Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Estrangeiros, judeus, negros – Como pensar diante do racismo?

Estrangeiros, judeus, negros – Como pensar diante do racismo?

24/08/2017 Leide Lessa

Eu estava no bonde e li esta frase em um muro: “Estrangeiro, vá embora!” Bem, estava em alemão: “Ausländer raus!”

Estrangeiros, judeus, negros – Como pensar diante do racismo?

Eu tinha 18 anos, e estava estudando na Áustria.

Três anos depois, fui aos Estados Unidos. Na faculdade, fiz um curso de redação no qual eu era a única estrangeira. Logo no início, o professor pediu aos alunos que se juntassem em grupos. Como não conhecia ninguém, fiquei sozinha. Mas alguns minutos depois, uma jovem de cor me chamou para se juntar ao seu grupo. Todas as demais também eram negras.

Por essas e outras razões, sei que viver no exterior não é fácil. Por exemplo, hoje o Chile e o Brasil recebem haitianos e venezuelanos que deixam seu país em busca de trabalho e comida; mas são discriminados e vivem em condições precárias.

Há alguns meses, a história de um haitiano que vive no Chile e sofreu discriminação no metrô de Santiago tornou-se rapidamente conhecida nas redes sociais.

Mas, não só os estrangeiros enfrentam dificuldades. Milhões de pessoas são discriminadas em seus próprios países por sua descendência, cor de pele ou religião.

Por exemplo, nos últimos dias, o mundo ficou chocado com a demonstração de pessoas que apoiam a supremacia da raça branca, em Charlottesville, Virgínia, EUA, e pelos ataques terroristas em Barcelona, Espanha.

Em contraste com as notícias desconcertantes, a mensagem que recebeu mais “curtidas” na história do Twitter foram as palavras de Nelson Mandela que o ex-presidente Obama compartilhou. O parágrafo completo diz: “Ninguém nasce odiando outra pessoa pela cor de sua pele, por sua origem ou ainda por sua religião. Para odiar, as pessoas precisam aprender, e se podem aprender a odiar, elas podem ser ensinadas a amar.”

Quão simples e profunda é essa declaração! As manifestações de ódio que vemos não são naturais, mas o amor é natural. Quando você fala com seu coração cheio de amor, você só pode tocar o coração do outro. Um coração cheio de amor não se deixa contaminar pelo ódio. A origem do amor é divina, por isso é natural. A capacidade de amar é inata em todos.

A grande questão, porém, é: Como podemos ver mais desse amor para diminuir e mesmo eliminar o ódio que a discriminação produz?

Precisamos protestar mentalmente contra o ódio e aceitar que só o amor é natural e onipotente.

A teóloga e pensadora Mary Baker Eddy explica isso de forma clara e ampla: “Um só Deus infinito [o Amor], o bem, unifica homens e nações; estabelece a fraternidade dos homens; põe fim às guerras; cumpre o preceito das Escrituras: ‘Amarás o teu próximo como a ti mesmo’; Aniquila ... tudo o que está errado nos códigos sociais, civis, criminais, políticos e religiosos; estabelece a igualdade dos sexos...”

Sentir-se amado pelo Amor divino também elimina a amargura ou o sentimento de inferioridade, como eu também o experimentei. Somos todos iguais. Ser motivados pelo Amor, nos faz respeitar o próximo, espalhar o bem e viver em fraternidade.

Esperemos que, como o pólen, esse Amor alcance os corações férteis e produza muitos frutos de paz, igualdade e justiça.

* Leide Lessa é professora e conferencista de Ciência Cristãs e, como parte do Comitê de Publicação, escreve reflexões sobre a vida e a espiritualidade. E-Mail: lessal@csps.com.



Brasil ganha solução de transporte para pessoas com deficiência

Com a facilidade dos aplicativos, empresa de serviços e tecnologia lança solução para passageiros com mobilidade reduzida. Iniciativa.

Brasil ganha solução de transporte para pessoas com deficiência

Luta funcional pode queimar até 800 calorias por hora

A atividade física auxilia na coordenação motora, resistência e agilidade. Mistura golpes de Muay Thai, Boxe e Kickboxing com treinamento funcional.

Luta funcional pode queimar até 800 calorias por hora

Hábitos simples podem ser determinantes para uma boa saúde

Especialista dá dicas de como pequenas mudanças de hábitos podem beneficiar a sua saúde.

Hábitos simples podem ser determinantes para uma boa saúde

Mães em jornada dupla: Como ser pai e mãe ao mesmo tempo?

Os dias começam com uma longa lista de afazeres. Acordar antes de todos em casa, preparar o café da manhã, acordar os filhos e prepará-los para a escola, garantir que tudo esteja em seu devido lugar, e só assim, sair para trabalhar e enfrentar o mundo.

Mães em jornada dupla: Como ser pai e mãe ao mesmo tempo?

Como me tornar mais criativo?

Diversos estudos na neurociência já comprovaram que é possível se tornar mais criativo ou inteligente. Tudo depende do quanto nós nos desafiamos.

Como me tornar mais criativo?

Vinho tinto tem substância que ajuda a reduzir estresse, diz estudo

Pesquisadores da Universidade de Buffalo, nos Estados Unidos, afirmam que o composto resveratrol, presente na uva, tem efeito relaxante.

Vinho tinto tem substância que ajuda a reduzir estresse, diz estudo

Caminhos para o sucesso e felicidade

“A felicidade não depende do que você tem ou quem você é. Só depende do que você pensa”.


Os 7 alimentos que ajudam na digestão

Saiba por que alguns alimentos são benéficos para o sistema digestivo e quais devem ser evitados.

Os 7 alimentos que ajudam na digestão

Meu filho não sai do celular, o que fazer?

Brincar na rua, pular corda, soltar pião, jogar bolinha de gude, andar de carrinho de rolimã, soltar pipa.... Ah, as brincadeiras da infância! Que tempo bom!

Meu filho não sai do celular, o que fazer?

Carreira de sucesso e boa qualidade de vida

4 dicas para conciliar carreira de sucesso e boa qualidade de vida.


Produtos naturais impulsiona mercado de cuidados com pele e cabelo

A preocupação com pele e cabelo representa grande parte das compra no mercado de beleza no Brasil.

Produtos naturais impulsiona mercado de cuidados com pele e cabelo

Gosto musical depende da estrutura do cérebro

Pesquisa científica mostra que a emoção causada por diferentes estilos musicais varia de acordo com a composição cerebral

Gosto musical depende da estrutura do cérebro