Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Pesquisa mostra os perigos de trabalhar em pé

Pesquisa mostra os perigos de trabalhar em pé

19/06/2017 Divulgação

90% dos trabalhadores não conseguem ficar em pé por mais de 6 horas sem sentir dores.

Pesquisa mostra os perigos de trabalhar em pé

Uma pesquisa realizada com 2.940 pessoas entre abril e maio deste ano revela o sofrimento dos brasileiros que trabalham muitas horas em pé. O estudo tem 52 páginas com dados que expõem como as dores nos pés, tornozelos e joelhos prejudicam a qualidade e a produtividade.

"O trabalho e a relação com os pés, tornozelos e joelhos" traz dados que fomentam a conscientização e alerta as empresas: 65% das pessoas não aguentam ficar mais de 3 horas em pé sem sentir dores. O número salta para 90% a partir das 6 horas ou mais. "O que preocupa é que 41% das pessoas ficam em pé ou andando por mais de 6 horas. As consequências disso são muito nocivas" alerta o fisioterapeuta Mateus Martinez, co-autor da pesquisa.

Dados mostram que as mulheres são as que mais sofrem. Em média, aguentam ficar em pé por apenas 2 horas e 45 minutos sem sentir dores. Os homens resistem por 3 horas e 40 minutos. Além da incidência, a intensidade das dores também cresce conforme o tempo que se fica em pé.

"Trabalhar em pé gera miséria. As consequências são: redução da produtividade, redução da qualidade, absenteísmo e até acidentes de trabalho" afirma Thomas Case, Ph.D., co-autor da pesquisa e fundador da Pés Sem Dor.

Com os resultados da pesquisa, a empresa de Thomas mira conscientizar as linhas de produção, atendentes de Shoppings e outros setores que exigem o trabalho em pé. A solução vem de palmilhas ortopédicas que distribuem o peso e corrigem a biomecânica dos pés, tornozelos e joelhos. "Dores nos membros inferiores são nocivas para o trabalhador e causam estragos econômicos para o empregador. Mesmo assim, essas dores são tratadas como algo comum e inerente ao trabalho" conclui Case, alarmado.



Brasil é a sociedade mais ansiosa do mundo

Estudo do Dr Fabiano de Abreu, feito na Logos University International, publicado pelo Brazilian Journal of Development, busca explicar e solucionar o problema.

Brasil é a sociedade mais ansiosa do mundo

Cuide do seu bebê: mantenha a saúde bucal em dia

Manter a escovação em dia e usar o fio dental são procedimentos essenciais.

Cuide do seu bebê: mantenha a saúde bucal em dia

Encurtamento muscular: o lado ruim do home office

Dores e redução da amplitude de movimento são os principais sinais de que seus músculos estão encurtados.

Encurtamento muscular: o lado ruim do home office

Brincar é coisa séria!

Falar sobre a importância do brincar no Dia das Crianças pode parecer algo comum, mas é um assunto de grande relevância na vida dos pequenos e de seus familiares.

Brincar é coisa séria!

Diversidade cerebral da criança: dificuldades de aprendizagem

Uma coisa é certa: não há dois cérebros iguais no mundo.

Diversidade cerebral da criança: dificuldades de aprendizagem

O sorriso envelhece, mas pode ser mais tarde

A gengiva pode sofrer recessão, que é a exposição da raiz, ou inflamações decorrentes de doenças periodontais.

O sorriso envelhece, mas pode ser mais tarde

Após quase morrer de câncer, a solidariedade

Em março de 2016, quando estava com 35 anos, descobri o câncer de mama.

Após quase morrer de câncer, a solidariedade

Temos uma Mãe!

Assim como o mês de maio, outubro também é um mês dedicado a Maria.

Temos uma Mãe!

Sorriso nos olhos é cartão de visita no retorno presencial ao trabalho

Quem não gosta de ser recebido em um ambiente profissional com um sorriso largo dos colegas?

Sorriso nos olhos é cartão de visita no retorno presencial ao trabalho

Brincar é coisa séria!

A brincadeira é fundamental para o desenvolvimento emocional, cognitivo e social da criança.

Brincar é coisa séria!

Açúcar: O grande vilão da boca das crianças

O consumo excessivo de açúcar e a má escovação podem levar ao aparecimento de cáries.

Açúcar: O grande vilão da boca das crianças

Estudo mostra que longevidade está ligada à prática de exercícios

Pessoas obesas e sedentárias que começam a se exercitar podem diminuir o risco de morte prematura em 30% ou mais.

Estudo mostra que longevidade está ligada à prática de exercícios