Portal O Debate
Grupo WhatsApp

O fetiche do cinema e o autismo

O fetiche do cinema e o autismo

29/11/2021 Maria Inês Vasconcelos

O autismo infantil é um assunto que tem dominado a agenda dessa semana.

O fetiche do cinema e o autismo

A campanha da sessão de cinema gratuita é que o revisitou. Vamos celebrar. Todas as iniciativas de ajudar e contribuir para a causa do autismo infantil são válidas. Maravilha. Faço uma curva para fazer aqui uma reflexão.

Apesar de não existirem dados oficiais precisos, estima-se que há dois milhões de autistas no Brasil. Para apurar o número de brasileiros com Transtorno de Espectro Autista (TEA), o censo indaga por deficiência, excluindo, portanto, a categoria “autista”. Porém, com a sanção da Lei 13.861/2019, em agosto de 2019, questões sobre “especificidades inerentes ao transtorno do espectro autista” como pessoa deficiente deverão ser incluídas na pesquisa, o que propiciará uma evolução desses dados e melhor retorno.

Falta substrato anatômico para o autismo. Quando a criança não revela evidências por si mesma, por ser totalmente igual ao outro, precisamos de lentes. Ir ao cinema é uma bela iniciativa, mas precisamos verdadeiramente de uma fotografia que capture a realidade.

Os esforços feitos pelas políticas públicas brasileiras, para conferir visibilidade ao autismo, são parcos. A Lei Romeo Mion com certeza é um grande avanço e impulsionou a onda da reflexão. Os esforços feitos pelas políticas públicas brasileiras, para conferir visibilidade ao autismo, são parcos. A lei com certeza é um grande avanço e impulsionou a onda da reflexão. Mas é necessário avançar, pois se para alguns a síndrome pode ser invisível, para outros há sinais externos. A significância desses sinais, é que faz a linha do distinguível e, após a distinção, vem o preconceito.

O problema do autismo, vai muito além do cinema. O artista precisa de um olhar que fomente a neutralidade ou que esconda o preconceito. Isso só se faz pela inclusão. A inclusão cujo impacto extrapola a medicina e invada diversos campos da cultura e óbvio da sala de aula. Uma emergência de leis que garantam escola e educação para o autista.

Mas há uma falta de convergência entre o sistema legal e a verdade. O cinema com certeza, é uma indicação, da falta de evidências convergentes e de um cuidado maior com os dilemas complexos enfrentados pelos autistas e suas famílias. Não existe cinema para autista nos bolsões do Brasil. Se para alguns, o ativismo clichê e superficial de assistir um filminho da Disney ou uma comédia, é um alento, para outros só podem ser vistos como neuroimageamento.

Não dá para aderir, a não ser criticamente o cineminha. Cair na falácia do filme é como negar a verdade. Autismo merece todo cuidado e proteção, não um mero fetiche. Cinema é no caso uma tatuagem, um piercing. Alguém que precisa verdadeiramente, de um cuidado muito maior e um foco de atenção do Estado. É preciso acabar com essa gincana ideológica que o Brasil tende a acolher, ela só serve para aumentar a desigualdade. As crianças são estigmatizadas.

Quem não possui sequer escola, está à deriva. Na vivência do estigma e por desconfiança dos educadores e pares. Que bom ser autista na capital, pelo menos ele pode ir ao cinema.

Para mim, a paralisia psicológica de quem contribui para alimentar esse sistema, e tapou com o cinema, o sofrimento existencial do autista me faz sentir desafiada a reescrever o sofrimento daqueles que lidam com autismo infantil, forjando meios para torná-lo mais real. Por um Brasil com mais psicólogos, fonoaudiólogos, neurologistas, psiquiatras, fisioterapeutas e advogados. Claro, com escolas aptas a receber a criança autista.  Quem quiser que vá ao cinema. Eu, não.

* Maria Inês Vasconcelos – Advogada, pesquisadora, professora universitária e escritora.

Para mais informações sobre Autismo Infantil clique aqui...

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!

Fonte: Naves Coelho Comunicação



Cautela e sensatez para o Carnaval

Fevereiro se aproxima e, com ele, o Carnaval - a maior festa popular de nosso país, que arrasta milhões de brasileiros e estrangeiros para as ruas.

Cautela e sensatez para o Carnaval

Saiba como cuidar dos idosos no verão

No época mais quente do ano, os cuidados com os idosos devem ser redobrados.

Saiba como cuidar dos idosos no verão

A sua criança tem TOD ou é apenas birra?

A maioria de nós acha que entende o comportamento humano, até que o filho entra nas nossas vidas.

A sua criança tem TOD ou é apenas birra?

7 dicas para fazer um detox e diminuir sua ansiedade

Essas são estratégias simples que podem ser adotadas por qualquer pessoa, mas não substituem a avaliação médica.

7 dicas para fazer um detox e diminuir sua ansiedade

Quando a mente está em paz, o corpo acompanha

Desde o isolamento social devido à pandemia do novo Coronavírus, é grande o número de pessoas que procuram formas de passar o tempo e manter a saúde física e mental em dia.

Quando a mente está em paz, o corpo acompanha

Férias: hora de se divertir

Se tem um tempo que é muito esperado pelas crianças, esse tempo é o das férias.

Férias: hora de se divertir

A pandemia nos fez mais solidários?

Crises costumam ser impulsionadoras da solidariedade.

A pandemia nos fez mais solidários?

Conheça algumas dicas para o cultivo de orquídeas

Flores são capazes de sobreviver por vários anos a partir de cuidados no plantio, adubação e irrigação.

Conheça algumas dicas para o cultivo de orquídeas

Três passos para trazer paz à sua rotina

Podemos viver a vida com mais paz tendo o autoconhecimento. Confira!

Três passos para trazer paz à sua rotina

Férias, pausa e renovação: como aproveitar?

O ano de 2021 trouxe, para grande parte das pessoas, um sentimento de esgotamento maior do que em anos anteriores.

Férias, pausa e renovação: como aproveitar?

Pilates ajuda no combate dos problemas musculoesqueléticos da menopausa

Doenças que afetam o sistema musculoesquelético se tornaram um assunto de saúde pública.

Pilates ajuda no combate dos problemas musculoesqueléticos da menopausa

Não permita que as metas estabelecidas para o novo ano se transformem em frustrações

A definição de propósitos e a busca por conquistar objetivos, são ações benéficas que contribuem para o aumento da autoestima.

Não permita que as metas estabelecidas para o novo ano se transformem em frustrações