Portal O Debate
Grupo WhatsApp

O esporte como ferramenta de transformação social

O esporte como ferramenta de transformação social

20/11/2018 Fernanda Letícia de Souza

Que ele é considerado um dos melhores jogadores de basquetebol de todos os tempos e um dos maiores atletas de sua geração, todo bom fã de esporte sabe.

O esporte como ferramenta de transformação social

O que muitos desconhecem é que LeBron James passou por muitas dificuldades e descobriu no esporte sua tábua de salvação e ascensão social. Filho único de Glória James, que lhe deu à luz aos 16 anos, LeBron raramente ia a escola, pois vivia se mudando. Em um único ano, chegou a perder cerca de cem dias letivos.

Foi graças ao olhar atento de Frank Walker, pai de um dos colegas de LeBron, que o garoto teve a oportunidade que precisava para brilhar. Frank o levou para morar em sua casa: foi a primeira experiência que teve com o que, anos mais tarde, James chamou de “família de verdade”.

Para retribuir o incentivo que recebeu, LeBron fundou em julho de 2018 a “I Promise School” (Escola Eu Prometo) em sua cidade-natal – Akron, Ohio. O projeto atende crianças em situação de risco e com baixa aprendizagem, selecionadas em parceria com o sistema de educação pública da cidade.

São exemplos como esse que nos mostram a força do esporte como ferramenta de transformação social. E o mais importante: é uma via de mão dupla. Quando chega no ápice, o atleta não esquece de suas origens, como acontece com tantos astros de outras áreas. Muito pelo contrário, ele faz questão de retribuir tudo o que o esporte lhe proporcionou, criando e implementando projetos que oportunizem a outras crianças e adolescentes a chance de virar o jogo.

Não faltam histórias que comprovem o poder social do esporte e nos encham de esperança. Por exemplo, Gustavo Kuerten, maior jogador de tênis do Brasil, hoje está à frente do Instituto Guga Kuerten (IGK), que tem sede em sua cidade-natal – Florianópolis, Santa Catarina. Entre outras atividades, o projeto atende 700 crianças e adolescentes, oferecendo, no contraturno escolar, oficinas de tênis, cultura e esportes complementares.

“O tênis sempre me proporcionou muito mais do que eu esperei. E agora eu pretendo retribuir ao tênis tudo que ele trouxe para a minha vida”, declarou o jogador. Guga também teve um início de carreira difícil, com diversas dificuldades financeiras, pois perdeu o pai ainda jovem. Sua mãe foi quem perseverou para custear os campeonatos e treinos, impulsionando Guga a se tornar o melhor jogador sul-americano da história do tênis, com títulos em 13 países.

O medalhista olímpico Vanderlei Cordeiro de Lima também faz a sua parte em instituto homônimo no interior de São Paulo, apoiando 220 crianças e adolescentes com atividades psicopedagógicas, reforço escolar, formação profissionalizante e núcleos de iniciação ao atletismo.

Quando criança, Vanderlei trabalhava em lavouras de café e cana-de-açúcar. Para chegar a tempo na escola, tinha que correr. A dificuldade virou oportunidade quando foi percebido por um treinador da escola, que o convidou para o atletismo. Vanderlei tinha 12 anos na época – e não parou mais. Passou a figurar entre os maiores maratonistas do mundo e teve a consagração nas Olimpíadas de Atenas, em 2004, quando recebeu sua merecida medalha olímpica.

Os exemplos não param por aí. Poderia aqui citar tantos outros e encher páginas e mais páginas com a história de atletas e de seus projetos capazes de transformar a realidade de comunidades carentes e vulneráveis. Em um País onde o esporte ainda não é valorizado e reconhecido como agente de desenvolvimento e inserção social, tendo em vista o corte de 87% do orçamento do Ministério do Esporte para 2018, nos enche de esperança saber que mais e mais atletas estão voltando às suas origens e retribuindo todos os benefícios que o esporte trouxe para suas vidas.

* Fernanda Letícia de Souza é professora nos cursos de Licenciatura e Bacharelado em Educação Física do Centro Universitário Internacional Uninter. 



Amar a si mesmo como próximo

No documentário “Heal” (em Português, “Cura”), disponível no Amazon Prime, há um depoimento lancinante de Anita Moorjani, que, em Fevereiro de 2006 chegou ao final de uma luta de quatro anos contra o câncer.


O peso da improbidade no destino das pessoas

O homem já em tempos pré-históricos se reunia em volta das fogueiras onde foi aperfeiçoada a linguagem humana.


Terapia de estimulação cerebral profunda pode reduzir até 80% dos tremores causados pelo Parkinson

A cirurgia é um recurso muito importante e deve ser considerada para alguns pacientes.

Terapia de estimulação cerebral profunda pode reduzir até 80% dos tremores causados pelo Parkinson

A educação é o caminho da liberdade

O atendimento socioeducativo ao adolescente em conflito com a lei é um desafio e necessita de um olhar resiliente e reflexivo, visto que é considerado um momento oportuno de mudanças.


O Influenza também está no nosso foco

Falar em vacinação nos dias de hoje nos tende a remeter quase que exclusivamente ao combate à Covid-19.

O Influenza também está no nosso foco

A nova era da Telemedicina no Brasil

Alguns números atestam que as consultas virtuais estão sendo utilizadas cada vez mais no país.

A nova era da Telemedicina no Brasil

Para onde foram os nutrientes que estavam aqui?

A maioria das culturas vegetais são produzidas com a ajuda de solos fertilizados. O alto uso de fertilizantes nitrogenados tende a reduzir o teor de vitamina C em muitas frutas e hortaliças.


Transtornos psiquiátricos catalisados pelo luto de vítimas de COVID-19

Médico psiquiatra comenta a situação exclusiva de pessoas que perderam parentes queridos durante a pandemia. A ansiedade e o transtorno de humor são os mais prevalentes nesses casos.

Transtornos psiquiátricos catalisados pelo luto de vítimas de COVID-19

Pesadelo na hora do sono: apneia atinge 70 milhões de brasileiros

Por muito tempo o hábito de roncar tem sido visto como motivo de chacota ou algo corriqueiro.

Pesadelo na hora do sono: apneia atinge 70 milhões de brasileiros

Qual é o melhor presente do dia das mães?

O mês de maio é reconhecido como o mês das mães em vários lugares do mundo.

Qual é o melhor presente do dia das mães?

A felicidade faz parte do trabalho

“Trabalhe com o que ama e não precisará trabalhar um único dia em sua vida.”

A felicidade faz parte do trabalho

Cinco hábitos que prejudicam as mãos e como mudá-los

O WhatsAppinite, por exemplo é uma tendinite causada pelo uso excessivo do celular.

Cinco hábitos que prejudicam as mãos e como mudá-los