Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Mãe: Florescer é não se esquecer de viver!

Mãe: Florescer é não se esquecer de viver!

06/05/2022 Dijanira Silva

Tenho experimentado que o “traço de mãe”, plantado por Deus no coração de cada mulher que Ele criou, vai além da capacidade de gerar filhos, biologicamente.

Mãe: Florescer é não se esquecer de viver!

A maternidade, biológica ou não, acolhida e vivida como deve ser, é um divisor de águas na vida de uma mulher.

Não tenho filhos, mas tenho compreendido que meu papel como mulher, inserida nas diversas realidades deste mundo, é amplo, e minha maternidade pode acontecer de várias maneiras, como explica São João Paulo II, em sua carta dedicada às mulheres:

“O caráter maternal do coração da mulher centrado na pessoa humana como verdadeira essência da feminilidade, dá à mulher uma inclinação natural e abertura ao ser humano e a ver as pessoas com o coração.”

Uma missão tão nobre e abrangente que vai além dos parâmetros humanos, como continua a explicar João Paulo II:

“A mulher pode descobrir e cultivar a maternidade independente do seu estado de vida ou da sua habilidade de conceber filhos, ainda que a gravidez tenha o efeito de identificar a sua consciência desse dom. Toda mulher é chamada a ser mãe, mas há mais de uma maneira de responder a esse chamado”.

Essa nova compreensão da maternidade tem me feito desbravar novos horizontes e, nesse contexto, conhecer o testemunho de “adoráveis mulheres” que passaram pelo mundo gerando vida, mesmo que nunca tenham se casado, e muito menos vivido uma gestação.

Entre elas, chama-me a atenção o testemunho de Edith Stein, uma influente filósofa e teóloga alemã que, depois de uma intensa jornada, tornou-se santa e, através de seus escritos, continua inspirando tantas outras mulheres também na atualidade.

Madre Teresa também é um brilhante exemplo disso, e poderia citar ainda muitas outras mulheres que geram vida por onde passam, mesmo que seus ventres continuem velados.

Acredito que o diferencial sempre está na forma como escolheram viver. Certamente nenhuma delas deu lugar ao egoísmo e, talvez, este seja o maior segredo para tanta vida gerada.

Elas souberam doar-se, chegando muitas vezes ao extremo cansaço, mas sem deixar para trás o florescimento. E florescer é não se esquecer de viver!

É importante lembrar que por trás de uma mãe dedicada, existe uma mulher que também precisa de cultivo para continuar florindo no jardim que é sua família.

Tomar consciência desta realidade é o primeiro passo na direção do autoconhecimento e, consequentemente, do autocuidado. Até porque, só podemos doar aquilo que possuímos.

Neste sentido, se estivermos com a saúde física e emocional em dia, poderemos nos doar com muito mais amor e inteireza ao cuidarmos das pessoas que Deus nos confia, sem deixarmos de viver com liberdade e gratidão nossos dias.

Agindo assim, contribuímos com nossos dons, como uma coluna forte que sustenta a humanidade, sem deixarmos de buscar nossos próprios sonhos, sem nos perdermos pelo caminho.

Isto é florescimento, uma experiência possível, porque Deus, o “grande jardineiro” e autor de toda beleza, está conosco, uma vez que escolheu gerar vida e colorir o universo através de nós.

Alicerçadas nessa verdade, eu e você podemos vencer o cansaço e florescer por onde formos, compartilhando nossa maternidade!

* Dijanira Silva é missionária da Comunidade Canção Nova.

Para mais informações sobre maternidade clique aqui…

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!

Fonte: Assessoria de Imprensa Canção Nova



Muito além do laço de sangue: família sob a ótica dos sentimentos

No sentido tradicional, ao consultar o dicionário Aurélio, família significa: “1.

Muito além do laço de sangue: família sob a ótica dos sentimentos

Estudos comprovam que cigarro eletrônico causam danos à saúde

Entidades médicas esperam decisão da Anvisa sobre os dispositivos.

Estudos comprovam que cigarro eletrônico causam danos à saúde

A esperança é o combustível da vida

A esperança corresponde à aspiração de felicidade existente no coração de cada pessoa.

A esperança é o combustível da vida

Amar a si mesmo como próximo

No documentário “Heal” (em Português, “Cura”), disponível no Amazon Prime, há um depoimento lancinante de Anita Moorjani, que, em Fevereiro de 2006 chegou ao final de uma luta de quatro anos contra o câncer.


O peso da improbidade no destino das pessoas

O homem já em tempos pré-históricos se reunia em volta das fogueiras onde foi aperfeiçoada a linguagem humana.


Terapia de estimulação cerebral profunda pode reduzir até 80% dos tremores causados pelo Parkinson

A cirurgia é um recurso muito importante e deve ser considerada para alguns pacientes.

Terapia de estimulação cerebral profunda pode reduzir até 80% dos tremores causados pelo Parkinson

A educação é o caminho da liberdade

O atendimento socioeducativo ao adolescente em conflito com a lei é um desafio e necessita de um olhar resiliente e reflexivo, visto que é considerado um momento oportuno de mudanças.


O Influenza também está no nosso foco

Falar em vacinação nos dias de hoje nos tende a remeter quase que exclusivamente ao combate à Covid-19.

O Influenza também está no nosso foco

A nova era da Telemedicina no Brasil

Alguns números atestam que as consultas virtuais estão sendo utilizadas cada vez mais no país.

A nova era da Telemedicina no Brasil

Para onde foram os nutrientes que estavam aqui?

A maioria das culturas vegetais são produzidas com a ajuda de solos fertilizados. O alto uso de fertilizantes nitrogenados tende a reduzir o teor de vitamina C em muitas frutas e hortaliças.


Transtornos psiquiátricos catalisados pelo luto de vítimas de COVID-19

Médico psiquiatra comenta a situação exclusiva de pessoas que perderam parentes queridos durante a pandemia. A ansiedade e o transtorno de humor são os mais prevalentes nesses casos.

Transtornos psiquiátricos catalisados pelo luto de vítimas de COVID-19

Pesadelo na hora do sono: apneia atinge 70 milhões de brasileiros

Por muito tempo o hábito de roncar tem sido visto como motivo de chacota ou algo corriqueiro.

Pesadelo na hora do sono: apneia atinge 70 milhões de brasileiros