Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Brasil, um país sem vice?

Brasil, um país sem vice?

06/02/2017 Deutsche Welle

Com presidentes da Câmara e do Senado citados na Lava Jato, discussão sobre a linha sucessória ganha urgência.

Brasil, um país sem vice?

O Congresso elegeu dois políticos citados na Operação Lava Jato para comandar a Câmara (o deputado Rodrigo Maia, do DEM) e o Senado (o senador Eunício Oliveira, do PMDB), escolhas que acrescentam ao cenário político uma forte insegurança jurídica.

Maia e Oliveira apareceram em delações premiadas feitas por executivos que tentam negociar com o Ministério Público e a Justiça a redução de suas penas, desde que revelem detalhes de como funcionavam esquemas de corrupção. Ambos negam as acusações.

A Constituição brasileira prevê que, em caso de ausência do presidente da República, assumem o cargo, nesta ordem: o vice-presidente, o presidente da Câmara, o presidente do Senado, e o presidente do Supremo Tribunal Federal. Como o Brasil não tem hoje um vice-presidente, as figuras centrais da linha sucessória são os presidentes da Câmara e do Senado.

Se Maia e Oliveira forem denunciados formalmente pelo Ministério Público e se essa denúncia for acatada judicialmente, ambos se transformam em réus. E réus podem estar na linha sucessória da presidência da República? Esse é o tema quente que está sob análise do Supremo e que demanda todas as atenções do Congresso em tempos de Lava Jato.

Vai e vem no Supremo

A análise do tema chegou ao Supremo em maio de 2016, por iniciativa do partido Rede Sustentabilidade, criado por Marina Silva (que disputou a Presidência da República em 2010 e 2014). A Rede protocolou no Supremo uma Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental (ADPF).

Na época, o alvo do partido era o então presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), hoje preso na Lava Jato. A Rede pedia ao Supremo que afastasse Cunha da presidência da Câmara e, consequentemente, da linha sucessória, exatamente pelo fato de ele ser réu em ação que tramitava na corte. O partido alegava ser inconstitucional ter na linha sucessória um político que é réu em alguma ação.

Em novembro do ano passado, 6 dos 11 ministros do Supremo votaram a favor do pedido da Rede (Marco Aurélio Mello, Luiz Edson Fachin, Teori Zavascki, Rosa Weber, Luiz Fux e Celso de Mello). O julgamento, porém, foi paralisado a pedido do ministro Dias Tóffoli.

No dia 5 de dezembro, a Rede voltou a agir. Desta vez o alvo era o senador Renan Calheiros (PMDB-AL), então presidente do Senado. Numa ação cautelar com pedido de liminar – que é um pedido de análise urgente do caso –, o partido solicitava que o Supremo se pronunciasse sobre a situação e Calheiros, que havia se tornado réu. No mesmo dia, o ministro Marco Aurélio deferiu a liminar e mandou Renan Calheiros se afastar da presidência do Senado.

Cármen Lúcia na linha

A decisão foi considerada devastadora para os políticos, e o próprio ministro Marco Aurélio achou melhor levar o caso para análise do plenário da corte, diante de tamanha polêmica. No dia 8 de dezembro, os ministros do STF tomaram uma decisão heterodoxa sobre Renan Calheiros: por 6 votos a 3, decidiram que o senador, réu, poderia se manter na presidência do Senado, mas não poderia mais fazer parte da linha sucessória.

O mérito da arguição feita pela Rede em maio seria votado agora, no início de 2017, pelo plenário do STF. Mas, novamente, o Supremo preferiu adiar a polêmica.

A pedido do ministro Gilmar Mendes, a votação foi suspensa agora em fevereiro. A expectativa no Judiciário e no Congresso é esperar a publicidade das delações dos 77 executivos da Odebrecht, que ainda estão sob sigilo. Como citam dezenas de políticos, a expectativa é que vários deles tornem-se réus em curto espaço de tempo, o que obrigaria o Supremo a analisar com mais urgência a questão sucessória.

Por enquanto, o Brasil segue sem um vice-presidente e com os dois substitutos imediatos do presidente da República na berlinda. Se tudo der errado para Rodrigo Maia e Eunício Oliveira, caberá à ministra Cármen Lúcia, que preside o Supremo, assumir o lugar de presidente em caso de ausência de Michel Temer. 



Primeira-ministra britânica anuncia renúncia

Theresa May argumenta que não conseguiu concretizar o Brexit

Primeira-ministra britânica anuncia renúncia

Total de domicílios alugados no Brasil cresce 5,3% em um ano

Brasil possui 12,9 milhões de residências alugadas

Total de domicílios alugados no Brasil cresce 5,3% em um ano

Reforma da Previdência e a (in) responsabilidade do legislativo federal

O Brasil vive uma crise sem precedentes, parte por irresponsabilidade dos presidentes anteriores, parte por descaso do Congresso Nacional.

Reforma da Previdência e a (in) responsabilidade do legislativo federal

Dia Livre de Impostos terá Mercado do Imposto na Praça Sete em BH

Ideia é mostrar como a carga tributária brasileira está entre as mais elevadas do mundo

Dia Livre de Impostos terá Mercado do Imposto na Praça Sete em BH

Minas lança Plano de Segurança para as comunidades próximas às barragens

Documento visa reduzir riscos e mitigar os efeitos da mineração nas cidades mineiras

Minas lança Plano de Segurança para as comunidades próximas às barragens

ANM repassa R$ 271 mi a municípios afetados por exploração de minério

Serão repassados valores acumulados desde junho de 2018

ANM repassa R$ 271 mi a municípios afetados por exploração de minério

Minas tem mais uma comunidade quilombola reconhecida

Povoado da Fazenda Itaipava fica no município de Açucena, no Vale do Aço


81% dos brasileiros dependem exclusivamente do INSS para aposentadoria

Com o objetivo de mostrar a importância da educação financeira nas empresas, a Associação Brasileira de Educadores Financeiros (ABEFIN), divulga uma pesquisa sobre a saúde financeira dos trabalhadores brasileiros.

81% dos brasileiros dependem exclusivamente do INSS para aposentadoria

Taxa de desemprego cresce em 14 estados em 2019

Nas outras 13 unidades federativas, a taxa manteve-se estável no primeiro trimestre do ano

Taxa de desemprego cresce em 14 estados em 2019

Governo de Minas faz revisão de orçamento e encontra déficit maior

Orçamento aprovado para 2019 tem rombo de R$ 15,177 bilhões, maior que os R$ 11,443 bilhões anunciados pela gestão passada.


Banheiros químicos adaptados agora são obrigatórios

Sancionada a lei que torna banheiros químicos adaptados obrigatórios em eventos

Banheiros químicos adaptados agora são obrigatórios

Congresso Mundial de Câmaras

Acontece no Rio de Janeiro de 12 a 14 de junho.