Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Punir e recompensar não é verdadeiramente educar

Punir e recompensar não é verdadeiramente educar

21/08/2020 Vanessa Queirós Alves

Crianças que são educadas na base do medo deixam de fazer algo errado somente por conta desse sentimento.

Punir e recompensar não é verdadeiramente educar

A busca e a construção de uma boa educação são desejos que perpassam a vida da grande maioria dos pais e educadores, porém a forma como fazemos isso pode estar totalmente desconectada do que realmente almejamos e inclusive, pode trazer resultados opostos ao que pretendíamos inicialmente. Se buscamos uma educação em que a criança seja um ser ativo, pensante, reflexivo, cooperativo, com autoestima e autoconfiança para transformar o mundo e a realidade que a cerca, em um lugar melhor; a punição e a recompensa vão na contramão de todo esse projeto. 

A base dessa afirmação se encontra nos pressupostos da Disciplina Positiva elaborada pela norte-americana Jane Nelsen que tem se espalhado pelo mundo. Uma de suas frases mais marcantes é: “de onde tiramos a absurda ideia de que, para levar uma criança a agir melhor, precisamos antes fazê-la se sentir pior?” Não faz sentido punirmos a criança ou fazermos ela sofrer, sentir culpa, vergonha e dor porque fez algo errado ou equivocado, mas sim, mostrarmos a ela que o erro pode ser construtivo e ajudá-la a pensar sobre como poderia resolver o problema. Segundo essa concepção, entende-se que os pequenos tendem a cooperar mais se são respeitados e envolvidos nas decisões. 

Muitas pessoas que acreditam ainda em formas autoritárias de se educar os filhos costumam dizer: -Ah, mas eu apanhei e não morri! – Ah mas eu ficava de castigo e aprendi ser gente! E na verdade esse pensamento não é válido, porque nós não queremos formar sobreviventes e em muitas situações essas pessoas não reconhecem em sua vida, o mal que pode ter feito o tipo de tratamento que receberam em suas infâncias, entre eles: a falta de conexão com os pais, que por vezes se estende para outros relacionamentos, inclusive com os próprios filhos; a baixa autoestima; a necessidade de autoafirmação, vícios para preencher o vazio existencial; a falta de perceber o valor genuíno das coisas e o desenvolvimento de ações por medo de algum tipo de punição ou para tirar vantagem.

Sobre essa última afirmação podemos citar um exemplo, crianças que são educadas na base do medo deixam de fazer algo errado somente por conta desse sentimento, porque não querem levar uma palmada, ficar de castigo, mas muitas vezes não entendem realmente o sentido da situação e na primeira oportunidade que tem de fazer o que queriam, irão fazer, e nós vemos muitos adultos que agem assim, andam em velocidade acima do permitido, mas diminuem quando se aproximam de um radar, por medo de levar multa e não por responsabilidade social. 

Por outro lado, muitos pais que não querem repetir o autoritarismo com que foram ensinados, acabam indo ao extremo da permissividade que também é prejudicial, pois priva a criança de aprender habilidades de vida que ela precisará ao longo de sua existência.

Há também os pais que utilizam de recompensas como ferramenta de educação. Essas, por sua vez, não são interessantes a longo prazo, porque as crianças vão se acostumando a fazer algo não porque é importante para elas ou para os outros, mas para ganhar uma recompensa. Por exemplo, uma criança não deveria ganhar uma estrelinha em um cartaz porque escovou os dentes ou porque guardou seus brinquedos. Ela deve compreender que escovar os dentes é uma questão de higiene e que guardar os brinquedos é uma responsabilidade que ela tem depois de brincar, e não que ela precisa fazer tudo isso para ganhar algo em troca. 

A Disciplina Positiva traz conceitos e ferramentas que podem auxiliar pais e educadores a trabalharem de forma colaborativa com as crianças, conhecendo seu desenvolvimento, com base em uma educação que tem gentileza e firmeza ao mesmo tempo, que promove responsabilidade pessoal e social, é encorajadora e tem foco na solução de problemas. Sendo assim, quando tratarmos as crianças com dignidade e respeito, e quando lhe ensinarmos valiosas habilidades de vida para o desenvolver de um bom caráter, elas irão disseminar a paz no mundo. Se for isso que você almeja, procure conhecer mais sobre esses conceitos.

* Vanessa Queiros Alves é professora do curso de Pedagogia Centro Universitário Internacional Uninter

Fonte: Página 1 Comunicação



Encurtamento muscular: o lado ruim do home office

Dores e redução da amplitude de movimento são os principais sinais de que seus músculos estão encurtados.

Encurtamento muscular: o lado ruim do home office

Brincar é coisa séria!

Falar sobre a importância do brincar no Dia das Crianças pode parecer algo comum, mas é um assunto de grande relevância na vida dos pequenos e de seus familiares.

Brincar é coisa séria!

Diversidade cerebral da criança: dificuldades de aprendizagem

Uma coisa é certa: não há dois cérebros iguais no mundo.

Diversidade cerebral da criança: dificuldades de aprendizagem

O sorriso envelhece, mas pode ser mais tarde

A gengiva pode sofrer recessão, que é a exposição da raiz, ou inflamações decorrentes de doenças periodontais.

O sorriso envelhece, mas pode ser mais tarde

Após quase morrer de câncer, a solidariedade

Em março de 2016, quando estava com 35 anos, descobri o câncer de mama.

Após quase morrer de câncer, a solidariedade

Temos uma Mãe!

Assim como o mês de maio, outubro também é um mês dedicado a Maria.

Temos uma Mãe!

Sorriso nos olhos é cartão de visita no retorno presencial ao trabalho

Quem não gosta de ser recebido em um ambiente profissional com um sorriso largo dos colegas?

Sorriso nos olhos é cartão de visita no retorno presencial ao trabalho

Brincar é coisa séria!

A brincadeira é fundamental para o desenvolvimento emocional, cognitivo e social da criança.

Brincar é coisa séria!

Açúcar: O grande vilão da boca das crianças

O consumo excessivo de açúcar e a má escovação podem levar ao aparecimento de cáries.

Açúcar: O grande vilão da boca das crianças

Estudo mostra que longevidade está ligada à prática de exercícios

Pessoas obesas e sedentárias que começam a se exercitar podem diminuir o risco de morte prematura em 30% ou mais.

Estudo mostra que longevidade está ligada à prática de exercícios

No Brasil, 14% da população se considera vegetariana

Dietas vegetarianas adequadamente planejadas são saudáveis e nutricionalmente adequadas.

No Brasil, 14% da população se considera vegetariana

Mais de 20 monumentos aderem à campanha de conscientização do Setembro Roxo

Campanha alerta sobre a existência da fibrose cística para milhares de pessoas em todo o país.

Mais de 20 monumentos aderem à campanha de conscientização do Setembro Roxo