Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Quarentena pode ajudar na aquisição de hábitos positivos

Quarentena pode ajudar na aquisição de hábitos positivos

15/05/2020 Divulgação

O isolamento social pode ser uma oportunidade para identificar ações improdutivas e substituí-las por atitudes que ajudem na realização de metas pessoais e profissionais.

Quarentena pode ajudar na aquisição de hábitos positivos

Apesar do período de isolamento social estar completando um mês no Brasil, muitas pessoas ainda sentem dificuldade para se adaptar a essa realidade e administrar o tempo com sabedoria. Apesar de o confinamento estar sendo uma experiência estressante para muitos, ele também traz consigo uma oportunidade de trabalhar o autoconhecimento, de identificar as ações improdutivas que a pessoa realiza, na maioria das vezes, de forma inconsciente e automática, e trocá-las por produtivas.

“Os nossos hábitos são um conjunto de atitudes e pensamentos negativos e positivos e são eles que vão dizer se vamos ser levados ao sucesso ou ao fracasso de uma meta, seja pessoal ou profissional. Por isso é importante pensar qual é o propósito a ser atingido e quais hábitos positivos devem ser desenvolvidos para se alcançar o objetivo traçado”, explica Júlia Lobo, diretora da Febracis Belo Horizonte, instituição de Coaching Integral Sistêmico (CIS).

Segundo a especialista, os hábitos são criados ao longo de nossas vidas e cultivados por cada situação que passamos. “As pessoas devem observar dois fatores principais: o gatilho, ou seja, o que desencadeia o hábito, a motivação para recorrer à determinada atividade; e ainda a recompensa ao executar esse hábito, ou seja, o sentimento de satisfação, a vontade de repetir essa mesma ação em outra ocasião.  No caso de um fumante, por exemplo, o gatilho pode ser o estresse e a recompensa, o prazer que a nicotina traz. O livro: ‘O poder do hábito’, de Charles Duhigg, aborda essa questão, quem quiser se aprofundar mais no assunto é uma leitura que recomendo”, diz.

Júlia acrescenta que essa percepção é importante porque é a partir dela que a pessoa começará o trabalho de substituição do hábito negativo. Ela esclarece que o primeiro passo para adquirir, na prática, hábitos de excelência é ter um propósito bem definido. “Antes de pensar o melhor caminho, é preciso ter clareza quanto ao destino. Por isso, a reestruturação da rotina depende diretamente da definição de metas. Afinal, a classificação dos hábitos em positivo e negativo refere-se ao potencial deles em ajudarem no alcance da meta”, explica.

Ela acrescenta que a partir do momento em que os objetivos são definidos, é possível identificar as atitudes que nos ajudam a alcançá-los e quais nos atrapalham. “Para um estudante que tem como meta passar no vestibular, por exemplo, o hábito da leitura é mais positivo do que o de navegar em redes sociais, pois ler é o que vai aproximá-lo mais da sua meta. O conjunto de hábitos forma o caráter, que, por sua vez, determina o destino do indivíduo”, explica.

O conhecimento de si mesmo passa necessariamente por uma avaliação e reestruturação dos hábitos, ou seja, atitudes que fazemos repetidas vezes de forma inconsciente. Uma pesquisa da universidade norte-americana Duke apontou que dedicamos aproximadamente 40% do nosso tempo executando hábitos, isso são aproximadamente 9 horas e meia por dia no piloto automático.

Identificação e Seleção de Rotina

Além desse exercício individual de observação quanto ao que precisa ser trabalhado, a pessoa pode recorrer a ferramentas que ajudam a trazer mais clareza e objetividade a esse processo, como o modelo de Identificação e Seleção de Rotina (ISR), disponibilizado pela Febracis. “Com ele, fica mais didático e fácil de organizar e separar hábitos positivos e negativos referentes aos variados pilares da vida, seja espiritual, conjugal, social, profissional e financeiro. A partir desse diagnóstico, é possível reformular o conjunto de hábitos, tendo como base os respectivos gatilhos e recompensas”, explica Júlia.  Segundo a especialista, essa é uma prática simples que proporciona um crescimento que pode ser levado para toda a vida.

Fonte: Partners Comunicação



O sorriso envelhece, mas pode ser mais tarde

A gengiva pode sofrer recessão, que é a exposição da raiz, ou inflamações decorrentes de doenças periodontais.

O sorriso envelhece, mas pode ser mais tarde

Após quase morrer de câncer, a solidariedade

Em março de 2016, quando estava com 35 anos, descobri o câncer de mama.

Após quase morrer de câncer, a solidariedade

Temos uma Mãe!

Assim como o mês de maio, outubro também é um mês dedicado a Maria.

Temos uma Mãe!

Sorriso nos olhos é cartão de visita no retorno presencial ao trabalho

Quem não gosta de ser recebido em um ambiente profissional com um sorriso largo dos colegas?

Sorriso nos olhos é cartão de visita no retorno presencial ao trabalho

Brincar é coisa séria!

A brincadeira é fundamental para o desenvolvimento emocional, cognitivo e social da criança.

Brincar é coisa séria!

Açúcar: O grande vilão da boca das crianças

O consumo excessivo de açúcar e a má escovação podem levar ao aparecimento de cáries.

Açúcar: O grande vilão da boca das crianças

Estudo mostra que longevidade está ligada à prática de exercícios

Pessoas obesas e sedentárias que começam a se exercitar podem diminuir o risco de morte prematura em 30% ou mais.

Estudo mostra que longevidade está ligada à prática de exercícios

No Brasil, 14% da população se considera vegetariana

Dietas vegetarianas adequadamente planejadas são saudáveis e nutricionalmente adequadas.

No Brasil, 14% da população se considera vegetariana

Mais de 20 monumentos aderem à campanha de conscientização do Setembro Roxo

Campanha alerta sobre a existência da fibrose cística para milhares de pessoas em todo o país.

Mais de 20 monumentos aderem à campanha de conscientização do Setembro Roxo

Canal Angelini aborda as histórias das religiões

Nunca foi tão importante entender a história das religiões.

Canal Angelini aborda as histórias das religiões

Vulnerabilidade a seu favor: a verdadeira liderança

Vulnerabilidade: não podemos evitá-las e viver apenas em momentos seguros.

Vulnerabilidade a seu favor: a verdadeira liderança

Você controla seu celular ou é ele que te controla?

No ano de 2020, cada brasileiro que possui smartphone passou, em média, 4,8 horas por dia utilizando o seu aparelho, segundo o novo relatório anual da App Annie.

Você controla seu celular ou é ele que te controla?