Portal O Debate
Grupo WhatsApp

A farra do fundo eleitoral

A farra do fundo eleitoral

16/07/2021 Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves

Como custear as eleições e suas campanhas sempre foi um tabu brasileiro.

A farra do fundo eleitoral

O aumento de 185% no valor do Fundo Eleitoral – aprovado pelo Congresso Nacional nesta quinta-feira, dentro do projeto da Lei de Diretriz Orçamentária – é um disparate num país com tantas carências. Em vez dos R$ 2 bilhões empregados nas eleições municipais do ano passado e dos R$ 1,8 bilhão gastos nas de 2018, os partidos receberão R$ 5,7 bilhões no próximo ano. Como custear as eleições e suas campanhas sempre foi um tabu brasileiro. Diante da reclamação de que candidatos ricos levavam vantagem porque empregavam recursos próprios, proibiu-se essa prática, então rotulada como “abuso do poder econômico”. Mas, mesmo assim, o custeio das campanhas continuou frágil e ensejou espertezas como os mesalões (o mineiro e o nacional) e o petrolão com suas variantes. Tais esquemas, em síntese, fraudaram licitações em órgãos e obras públicas para carrear os recursos do superfaturamento aos políticos aliados dos governos, com o objetivo de financiar suas campanhas de reeleição (ou mesmo para o puro enriquecimento ilícito). Quando os artífices dessas artimanhas, descobertos, estavam indo para a cadeia, a mini-reforma eleitoral de 2015 proibiu a doação empresarial a partidos e candidatos, supostamente para evitar que empreiteiras continuassem fraudando licitações e financiando os políticos. Mas, como o dinheiro tem de sair de algum lugar, ampliaram-se os fundos de sustentação aos partidos e às eleições. Agora, o erário – que é dinheiro do contribuinte – além de custear o processo públicos das eleições, também paga as despesa s dos partidos e a campanha dos candidatos.

Com todas as contas pagas pelo dinheiro do contribuinte, fica muito fácil – até vantajoso - fazer política neste país. Em vez de funcionar como um clube, onde cada associado paga a sua anuidade e esta custeia as despesas, os filiados e especialmente os dirigentes das agremiações só tiram vantagens, porque a conta é honrada pelo erário. Há, ainda, a desconfiança de que muitos dirigentes – verdadeiramente donos das legendas – vivem dos seus recursos e ainda usam o partido para negociar, pressionar o governo e auferir vantagens. O quadro é, no mínimo, desonroso. E o pior é que, há pelo menos 30 anos, os sucessivos governos têm recorrido ao escambo para formar as maiorias congressuais. Em vez de teses e questões políticas, ficou claro que durante todo esse tempo, adquiriram voto s parlamentares oferecendo  cargos, benesses e até dinheiro vivo vindo do caixa dois das empreiteiras participantes das fraudes.

Na esperteza agora praticada, vemos vozes isoladas protestando sem muito empenho. Uns procuram jogar a “culpa” sobre os outros. Os oposicionistas atribuem a manobra aos governistas e estes dizem que nada puderam fazer porque o importante era aprovar a LDO, mesmo com os jabutis colocados pelo relator, deputado Juscelino Filho (DEM-MA). Chama a atenção a informação que, como foi aprovado o projeto, o Fundo Eleitoral terá verba maior do que os orçamentos dos ministérios do Meio Ambiente e da Cidadania. Acusa-se o chamado “Centrão” de ter pilotado as mudanças. Mas todos os partidos serão beneficiados. PSL e PT, donos das maiores bancadas na Câmara, saltarão de R$ 200 milhões recebidos para as eleições de 2020, para R$ 600 milhões nas de 2022.

Só existem duas formas de evitar essa sangria aos cofres públicos. O Executivo vetar as alterações introduzidas à forma de cálculo do Fundo Eleitoral, o que poderá levar a uma guerra com o Legislativo e prejudicar a governabilidade, ou reduzir as verbas para esse fim na Lei do Orçamento Anual, que será enviada ao Congresso em agosto para a votação até o final do ano. Mas, qualquer das alternativas, será frágil. O veto pode ser derrubado pelos congressistas, que também poderão mexer na lei do orçamento anual. O melhor para a Nação seria que a classe política tivesse mais consciência, saindo da bolha e tomando conhecimento dos problemas vividos pela comunidade. Sem isso, a farra tende a continuar...

* Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves - dirigente da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo) 

Para mais informações sobre a Eleições clique aqui...

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!

Fonte: ASPOMIL



Indulto x Interferência de Poderes

As leis, como de corriqueira sabença, obedecem a uma ordem hierárquica, assim escalonadas: – Norma fundamental; – Constituição Federal; – Lei; (Lei Complementar, Lei Ordinária, Lei Delegada, Medida Provisória, Decreto Legislativo e Resolução).


Propaganda eleitoral antecipada

A propaganda para as eleições neste ano só é permitida a partir do dia 16 de agosto.


Mercado imobiliário: muito ainda para crescer

Em muitos países, a participação do mercado imobiliário no Produto Interno Bruto (PIB) está acima de 50%, enquanto no Brasil estamos com algo em torno de 10%.


Cadastro Positivo insere mais de 464 mil mineiros no mercado de crédito

Dados divulgados pela ANBC demonstram contingente da população mineira que se beneficiou da primeira consulta de crédito após a implantação do Cadastro Positivo com adesão automática.

Cadastro Positivo insere mais de 464 mil mineiros no mercado de crédito

Gasto anual com gatos chega a ser 178% menor que com cachorros

Atualmente, os pets fazem parte da vida de mais de 80 milhões de lares brasileiros.

Gasto anual com gatos chega a ser 178% menor que com cachorros

Formas mais livres de amar

A busca de afeição, o preenchimento da carência que nos corrói as emoções, nos lança a uma procura incessante de aproximação com outra pessoa: ânsia esperançosa de completude; algum\a outro\a me vai fazer feliz.


Como fazer em caso de PIX em conta errada?

No caso das pessoas que fez o pagamento, a alternativa é buscar a sua agência bancária para resolver a situação.

Como fazer em caso de PIX em conta errada?

Salário atrasado: o que pode acontecer?

De acordo com advogado trabalhista, se a situação ultrapassar um mês, o trabalhador poderá pedir a rescisão indireta na justiça.

Salário atrasado: o que pode acontecer?

Venda de imóvel tem isenção de Imposto de Renda ampliada

A partir deste ano, quem vender um imóvel terá a isenção de Imposto de Renda (IR) sobre o lucro do negócio.


Divórcios no Brasil atingem recorde com 80.573 atos em 2021

Total é 4% maior em relação a 2020, quando houve 77.509 atos.

Divórcios no Brasil atingem recorde com 80.573 atos em 2021

Correios fazem novo feirão para venda de imóveis

As vendas dos imóveis dos Correios ocorrem em formatos eletrônico e presencial.

Correios fazem novo feirão para venda de imóveis

Dados sobre religião entre jovens nos USA

As religiões cristãs no ocidente têm motivos para preocupação diante de um crescente número de ‘sem religião’ entre as novas gerações.