Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Por que tanta ansiedade?

Por que tanta ansiedade?

01/09/2017 Aline Rodrigues

As atividades do dia a dia têm gerado um comportamento diferente de antigamente: a ansiedade!

Por que tanta ansiedade?

Levantamos com pressa, agitados, preocupados, muitas vezes já repassando na cabeça as atividades que estão por vir. E, ao final do dia, fazemos a mesma coisa antes de dormir. Deitamos pensando em tudo o que foi feito, o que deixamos de fazer, mexemos no celular, planejamos o dia de amanhã e ainda queremos não apresentar nenhum sintoma físico e psíquico. Claro que se organizar mentalmente para as atividades é um exercício excelente! Porém desde que feito com equilíbrio, sem pressão e cobrança.

Diante desse cenário, será que o corpo e a mente suportam tudo isso por muito tempo, sem manifestar nenhuma reação? Não! Muitos brasileiros sofrem algum tipo de transtorno de ansiedade e nem percebem. Seja porque se tornou comum ser ansioso ou porque não se tem tempo nem mesmo de olhar para o que está acontecendo consigo.

Atualmente, na América Latina, o Brasil é considerado o país com maior taxa de pessoas com transtorno de ansiedade. Este dado foi apresentado pela Organização Mundial da Saúde (OMS) em fevereiro deste ano. De acordo com a OMS, 9,3% dos brasileiros vivem com algum tipo de transtorno de ansiedade. Líder no ranking, o Brasil se supera as taxas indicadas nos demais países da região, que tem o Paraguai em segundo lugar, com 7,6%, e em terceiro o Chile, com 6,5%.

Tudo isso porque o ser humano tem sido impulsionado a dar sempre uma resposta correta e imediata diante das pressões recebidas. Isso já começa cedo, com nossas crianças. Com frequência, ouvimos pais falando das necessidades de seus filhos e assumindo o seguinte discurso: “criança precisa fazer esporte, estudar e ter aula de língua estrangeira, se quiser ser alguém no futuro”. E assim, preenchem a agenda dos pequenos com responsabilidades que são saudáveis, mas que juntas e com cobrança de um ideal, se tornam nocivas. Desta forma, o ser humano vai sendo moldado para um mundo urgente, no qual as respostas precisam ser corretas e imediatas.

Você sabia que ansiedade, a grosso modo, é medo de algo que não existe, mas gera sensações reais? É como se olhasse para um gato deitado, dormindo, inofensivo e enxergasse um leão faminto pronto para atacar. A situação real é uma, mas a forma de ver o problema e as situações cotidianas da vida é outra.
Ao longo da vida, vamos construindo verdades sobre nós. No entanto, essas verdades podem ser saudáveis ou não. A questão é, quando essas ideias sobre si mesmo não são saudáveis, e ficam expostas a este mundo agitado, exigente, que espera uma resposta constantemente. Aí, o que existe de pior em nossos pensamentos vem para fora.

Por que tanta ansiedade? Porque nossos medos mais secretos vão sendo “cutucados” e, quando menos esperamos, nosso corpo reage com suor, calor, dor de barriga, dor de cabeça, taquicardia e tantas outras coisas. O medo do fracasso, de não conseguir, de não suportar, de ser abandonado, rejeitado, desamparado, humilhado, entre outras ideias, assaltam nossos pensamentos, gerando um comportamento ansioso.

O mundo de hoje é exigente, nos expõe muito e descarta o que não serve. Todo esse movimento exige uma resposta que muitas vezes não é real e, por medo, violentamos nosso corpo e nossa mente para conseguir dar conta.

Entretanto, se permitir ser humano, real, alguém que não é medido pelo que faz, mas pelo que é, é um caminho saudável para dominar esse mundo tão ansiogênico. Seja gente, e não um super herói!

*Aline Rodrigues é psicóloga, especialista em saúde mental, e missionária da Comunidade Canção Nova. Atua com Terapia Cognitiva Comportamental; no campo acadêmico, clínico e empresarial. 



Aprender a aprender: a transição do negócio tradicional para o virtual

Os extremos estão postos e a dificuldade é real e constante.

Aprender a aprender: a transição do negócio tradicional para o virtual

Escola da vida em tempos de isolamento social

Estamos vivendo todos no mesmo barco.

Escola da vida em tempos de isolamento social

Isolamento social leva famílias a repensar despesas em casa

Especialista dá dicas de economia doméstica em tempos de crise.

Isolamento social leva famílias a repensar despesas em casa

Você sabia que a decoração do quarto influencia no seu sono?

Veja dicas de como solucionar um dos problemas mais comuns entre os brasileiros, principalmente nesse período de quarentena.

Você sabia que a decoração do quarto influencia no seu sono?

Jornal britânico dá cinco dicas para ser mais otimista com a vida

Mudança de perspectiva na vida pode, por exemplo, diminuir risco de doenças no coração.


A paixão não sobrevive à proximidade e ao cotidiano de tantas semanas iguais.

Agora você tem todo o tempo do mundo e não há mais a desculpa de que você está estressado pelo trabalho.


Em tempos de autoconhecimento: de onde vem o seu sobrenome e sua origem?

Blog indica como descobrir um pouco mais de suas origens. Silva, Garcia e Machado são alguns dos sobrenomes que já estão disponíveis no site.

Em tempos de autoconhecimento: de onde vem o seu sobrenome e sua origem?

A busca de si mesmo

Nesse momento de turbulência planetária as pessoas estão acessando situações internas que elas próprias não tinham o entendimento que estivesse mal resolvido dentro delas.


Quarentena pode ajudar na aquisição de hábitos positivos

O isolamento social pode ser uma oportunidade para identificar ações improdutivas e substituí-las por atitudes que ajudem na realização de metas pessoais e profissionais.

Quarentena pode ajudar na aquisição de hábitos positivos

Startup doará pelo menos uma tonelada de orgânicos por semana para ONGs

Conectando o campo à cidade, a Liv Up que já atua em parceria com 25 famílias de agricultores familiares vai ajudar a levar alimentação saudável a milhares de pessoas.

Startup doará pelo menos uma tonelada de orgânicos por semana para ONGs

A solidariedade não pode parar

Saiba como ajudar as famílias afetadas pelo novo coronavírus junto com a LBV.


Como fica a rotina dos consultórios médicos pós-pandemia?

Coronavírus muda hábitos e cria novas medidas que começam antes mesmo da consulta.

Como fica a rotina dos consultórios médicos pós-pandemia?