Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Gordura abdominal pode indicar risco cardiovascular

Gordura abdominal pode indicar risco cardiovascular

18/01/2019 Da Redação

Pesquisa revela que pessoas ativas e sem sobrepeso também têm probabilidade de desenvolver distúrbios no coração.

Gordura abdominal pode indicar risco cardiovascular

O acúmulo excessivo de gordura na região abdominal já é um conhecido indicador de risco para doenças cardiovasculares. A medida, de acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), não deve ultrapassar 94 centímetros (cm) nos homens e 90 cm nas mulheres.

Um novo estudo, desenvolvido por pesquisadores da Universidade Estadual Paulista (Unesp), no entanto, identificou que pessoas fisicamente ativas e sem sobrepeso, mas com valores de relação cintura-estatura (RCE) próximos ao limite do risco também têm maior probabilidade de desenvolver distúrbios no coração.

O RCE é obtido pela divisão da circunferência da cintura pela estatura. “Até então, os valores acima de 0.5 indicavam alto risco de desenvolver alguma doença cardiovascular ou metabólica. Os valores abaixo de 0.5 indicavam que a pessoa tinha aparentemente menor risco”, explicou Vitor Engrácia Valenti, professor da Unesp de Marília e coordenador da pesquisa. Para o estudo foram selecionados 52 homens saudáveis e fisicamente ativos, com idade entre 18 e 30 anos.

Segundo Valenti, estudos recentes sugerem que a RCE fornece informações mais precisas de riscos cardiovasculares do que o Índice de Massa Corporal (IMC), que avalia a distribuição de gordura pelo corpo. “O resultado que encontramos chama a atenção daquelas pessoas que acham que [estão fora dos grupos de risco] por não ter barriga, mas não fazem atividade física ou mantêm hábito alimentar saudável. Mesmo sem barriga, pode ser um risco”, alertou o professor com base no trabalho.

Fonte: Agência Brasil



Campanha da GOL e Faber Castell incentiva a doação de materiais escolares nas aeronaves

A campanha é uma iniciativa do Instituto GOL, núcleo de responsabilidade social da empresa.

Campanha da GOL e Faber Castell incentiva a doação de materiais escolares nas aeronaves

Imagens de sofrimento deixam de ser foco em campanhas de doação no Brasil

Estratégias como a do aplicativo Ribon baniram qualquer foto de dor e miséria e passaram a ganhar cada vez mais adeptos

Imagens de sofrimento deixam de ser foco em campanhas de doação no Brasil

Como nasceu a Cesta de Natal

Com a proximidade do final do ano as empresas e as famílias começam a se preparar para as festas e comemorações do Natal e Réveillon.

Como nasceu a Cesta de Natal

O que é permitido nas festas de fim de ano em condomínios?

A vida em condomínio exige regras de convivência que valem para pessoas com hábitos diferentes, por dividirem o mesmo espaço comum.

O que é permitido nas festas de fim de ano em condomínios?

Expectativa de vida aumenta mais de três meses e chega a 76,3 anos

Dados são da Tábua Completa de Mortalidade para o Brasil do IBGE.

Expectativa de vida aumenta mais de três meses e chega a 76,3 anos

Impactos dos exercícios físicos durante e depois da gravidez

Treinos devem ser liberados pelo médico e acompanhados por um profissional de Educação Física

Impactos dos exercícios físicos durante e depois da gravidez

Não emagreça para o verão!

Confira dicas para manter o shape em forma o ano todo.

Não emagreça para o verão!

Como estimular as crianças à uma boa alimentação

Situações simples do dia a dia podem ser aproveitadas para a educação alimentar.

Como estimular as crianças à uma boa alimentação

Dormir mais no final de semana recupera as noites perdidas?

Mudar hábitos é mais eficaz do que ficar mais tempo na cama no sábado e domingo.

Dormir mais no final de semana recupera as noites perdidas?

O que as três cidades mais inteligentes do País têm em comum?

Entenda porque Campinas, São Paulo e Curitiba merecem esse título.

O que as três cidades mais inteligentes do País têm em comum?

3 razões para incluir a prática da Atenção Plena em seu trabalho

Não é novidade que temos que estar capacitados perante os avanços da tecnologia e a uma enxurrada constante de informação.


Cirurgia devolve audição aos surdos

No Brasil, cerca 10,7 milhões de pessoas sofrem com a doença.

Cirurgia devolve audição aos surdos