Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Mídias sociais elevam depressão entre meninas

Mídias sociais elevam depressão entre meninas

10/01/2019 Deutsche Welle

Estudo aponta ligação entre uso excessivo de redes sociais e sintomas depressivos em garotas adolescentes.

Mídias sociais elevam depressão entre meninas

Pesquisadores e ativistas pedem que autoridades reconheçam problema como questão de saúde pública.

Meninas adolescentes são duas vezes mais propensas que os meninos a apresentar sintomas de depressão em conexão ao uso das redes sociais, segundo estudo divulgado pela University College London (UCL). Ativistas pediram ao governo britânico que reconheça o risco de páginas como Facebook, Twitter e Instagram para a saúde mental dos jovens.

Uma em cada quatro meninas analisadas apresentaram sinais clinicamente relevantes de depressão, enquanto o mesmo ocorreu com apenas 11% dos garotos, segundo o estudo. Os pesquisadores constaram que a taxa de depressão mais elevada é devido ao assédio online, ao sono precário e a baixa autoestima, acentuada pelo tempo nas mídias sociais.

O estudo analisou dados de quase 11 mil jovens no Reino Unido. Os pesquisadores descobriram que garotas de 14 anos representam o agrupamento de usuários mais incisivos das mídias sociais – dois quintos delas as usam por mais de três horas diárias, em comparação com um quinto dos garotos.

Cerca de três quartos das garotas de 14 anos que sofrem de depressão também têm baixa autoestima, estão insatisfeitas com sua aparência e dormem sete horas ou menos por noite.

"Aparentemente, as meninas enfrentam mais obstáculos com esses aspectos de suas vidas do que os meninos, em alguns casos consideravelmente", diz a professora do Instituto de Epidemiologia e Cuidados da Saúde do University College London, Yvonne Kelly, que liderou a equipe responsável pelo estudo.

O estudo também mostrou que 12% dos usuários considerados moderados e 38% dos que fazem uso intenso de mídias sociais (mais de cinco horas por dia) mostraram sinais de depressão mais grave.

Quando os pesquisadores analisaram os processos subjacentes que poderiam estar ligados ao uso de mídias sociais e depressão, eles descobriram que 40% das meninas e 25% dos meninos tinham experiência de assédio online ou “cyberbullying”.

Os resultados renovaram as preocupações com as evidências de que muito mais meninas e mulheres jovens apresentam uma série de problemas de saúde mental em comparação com meninos e homens jovens, e sobre os danos que os baixos índices de autoestima podem causar, incluindo autoflagelação e pensamentos suicidas.

Os pesquisadores pedem aos pais e responsáveis políticos que deem a devida importância aos resultados do estudo. "Essas descobertas são altamente relevantes para a política atual de desenvolvimento em diretrizes para o uso seguro das mídias sociais. A indústria tem que regular de forma mais rigorosa as horas de uso das mídias sociais para os jovens", diz Kelly.

A ministra adjunta para Saúde Mental e Cuidados Sociais, Barbara Keeley, afirma que "esse novo relatório aumenta as evidências que mostram o efeito tóxico que o uso excessivo das mídias sociais tem na saúde mental de mulheres jovens e meninas [...] e que as empresas devem assumir a responsabilidade pelo que ocorre em suas plataformas".

Tom Madders, diretor de campanhas da instituição beneficente YoungMinds, diz que, embora sejam uma parte da vida cotidiana da maioria dos jovens e tragam benefícios, as redes sociais proporcionam uma "pressão maior" para estar sempre disponível e faz com que os jovens comparem "as vidas perfeitas de outros" com a sua própria.



Brasil ganha solução de transporte para pessoas com deficiência

Com a facilidade dos aplicativos, empresa de serviços e tecnologia lança solução para passageiros com mobilidade reduzida. Iniciativa.

Brasil ganha solução de transporte para pessoas com deficiência

Luta funcional pode queimar até 800 calorias por hora

A atividade física auxilia na coordenação motora, resistência e agilidade. Mistura golpes de Muay Thai, Boxe e Kickboxing com treinamento funcional.

Luta funcional pode queimar até 800 calorias por hora

Hábitos simples podem ser determinantes para uma boa saúde

Especialista dá dicas de como pequenas mudanças de hábitos podem beneficiar a sua saúde.

Hábitos simples podem ser determinantes para uma boa saúde

Mães em jornada dupla: Como ser pai e mãe ao mesmo tempo?

Os dias começam com uma longa lista de afazeres. Acordar antes de todos em casa, preparar o café da manhã, acordar os filhos e prepará-los para a escola, garantir que tudo esteja em seu devido lugar, e só assim, sair para trabalhar e enfrentar o mundo.

Mães em jornada dupla: Como ser pai e mãe ao mesmo tempo?

Como me tornar mais criativo?

Diversos estudos na neurociência já comprovaram que é possível se tornar mais criativo ou inteligente. Tudo depende do quanto nós nos desafiamos.

Como me tornar mais criativo?

Vinho tinto tem substância que ajuda a reduzir estresse, diz estudo

Pesquisadores da Universidade de Buffalo, nos Estados Unidos, afirmam que o composto resveratrol, presente na uva, tem efeito relaxante.

Vinho tinto tem substância que ajuda a reduzir estresse, diz estudo

Caminhos para o sucesso e felicidade

“A felicidade não depende do que você tem ou quem você é. Só depende do que você pensa”.


Os 7 alimentos que ajudam na digestão

Saiba por que alguns alimentos são benéficos para o sistema digestivo e quais devem ser evitados.

Os 7 alimentos que ajudam na digestão

Meu filho não sai do celular, o que fazer?

Brincar na rua, pular corda, soltar pião, jogar bolinha de gude, andar de carrinho de rolimã, soltar pipa.... Ah, as brincadeiras da infância! Que tempo bom!

Meu filho não sai do celular, o que fazer?

Carreira de sucesso e boa qualidade de vida

4 dicas para conciliar carreira de sucesso e boa qualidade de vida.


Produtos naturais impulsiona mercado de cuidados com pele e cabelo

A preocupação com pele e cabelo representa grande parte das compra no mercado de beleza no Brasil.

Produtos naturais impulsiona mercado de cuidados com pele e cabelo

Gosto musical depende da estrutura do cérebro

Pesquisa científica mostra que a emoção causada por diferentes estilos musicais varia de acordo com a composição cerebral

Gosto musical depende da estrutura do cérebro