Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Amar a si mesmo como próximo

Amar a si mesmo como próximo

01/05/2022 Marco Antonio Spinelli

No documentário “Heal” (em Português, “Cura”), disponível no Amazon Prime, há um depoimento lancinante de Anita Moorjani, que, em Fevereiro de 2006 chegou ao final de uma luta de quatro anos contra o câncer.

A sua família foi chamada para a despedida e seu corpo finalmente entrou em completo colapso, o que a medicina chama de Falência Múltipla de Orgãos.

Anita teve então uma experiência compatível com o que se chama de Experiência de Quase Morte (não gosto muito do termo, mas foi consagrado pelo uso).

Ao sentir-se desprendendo de seu corpo e da experiência terrena, Anita teve a sensação de amplificação de consciência e entrada em contato com um amor infinito, assim que encontrou seu falecido pai, com quem tivera uma relação conflitada e infeliz a partir de sua adolescência.

De alguma forma ela passara toda a sua vida com a sensação de tê-lo decepcionado, o que é importante em todas as famílias, mas é particularmente dramático numa família de origem hindu.

Apesar de toda essa relação de dor, o que ela conseguia sentir apenas aquele Amor Infinito e Incondicional pelo seu pai. Não havia mais dor nem decepção entre eles.

Num estado de absoluta clareza ela entendeu por que estava tão doente: cada decisão e cada escolha em sua vida tinha sido tomada a partir do Medo.

Neste estado percebeu que, se optasse por voltar à sua vida, poderia interagir com as causas de sua doença. Anita viu-se acordando na UTI e, nas semanas seguintes, viu os tumores que infestavam todo seu organismo desaparecerem e sua força retornando até sua alta, inteiramente curada.

Existem vários estudos sobre esses casos, catalogados na medicina como de remissão espontânea, já que chamar de milagre não ia pegar muito bem.

O que acontece nesses casos em que a capacidade de reparação do organismo humano se manifesta de maneira paradoxal e aparentemente, aleatória?

Anita, como a autora do documentário comenta, teve uma mudança radical de uma forma de funcionamento do medo para o amor.

Em seu estado de clareza, percebeu como anos de auto recriminação e de mágoas consigo mesma tinha se manifestado como doença, e desde então fez um pacto interior de nunca mais se maltratar, nunca mais deixar de ser gentil e amorosa consigo mesma e com as pessoas que a cercam.

Anita é um exemplo completo de alguém que conquistou sua autoestima? Na minha opinião, ela conquistou uma capacidade imensa de Amor, na medida em que abdicou de todas as suas autos negativas que podemos citar: auto tortura, auto julgamento e auto crítica cruel. Passou a ser gentil consigo e com o Outro.

Nosso planeta autoestima é uma usina de infelicidade infinita. A ênfase nas últimas décadas em criar pessoas com uma boa autoestima tem gerado efeitos exatamente contrários.

Por que? As pessoas não deveriam ter uma boa autoestima? O caso ilustrado acima mostra claramente que a falta de afeto e cuidado consigo pode levar a doenças muito graves. Mas há uma diferença muito profunda entre autoestima e autocompaixão.

A autoestima se baseia frequentemente no ideal que projetamos para nossa vida. A pessoa que eu quero ser, as conquistas a realizar, os sonhos que vão se tornar realidade.

Aqui vem o seu irremediável defeito: ela é sempre condicional e depende de projeções futuras. As mulheres e os homens ancoram a sua autoestima na capacidade de serem desejados/admirados.

Com beleza física, com carrões, com fotos nas Redes Sociais que projetam vidas perfeitas e autoestima idem. Não precisa ser um grande terapeuta para saber que isso termina num beco sem saída.

O ego é um senhor exigente e insaciável, que destrói vidas e ecossistemas. Ele sempre quer mais, e nunca dá uma boa nota aos nossos esforços.

Amar ao próximo como a si mesmo para mim sempre foi uma estrada de duas vias. Não significa amar tanto o outro, ou a aprovação do outro, que eu tenha que me perder de quem sou e do que me tem significado.

Não significa me comparar e estabelecer competições imaginárias de quem é mais atraente, mais rico, ou quem tem a maior autoestima.

Amar ao próximo como a si mesmo significa que o amor pelo outro está em direta relação com a capacidade de amar a nós mesmos, com nossos defeitos reais e imaginários e nossas feridas.

Anita percebeu o infinito amor que sentia pelo pai provavelmente chatérrimo que a vida lhe deu, na mesma proporção que conseguiu amar e aceitar a vida e seu lugar misterioso nela.

Infelizmente é necessário para muitos as experiências limite e a proximidade da doença e da morte para a consciência poder saltar de uma vida regida pelo medo e dor para a aceitação primeiro, o amor depois.

Isso pode ser uma prática. Comece se tratando com gentileza e compaixão, em vez de cobrar isso do outro. Ame a si mesmo como próximo.

* Marco Antonio Spinelli é médico, com mestrado em psiquiatria pela Universidade São Paulo, psicoterapeuta de orientação junguiana e autor do livro “Stress o coelho de Alice tem sempre muita pressa”.

Para mais informações sobre amar a si mesmo clique aqui…

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!

Fonte: Vervi Assessoria



O peso da improbidade no destino das pessoas

O homem já em tempos pré-históricos se reunia em volta das fogueiras onde foi aperfeiçoada a linguagem humana.


Terapia de estimulação cerebral profunda pode reduzir até 80% dos tremores causados pelo Parkinson

A cirurgia é um recurso muito importante e deve ser considerada para alguns pacientes.

Terapia de estimulação cerebral profunda pode reduzir até 80% dos tremores causados pelo Parkinson

A educação é o caminho da liberdade

O atendimento socioeducativo ao adolescente em conflito com a lei é um desafio e necessita de um olhar resiliente e reflexivo, visto que é considerado um momento oportuno de mudanças.


O Influenza também está no nosso foco

Falar em vacinação nos dias de hoje nos tende a remeter quase que exclusivamente ao combate à Covid-19.

O Influenza também está no nosso foco

A nova era da Telemedicina no Brasil

Alguns números atestam que as consultas virtuais estão sendo utilizadas cada vez mais no país.

A nova era da Telemedicina no Brasil

Para onde foram os nutrientes que estavam aqui?

A maioria das culturas vegetais são produzidas com a ajuda de solos fertilizados. O alto uso de fertilizantes nitrogenados tende a reduzir o teor de vitamina C em muitas frutas e hortaliças.


Transtornos psiquiátricos catalisados pelo luto de vítimas de COVID-19

Médico psiquiatra comenta a situação exclusiva de pessoas que perderam parentes queridos durante a pandemia. A ansiedade e o transtorno de humor são os mais prevalentes nesses casos.

Transtornos psiquiátricos catalisados pelo luto de vítimas de COVID-19

Pesadelo na hora do sono: apneia atinge 70 milhões de brasileiros

Por muito tempo o hábito de roncar tem sido visto como motivo de chacota ou algo corriqueiro.

Pesadelo na hora do sono: apneia atinge 70 milhões de brasileiros

Qual é o melhor presente do dia das mães?

O mês de maio é reconhecido como o mês das mães em vários lugares do mundo.

Qual é o melhor presente do dia das mães?

A felicidade faz parte do trabalho

“Trabalhe com o que ama e não precisará trabalhar um único dia em sua vida.”

A felicidade faz parte do trabalho

Cinco hábitos que prejudicam as mãos e como mudá-los

O WhatsAppinite, por exemplo é uma tendinite causada pelo uso excessivo do celular.

Cinco hábitos que prejudicam as mãos e como mudá-los

Saiba como escolher os melhores vinhos para sua comemoração

Reunir as pessoas mais queridas, escolher a playlist, caprichar na decoração e acertar no cardápio e arrasar na escolha dos vinhos.

Saiba como escolher os melhores vinhos para sua comemoração