situações adversas da natureza entre outras como: oscilações da rede e quedas de energia; estas interrupções podem comprometer a eficácia dos medicamentos e vacinas”, finaliza Debora. 




Fiocruz cria aplicativo para pesquisar doenças

Com o aplicativo, os especialistas recebem os dados regionais diretamente das populações.


"É mito dizer que comer saudável é caro"

Praticamente um em cada cinco brasileiros está obeso, ainda que o consumo de açúcar tenha caído pela metade.


Dúvidas e indicações para o implante dentário

Há dois principais tipos de implantes que devem ser realizados de acordo com cada caso.


Anvisa prepara projeto para 'rastrear' medicamentos

Anvisa firma convênio com a USP para projeto-piloto de rastreabilidade de medicamentos.


A população está preparada para envelhecer?

Deficiência auditiva atinge um terço das pessoas acima de 65 anos e metade de quem tem mais 75 anos


Inicia a mobilização nacional de vacinação contra gripe

A vacina permite a proteção contra os vírus A(H1N1), H3N2 e influenza B.


Dez dicas para incluir a água no seu dia a dia

Dicas importantes para ajudar aqueles que não sentem vontade de tomar água.


Atenção, Páscoa também é tempo de alergia

Atenção com os ovos de chocolate, frutos do mar e bebidas alcoólicas.


Anvisa agiliza patentes e entrada de genéricos

Governo promete agilizar exames de patentes e entrada de genéricos de maneria mais rápida no país.


Governo intensifica combate ao mosquito Aedes aegypti

Ações para evitar a proliferação do mosquito acontecem nas 41.688 Unidades Básicas de Saúde do país.