Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Curta o Carnaval sem glúten e sem preocupações

Curta o Carnaval sem glúten e sem preocupações

01/03/2019 Divulgação

Dicas para curtir a viagem de Carnaval sem preocupações.

Curta o Carnaval sem glúten e sem preocupações

Com a aproximação do feriado, muita gente aproveita o recesso para viajar. Mas quem segue uma dieta com restrição de glúten acaba encontrando dificuldades para comer fora de casa, seja em outra cidade ou país.

A endocrinologista Silva Bretz, do Rio de Janeiro, que há mais de três anos faz restrição total de glúten e lactose, dividiu com a gente algumas dicas para curtir a viagem sem preocupações.

Muitas companhias aéreas já fornecem lanches sem glúten, principalmente em voos internacionais. O ideal é fazer a solicitação no momento da reserva ou quando for fazer a marcação dos assentos, com pelo menos 48 horas de antecedência. Já em voos domésticos o serviço nem sempre é oferecido. Por via das dúvidas, previna-se e leve sempre um lanchinho.

- Utilize aplicativos de celular como o Gluten-Free Near Me, que mapeiam lojas e restaurantes próximos de você voltados ao público celíaco. No Brasil, uma opção recente é o UNA (do inglês “You are not Alone”), uma rede social mobile que permite geolocalização de estabelecimentos e aproxima usuários com intolerâncias alimentares.

- Deixe-se surpreender pelos hábitos locais. Informe-se sobre ingredientes alternativos ao glúten e entre no clima do lugar. Quem disse que é preciso comer pão no café da manhã todo dia? Só fique atento à procedência dos alimentos e aos riscos da contaminação cruzada, é claro.

- Seja precavido: tenha sempre a mão seus produtos prediletos, nos quais você confia totalmente. “Quando viajo, levo de casa sanduíches embrulhados em papel alumínio feitos com pães da Schär. Também costumo levar biscoitos Crackers e Wafers Schär”, conta. Para não se quebrarem, Silvia os armazena dentro de caixas de camisas.

- Nem sempre é possível levar frutas e bebidas na bagagem, mas você pode se garantir com barrinhas de gergelim, alfarroba e outros docinhos, como bananadas. “Quando há fiscalização, explico minha condição alimentar e em geral as pessoas são bem compreensivas”, diz Silvia Bretz. Muitas vezes, apresentar uma carta do seu médico pode ser um ótimo recurso para os casos de fiscalização.

Fonte: Schaer



Ajuda psicológica traz confiança e aceitação para quem vive com HIV

Pessoas que vivem com o vírus podem apresentar as mesmas angústias e receios.

Ajuda psicológica traz confiança e aceitação para quem vive com HIV

Sempre é tempo para começar a pedalar

Segundo psicóloga, o sistema cognitivo de aprendizado dos adultos é diferente de quando criança, mas é possível desenvolver novas habilidades.

Sempre é tempo para começar a pedalar

O fetiche do cinema e o autismo

O autismo infantil é um assunto que tem dominado a agenda dessa semana.

O fetiche do cinema e o autismo

Por que usar muito a cabeça não é pensar com inteligência ?

O cérebro humano é um órgão incrível, mas, assim como a própria natureza humana ele também é limitado.

Por que usar muito a cabeça não é pensar com inteligência ?

Boca seca é alerta: descubra as causas e saiba como prevenir

Conheça as verdadeiras causas da boca seca.

Boca seca é alerta: descubra as causas e saiba como prevenir

Conheça as verdadeiras causas da boca seca

A xerostomia ou boca seca é mais comum entre os mais idosos.

Conheça as verdadeiras causas da boca seca

O condomínio é responsável por danos aos veículos nas garagens?

O condomínio não tem personalidade jurídica.

O condomínio é responsável por danos aos veículos nas garagens?

Mulheres de 50 anos, o tempo de ser feliz é agora!

Se alguém ainda acredita que uma mulher de 50 anos ou mais está no declínio da sua vida anda meio desinformado.

Mulheres de 50 anos, o tempo de ser feliz é agora!

O futuro é digital e é idoso

O que aprendi com minha mãe de 83 anos durante a pandemia.

O futuro é digital e é idoso

Crianças homenageiam heróis no combate ao Covid-19

Estudantes irão entregar uma faixa aos profissionais de saúde do Hospital Universitário da UEL, em Londrina (PR).

Crianças homenageiam heróis no combate ao Covid-19

Sorrir melhora a autoestima e o humor, promovendo conexão pessoal e bem-estar

Ter autoconfiança na hora de sorrir aumenta a autoestima, gera conexão com outras pessoas, melhora o humor, libera hormônios de bem-estar e pode até promover o rejuvenescimento.

Sorrir melhora a autoestima e o humor, promovendo conexão pessoal e bem-estar

Experiência de vida muda comunicação entre cães e humanos, diz estudo

Animais domésticos têm troca de olhares mais intensa com os donos.

Experiência de vida muda comunicação entre cães e humanos, diz estudo