Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Câmera no peito, a defesa do policial e da sociedade

Câmera no peito, a defesa do policial e da sociedade

22/02/2022 Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves

Desde quando as câmeras de monitoramento em vias e logradouros públicos surgiram de forma quase rudimentar, defendemos a sua utilização.

Câmera no peito, a defesa do policial e da sociedade

Finalmente a adoção de câmeras acopladas à farda do policial – que já ocorre há anos em São Paulo, Santa Catarina e Rondônia, se instala no Acre e Sergipe, passa por testes em nove Estados e tem estudos em outros 11 – vai ganhar diretriz nacional. O Conselho Nacional dos Secretários da Segurança Pública (Consesp) finaliza a minuta do procedimento padrão sobre o uso do equipamento. Isso facilitará a montagem do sistema por todas as unidades federadas, com evidente lucro para os trabalhos da Segurança Pública e da Justiça e, como resultado final, a inibição do crime.

Ao contrário do que pregam os contumazes críticos da instituição policial, a câmera junto ao corpo não tem por objetivo vigiar o agente e impedi-lo de cometer excessos. O equipamento não é dotado de raciocínio e nem de preferências, captando todas as imagens e sons do seu raio de ação. Serve tanto para mostrar que o policial agiu dentro dos padrões sem extrapolar, quanto para desencorajar o bandido por saber que está sendo filmado. Monitorado, o sistema dá segurança ao policial e permite, por exemplo, que sua coordenação envie reforços quando for necessário. As imagens arquivadas são testemunhas  do acontecido, livrando todos os envolvidos de mentiras, arm ações e procedimentos que possam dificultar a apuração. Em São Paulo, as câmeras começaram a ser usadas pelos policiais do 46º BPM/M (Vila Mariana), onde existem importantes relatos de sua contribuição no resguardo da atividade profissional da tropa. A chegada das câmeras, coloca clareza nas ações. Mostra quando o policial agiu devidamente e também o contrário, permitindo que a corporação administre melhor seu trabalho, elogiando e incentivando os que agem certo e punindo os que descumprirem os regulamentos.  

Desde quando as câmeras de monitoramento em vias e logradouros públicos surgiram de forma quase rudimentar, defendemos a sua utilização. A Polícia Militar de São Paulo, no seu vitorioso programa “Vizinhança Solidária” preconiza a utilização e integração dos sistemas de câmeras. Ressalte-se que, numa área com permanente cobertura de imagem é possível fazer a fiscalização através dos centros de monitoramento e só deslocar viaturas e policiais para o trabalho presencial quando se verificar suspeita ou chamada. Um esquema dessa ordem reduz custos e aumenta a segurança. É preciso, no entanto, montar e manter a infraestrutura ativa durante as 24 horas do dia.

Toda instituição que reúne milhares de profissionais e tem por objetivo a preservação da ordem abriga no seu pessoal aqueles que – por alguma razão, não necessariamente dolosa – acabam cometendo excessos. A PMESP e suas congêneres são rigorosas na apuração desses eventos e, quando constatada a falha funcional, seu membro é punido disciplinarmente, responde judicialmente e, conforme a gravidade, pode ser demitido e cumprir pena. A câmera no peito, serve mais para alertá-lo a não aceitar provocações – que podem levá-lo a extrapolar – e preservar os fatos como realmente ocorrem. Também invalida as narrativas que os oportunistas montam para denunciar truculência que na maioria das vezes não existiu.

Quanto mais cercado de tecnologia, melhor o policial trabalhará na sua missão de defender a sociedade. O testemunho das câmeras serve, entre outras coisas, para livrá-los das cascas de banana que os inimigos da classe sempre que conseguem lançam em seu caminho. Eliminada a possibilidade da criação do clima emocionalmente ruim decorrente de ações orquestradas contra a instituição e seus integrantes, a Segurança Pública melhorará de padrão, haverá menos confrontos e diminuirá o número de mortes (tanto de policiais quanto de cidadãos) e todos viveremos melhor. É preciso acabar com a velha pregação de que a polícia é violenta e o criminoso é uma vítima. Fatos isolados não devem ser generalizados, mas exaustivamente apurados para evitar que se projetem para toda a classe ou até sobre a sociedade.
 
* Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves - dirigente da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo) 

Para mais informações sobre Câmera de Segurança clique aqui...

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!

Fonte: ASPOMIL



O atentado contra Trump e a corrida à Casa Branca

Os atentados contra líderes não são um fenômeno raro na história mundial.

Autor: João Alfredo Lopes Nyegray


A pior epidemia de drogas está dentro da sua casa

Imagine a seguinte cena: você vai à praia ou ao parque com sua família e filhos.

Autor: Sérgio Patto


Saldo comercial de Minas registra US$ 13,2 bilhões no primeiro semestre

Somente em junho, Estado teve superávit de US$ 2,1 bilhões e foi o segundo maior exportador do país. Dados atualizados estão disponíveis em painel interativo da FJP.

Autor: Divulgação


O arco-íris da economia

Na vida, o colorido do arco-íris vai perdendo espaço.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra


Como manter a memória em dia na terceira idade?

Os exercícios físicos são propostos como benéficos desde a Grécia Antiga.

Autor: Divulgação

Como manter a memória em dia na terceira idade?

Produtores gaúchos lotam ginásio da Fenarroz em protesto contra governo federal

Mais de dois meses após catástrofe climática que dizimou o agronegócio, socorro prometido por Brasília ficou apenas na promessa.

Autor: Divulgação

Produtores gaúchos lotam ginásio da Fenarroz em protesto contra governo federal

Como evitar a formação de ferrugem após usar um conversor?

Para evitar a formação de ferrugem após usar um conversor de ferrugem, é crucial seguir alguns passos importantes para garantir uma proteção duradoura das superfícies metálicas.

Autor: Divulgação

Como evitar a formação de ferrugem após usar um conversor?

Como as comparações me fizeram prisioneira da Síndrome do Impostor

Comecei a perceber que algo não estava certo na minha vida quando, mesmo sendo bem-sucedida, me sentia constantemente inferior.

Autor: Thereza Cristina Moraes

Como as comparações me fizeram prisioneira da Síndrome do Impostor

Cidadãos podem solicitar segunda via de certidões pelo celular

Solicitante não precisa se deslocar até uma unidade presencial para pedir o documento, podendo recebê-lo em casa ou no cartório de sua escolha.

Autor: Divulgação

Cidadãos podem solicitar segunda via de certidões pelo celular

Fazendo as escolhas certas: guia para selecionar imóveis para investimento em São Paulo

Investir em imóveis certos é garantia de retorno rápido e seguro se feito com base na valorização, localização, demanda e segurança. Uma incorporadora de confiança te ajuda a realizar seu sonho!

Autor: 5 estrelas

Fazendo as escolhas certas: guia para selecionar imóveis para investimento em São Paulo

Bares e restaurantes seguram preços por medo de perder clientes

Inflação em bares e restaurantes é mais baixa que os índices de alimentação no domicílio e também dos insumos, aponta IPCA.

Autor: Divulgação

Bares e restaurantes seguram preços por medo de perder clientes

Idoso de 100 anos ganha ensaio fotográfico de pré-casamento

Nilza e Paraná convivem há quase 18 anos na unidade da Fhemig em Betim (MG).

Autor: Divulgação

Idoso de 100 anos ganha ensaio fotográfico de pré-casamento