Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Caiu a máscara

Caiu a máscara

12/05/2021 João Guilherme Sabino Ometto

Nota-se ser decrescente o uso de álcool em gel na entrada e corredores de shoppings, supermercados e grandes lojas,

Caiu a máscara

Com mais de 105 mil mortes no total, cerca de mil óbitos e 45 mil novos casos por dia, a Covid-19 segue ameaçando de modo grave a saúde pública, os brasileiros e a economia do País, que, segundo a prévia do PIB, divulgada em 14 de agosto pelo Banco Central, teve queda de 10,94% no segundo trimestre, caminhando para a recessão técnica. Nesse contexto, com o contágio ainda acelerado na maioria dos Estados e em algumas das mais populosas cidades, é desolador observar crescente descuido com as medidas preventivas.

Nas minhas poucas e essenciais saídas do isolamento social - ainda imprescindível para os maiores de 60 anos - e nos relatos que recebo de familiares e colaboradores de nosso grupo, de distintas regiões, constata-se número cada vez maior de pessoas sem máscara nas ruas, praças, pistas de caminhadas e corridas nos canteiros centrais das avenidas, ciclovias e até dentro de estabelecimentos comerciais.

Nota-se ser decrescente o uso de álcool em gel na entrada e corredores de shoppings, supermercados e grandes lojas, bem como descumprido o distanciamento de 1,5 metro entre frequentadores, embora os estabelecimentos estejam adotando rigorosamente os protocolos de segurança. A questão é que muitos indivíduos ainda parecem colocar-se acima do bem e do mal, como se fossem imunes e, pior do que isso, como se o seu desleixo não pusesse em risco a vida de outros. Muitas vezes, quando abordados por seguranças ou pessoas de boa vontade, reagem com arrogância e truculência, como às vezes são flagrados em vídeos que viralizam nas redes sociais.

Tais observações não resultam de pesquisa com bases técnicas de amostragem e tabulação, mas é visível a olho nu, inclusive nas matérias da mídia, o desrespeito às medidas preventivas, nos espaços públicos e comerciais, incluindo aglomerações noturnas nas calçadas de bares, em distintas cidades. Quem atenta contra as normas de segurança alia-se ao novo coronavírus no "ataque" à saúde pública e à Nação.

Tal negligência é uma desconsideração com o próximo e, mais ainda, com os milhares de brasileiros que, desde o início da pandemia, estão na linha de frente da guerra contra o inimigo invisível. Refiro-me aos profissionais da saúde, produtores, mulheres e homens do campo, o pessoal das redes de abastecimento de alimentos, bens básicos, remédios e combustíveis - da distribuição à ponta do consumo -, policiais, entregadores, varredores de rua e coletores de lixo, cientistas e pesquisadores, caminhoneiros e todos os trabalhadores dos transportes de passageiros e cargas.

Cabe ressaltar que cerca de 26% dos servidores do sistema médico-hospitalar da cidade de São Paulo já contraíram a Covid-19. Segundo a Secretaria Municipal da Saúde, dos 90 mil profissionais, 23.679 foram infectados, até julho de 2020, e 45 faleceram em decorrência da doença. Este exemplo é emblemático quanto ao significado e valor do contingente de heróis anônimos que, com risco próprio e de suas famílias, está mantendo a população viva e segurando minimamente o nível de atividade, que já teria entrado em rota insustentável não fosse seu trabalho e luta.

Num alarmante contraste, assistimos à negligência de milhares de pessoas, que, aos desrespeitarem os protocolos de prevenção, conspiram contra a própria saúde, de suas famílias, a vida e a economia. Parecem banalizar as estatísticas e a tristeza pelo elevado número de mortes e demonstram não entender que precisamos barrar a onda de contágio para a retomada plena dos negócios e resgate dos mais de 13 milhões de desempregados.

Sim, a máscara caiu dos rostos de numerosos brasileiros, desnudando a face de uma pátria constrangida. Não há mais como esconder: precisamos de um choque de educação e civismo. A epidêmica carência de cidadania compromete nosso desenvolvimento.

* João Guilherme Sabino Ometto, engenheiro (Escola de Engenharia de São Carlos - EESC/USP), empresário, é membro da Academia Nacional de Agricultura (ANA).

Fonte: Ricardo Viveiros & Associados Oficina de Comunicação



Mãe: Florescer é não se esquecer de viver!

Tenho experimentado que o “traço de mãe”, plantado por Deus no coração de cada mulher que Ele criou, vai além da capacidade de gerar filhos, biologicamente.

Mãe: Florescer é não se esquecer de viver!

Bullying: da vítima ao espectador

O bullying é um tipo particular de violência, caracterizado por agressões sistemáticas, repetitivas e intencionais, contra um ou mais indivíduos que se encontram em desigualdade de poder, gerando sofrimento para as vítimas, agressores e comunidade.


Minas mobiliza população para receber proteção contra sarampo e gripe

Ações para estimular a vacinação ocorrem em todo o estado, pois coberturas contra o sarampo e a gripe continuam baixas.

Minas mobiliza população para receber proteção contra sarampo e gripe

A esperança é o combustível da vida

A esperança corresponde à aspiração de felicidade existente no coração de cada pessoa.

A esperança é o combustível da vida

Amar a si mesmo como próximo

No documentário “Heal” (em Português, “Cura”), disponível no Amazon Prime, há um depoimento lancinante de Anita Moorjani, que, em Fevereiro de 2006 chegou ao final de uma luta de quatro anos contra o câncer.


O peso da improbidade no destino das pessoas

O homem já em tempos pré-históricos se reunia em volta das fogueiras onde foi aperfeiçoada a linguagem humana.


Terapia de estimulação cerebral profunda pode reduzir até 80% dos tremores causados pelo Parkinson

A cirurgia é um recurso muito importante e deve ser considerada para alguns pacientes.

Terapia de estimulação cerebral profunda pode reduzir até 80% dos tremores causados pelo Parkinson

A educação é o caminho da liberdade

O atendimento socioeducativo ao adolescente em conflito com a lei é um desafio e necessita de um olhar resiliente e reflexivo, visto que é considerado um momento oportuno de mudanças.


O Influenza também está no nosso foco

Falar em vacinação nos dias de hoje nos tende a remeter quase que exclusivamente ao combate à Covid-19.

O Influenza também está no nosso foco

A nova era da Telemedicina no Brasil

Alguns números atestam que as consultas virtuais estão sendo utilizadas cada vez mais no país.

A nova era da Telemedicina no Brasil

Para onde foram os nutrientes que estavam aqui?

A maioria das culturas vegetais são produzidas com a ajuda de solos fertilizados. O alto uso de fertilizantes nitrogenados tende a reduzir o teor de vitamina C em muitas frutas e hortaliças.


Transtornos psiquiátricos catalisados pelo luto de vítimas de COVID-19

Médico psiquiatra comenta a situação exclusiva de pessoas que perderam parentes queridos durante a pandemia. A ansiedade e o transtorno de humor são os mais prevalentes nesses casos.

Transtornos psiquiátricos catalisados pelo luto de vítimas de COVID-19