Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Projeto residencial reúne gerações sob o mesmo teto

Projeto residencial reúne gerações sob o mesmo teto

22/04/2008 Da Redação

Conjunto habitacional de Bonn reúne, sob o mesmo teto, jovens e velhos cansados de viver sozinhos. Novidade na Europa, o projeto oferece soluções ao problema da solidão e da pirâmide demográfica.

A avó viver na mesma casa que seus filhos, netos e até mesmo bisnetos é fato raro na Alemanha atual. Somente em dois entre cem domicílios encontram-se diferentes gerações dividindo o mesmo teto.

No entanto, com o desaparecimento da grande família, desaparecem também vantagens do dia-a-dia. Quem cuida das crianças quando os pais não estão em casa? Quem leva as compras para quem não as pode carregar? Quem pode emprestar um carro a quem não tem?

Em Bonn, um projeto residencial reúne 66 pessoas de diferentes gerações cansadas de viver sozinhas – famílias, casais, solteiros, mães, viúvas, avós, aposentados ou deficientes em cadeira de rodas. Os últimos moradores do conjunto residencial Amaryllis se mudaram em janeiro último. 

Possibilidade de convivência

"Eu não sou com certeza uma avó perfeita, mas acho ótimo poder ensinar tricô ou crochê às crianças", afirma Helga Arenhövel. As crianças às quais se refere a senhora de 74 anos são, no entanto, as dos vizinhos. 

Os moradores encaram isto de forma bastante pragmática. Não se trata somente de ajudar vizinhos. Cada um tem suas quatro paredes e pode decidir se prefere morar sozinho, numa casa ou numa república. O que importa é a possibilidade de convivência. 

Para Jochen Lampe, de 44 anos, portador de deficiência física em cadeira de rodas, a alternativa seria uma moradia com acompanhamento assistencial. "Faltaria o componente social que aqui existe. São tantas mãos que ajudam. No dia-a-dia, as pessoas têm receio de se aproximar dos deficientes", afirma Lampe.

Uma mão amiga

Diferentes gerações vivendo num só domicílio sem laços familiares é novidade na Europa. A tendência a residências com um ou dois moradores aumenta não só na Alemanha. Nos países escandinavos, existem mais apartamentos de solteiros que domicílios com mais de uma pessoa. 

Somente Espanha, Irlanda e Portugal têm média de três habitantes por domicílio. Mas residências com mais de duas gerações tornaram-se raridade também nesses países.

Muitas vezes, são coisas simples que os moradores do projeto residencial desejam: crianças gritando no corredor, comer com os vizinhos, uma conversa na varanda ou uma mão amiga. 

"Ninguém aqui é obrigado a aprofundar a amizade com ninguém. Isto nem é possível, se tratando de 66 moradores. Com alguns, tem-se mais amizade que com outros", afirma Anneke Berger, que vive numa casa geminada com seu marido e três filhos.

Território emocionalmente virgem  

A curiosidade em torno da vida conjunta é grande entre todos os moradores. Em termos emocionais, o projeto residencial é território virgem para todos. E cada uma tem suas próprias perguntas. "O que acontece se eu me tornar um caso que necessita cuidados intensivos?", pergunta Helga Arenhövel.

"O que faremos quando as crianças saírem de casa?", questiona Anneke Berger. "Em que porta eu devo bater quando meus pais não estiverem em casa?", pergunta sua filha de 12 anos.

Tais perguntas ainda não podem ser respondidas. Trata-se agora de fase de teste. Trata-se também da certeza de não se estar sozinho, quando se apresentarem mudanças na situação de vida.

Mais informações sobre a Alemanha e a Europa no site www.DW-WORLD.DE/brasil



Cirurgia devolve audição aos surdos

No Brasil, cerca 10,7 milhões de pessoas sofrem com a doença.

Cirurgia devolve audição aos surdos

Colchão e travesseiro podem ser os causadores dos problemas ortopédicos

Confira algumas dicas do que pode e o que está proibido fazer ao dormir.

Colchão e travesseiro podem ser os causadores dos problemas ortopédicos

Governo lança programa voltado à pessoa idosa

A expectativa é que as ações cheguem a até 460 municípios.

Governo lança programa voltado à pessoa idosa

Medo: qual o limite entre o normal e a doença?

O medo, quando intenso, pode levar-nos a uma avaliação extrema.

Medo: qual o limite entre o normal e a doença?

Fisioterapia ajuda bebês a desenvolver funções motoras

Hipotonia Congênita Benigna pode deixar a criança com dificuldade de firmar a cabeça e sentar sozinha.

Fisioterapia ajuda bebês a desenvolver funções motoras

Esqueça o medo: veja o que a tecnologia mudou nos tratamentos odontológicos.

Os dentistas de hoje herdaram uma reputação que não condiz com a realidade dos consultórios.

Esqueça o medo: veja o que a tecnologia mudou nos tratamentos odontológicos.

Será cesária, e agora?

Respire, aproveite o seu parto com uma cortina transparente e participe intensamente desse momento e tenha lindas fotos desse momento único!

Será cesária, e agora?

A urgência em promover o acesso a alimentação saudável no Brasil e diminuir a obesidade

As consequências vem em cadeia, de nível econômico a social.

A urgência em promover o acesso a alimentação saudável no Brasil e diminuir a obesidade

Seis dicas básicas para quem deseja começar a correr

Educadora física indica quais são os cuidados que devem ser tomados por quem quer praticar a modalidade.

Seis dicas básicas para quem deseja começar a correr

Cinco vantagens que a atividade física traz para o mercado de trabalho

Exercícios físicos podem ajudar essas pessoas a terem uma vida mais prazerosa e crescerem profissionalmente.

Cinco vantagens que a atividade física traz para o mercado de trabalho

Conheça os benefícios do agachamento

Para homens e mulheres, é o exercício mais poderoso para deixar bumbum e pernas definidos.

Conheça os benefícios do agachamento

Exercícios físicos para reduzir o estresse no trabalho e desenvolver “mindfullness”

Aplicativos de exercícios físicos e meditação têm servido como solução para reduzir estresse e Burnout nas empresas.

Exercícios físicos para reduzir o estresse no trabalho e desenvolver “mindfullness”