Portal O Debate
Grupo WhatsApp

A conta da Copa

A conta da Copa

10/07/2018 Deutsche Welle

Mais impostos, menos aposentadoria: com cortes drásticos na proteção social, a população russa já está pagando por sediar o Mundial mais caro da história.

A conta da Copa

O interesse dos russos pelo futebol parece ofuscar tudo atualmente, até a preocupação com uma polêmica e drástica reforma da Previdência. É o que mostra um estudo recente do centro de análises Levada, uma ONG russa independente de pesquisas sociológicas e de opinião.

O entusiasmo é compreensível: inesperadamente, a seleção russa conseguiu chegar às quartas d -final da Copa do Mundo. Só então foi eliminada pela Croácia. Mas até mesmo a eliminação da chamada "Sbornaia" não acabou com a empolgação dos torcedores russos. Em vez de frustração, o país se mostra grato aos jogadores que deram tudo para fazer do torneio um conto de fadas.

Porém, a Copa acabará no domingo (15/07). Os torcedores estrangeiros voltarão para casa, e os russos retornarão ao cotidiano, priorizando novamente as odiadas reformas do próprio governo, que ameaçam reduzir ainda mais o já decrescente bem-estar dos cidadãos.

Ninguém espera um crescimento especial da economia russa em 2018. A previsão do ministério russo da Economia para o período foi reduzida de 2,2% para 1,9% do Produto Interno Bruto (PIB).

Em 2019, a economia deverá crescer ainda mais lentamente: o prognóstico oficial prevê apenas cerca de 1,4%. Um dos motivos mais evidentes para isso é o aumento do IVA (Imposto sobre o Valor Agregado, uma tributação sobre o consumo).

A alta deverá valer a partir de 1º de janeiro de 2019. O Parlamento russo aprovou o projeto de lei do governo na primeira sessão. De acordo com o projeto, o imposto deverá subir de 18% para 20% sobre o preço de mercadorias e serviços.

Mas a conta da Copa será ainda mais longa. Exatamente no dia da abertura do torneio, o governo russo anunciou mais encargos financeiros para os cidadãos e que aumentaria a idade da aposentadoria de 60 para 65 anos para homens e de 55 para 63 anos para as mulheres. O plano é pouco detalhado: esse aumento deverá ser gradual e acontecerá entre 2019 e 2028 para os homens e até 2034 para as mulheres.

Tido como liberal, o presidente do Tribunal de Contas russo, Alexei Kudrin, é um dos defensores dos planos de reforma. Segundo seus cálculos, o aumento da idade para a aposentadoria poderia inundar os cofres do governo com 100 bilhões de rublos (1,3 bilhão de euros) por ano até 2024.

O ministro do Trabalho, Maksim Topilin, promete que parte desse dinheiro deverá ser convertido para aumentar as remunerações da aposentadoria. Atualmente, a aposentadoria média na Rússia é de cerca de 200 euros mensais.

Os planos do governo não foram recebidos com entusiasmo e fizeram com que as taxas de aprovação do presidente Vladimir Putin e de outros políticos na liderança do país caíssem. Também por isso espera-se que a reforma previdenciária seja amenizada durante a avaliação pelos legisladores.

Provavelmente, o aumento da aposentadoria e do imposto sobre o consumo também teriam sido aprovados sem a realização da Copa. Mas, na situação atual, a população russa deverá sentir os efeitos dos encargos financeiros adicionais a partir de já.

É que eles já precisam pagar bem mais pela obtenção de documentos federais. Em vez de 50 euros, um passaporte passou a custar cerca de 70 euros. Há pouco tempo, a carteira de motorista custava menos de 30 euros. Agora, custa mais de 40.

No país, as despesas como água, eletricidade e administração do lixo, que são cobradas de forma central pelas grandes empresas (antigamente estatais), também aumentaram, em média, 4%.

Talvez uma forma de compensar os custos da Copa do Mundo mais cara da histórica: segundo o próprio governo, gastou-se mais de 680 bilhões de rublos (quase 10 bilhões de euros). O valor está relacionado a gastos diretos com o evento – como a construção de dez estádios – e não leva em conta muitos dos gastos com infraestrutura, como linhas de transporte expresso que beneficiaram mais os turistas do que os próprios russos. 



Primeira-ministra britânica anuncia renúncia

Theresa May argumenta que não conseguiu concretizar o Brexit

Primeira-ministra britânica anuncia renúncia

Total de domicílios alugados no Brasil cresce 5,3% em um ano

Brasil possui 12,9 milhões de residências alugadas

Total de domicílios alugados no Brasil cresce 5,3% em um ano

Reforma da Previdência e a (in) responsabilidade do legislativo federal

O Brasil vive uma crise sem precedentes, parte por irresponsabilidade dos presidentes anteriores, parte por descaso do Congresso Nacional.

Reforma da Previdência e a (in) responsabilidade do legislativo federal

Dia Livre de Impostos terá Mercado do Imposto na Praça Sete em BH

Ideia é mostrar como a carga tributária brasileira está entre as mais elevadas do mundo

Dia Livre de Impostos terá Mercado do Imposto na Praça Sete em BH

Minas lança Plano de Segurança para as comunidades próximas às barragens

Documento visa reduzir riscos e mitigar os efeitos da mineração nas cidades mineiras

Minas lança Plano de Segurança para as comunidades próximas às barragens

ANM repassa R$ 271 mi a municípios afetados por exploração de minério

Serão repassados valores acumulados desde junho de 2018

ANM repassa R$ 271 mi a municípios afetados por exploração de minério

Minas tem mais uma comunidade quilombola reconhecida

Povoado da Fazenda Itaipava fica no município de Açucena, no Vale do Aço


81% dos brasileiros dependem exclusivamente do INSS para aposentadoria

Com o objetivo de mostrar a importância da educação financeira nas empresas, a Associação Brasileira de Educadores Financeiros (ABEFIN), divulga uma pesquisa sobre a saúde financeira dos trabalhadores brasileiros.

81% dos brasileiros dependem exclusivamente do INSS para aposentadoria

Taxa de desemprego cresce em 14 estados em 2019

Nas outras 13 unidades federativas, a taxa manteve-se estável no primeiro trimestre do ano

Taxa de desemprego cresce em 14 estados em 2019

Governo de Minas faz revisão de orçamento e encontra déficit maior

Orçamento aprovado para 2019 tem rombo de R$ 15,177 bilhões, maior que os R$ 11,443 bilhões anunciados pela gestão passada.


Banheiros químicos adaptados agora são obrigatórios

Sancionada a lei que torna banheiros químicos adaptados obrigatórios em eventos

Banheiros químicos adaptados agora são obrigatórios

Congresso Mundial de Câmaras

Acontece no Rio de Janeiro de 12 a 14 de junho.