Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Diagnóstico correto, receita errada

Diagnóstico correto, receita errada

23/10/2020 José Pio Martins

Aumento de desigualdade não é igual a aumento de pobreza.

Diagnóstico correto, receita errada

O livro O Capital no Século XXI, de autoria do economista francês Thomas Piketty, está entre os livros mais badalados e mais vendidos dos últimos anos. A obra causou furor no mundo inteiro, suscitou discussões intensas e, segundo dizem por aí, tornou-se um dos livros mais vendidos no planeta e um dos menos lidos. É um pouco o que aconteceu com O Capital, de Karl Marx, obra-prima dos socialistas. É um dos livros mais possuídos e um dos menos lidos da história humana.

Mas por que razão o livro de Piketty fez e continua fazendo tanto sucesso? A razão é facilmente identificável. Ele produziu um calhamaço de 669 páginas (na versão em português) em letra miúda para mostrar, numa linguagem recheada de pesquisas e estudos de bom nível, uma questão simples: se a taxa de retorno líquido do capital for superior à taxa de crescimento da economia, haverá aumento da relação entre capital e renda nacional.

Explicando: se o rendimento líquido do capital for, por exemplo, 5% ao ano e o crescimento da renda nacional for 2%, haverá concentração da riqueza (renda nacional é igual ao produto nacional, e os termos riqueza e capital são equivalentes). Deixando tecnicalidades de lado, Piketty quis provar que a tendência é o aumento da desigualdade entre a renda do trabalho e a renda do capital.

Aumento de desigualdade não é igual a aumento de pobreza. Se a renda de um país cresce de forma que até o mais pobre dos habitantes eleve seu padrão de vida, o aumento da desigualdade não aumenta a pobreza. Mas, afora essa questão, Piketty argumenta que no futuro os ativos do mundo (expressão equivalente a patrimônio e riqueza) poderão ampliar a desigualdade entre os que possuem e os que não possuem nada.

O diagnóstico tem sentido. O equívoco está na solução proposta por Piketty. Ele propõe duas medidas. A primeira medida seria a criação de uma alíquota de 80% de imposto de renda para rendimentos acima de determinada faixa. A segunda seria uma espécie de CPMF (um imposto sobre patrimônio) sobre a posse de ativos em todo o mundo. A proposta é tão ingênua quanto ineficiente.

O erro está numa questão fundamental: estranhamente, Piketty acredita que a montanha de dinheiro carreada para os cofres públicos com sua proposta iria para os pobres do mundo. Ora, o Estado racional, eficiente e bondoso só existe nos livros. Na vida real, quando há elevação de tributo, o Estado paga primeiramente a si mesmo, aumentando gastos com os funcionários que o tripulam e com os políticos que o manipulam. Somente uma fatia menor vai para os pobres, longe de reduzir as desigualdades na proporção do que é arrecadado.

Uma segunda parte do dinheiro sumirá nos escaninhos da corrupção. Uma terceira parte irá pagar o inchaço da máquina estatal com os salários acima do setor privado, as aposentadorias e pensões generosas que os pagadores de impostos nunca terão. Uma quarta parte será desperdiçada na ineficiência gerencial dos serviços públicos. Quem mostra que o governo é concentrador de renda é o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), órgão do governo federal, portanto insuspeito.

Não se trata de um problema de pessoas. O problema é o sistema. O Estado não é racional, não é eficiente, não é bondoso e não é isento. Se o problema do mundo é a concentração da riqueza, melhor seria democratizar a propriedade por meio de um sistema de distribuição de quotas de capital diretamente aos trabalhadores, sem passar pelo orçamento do governo. Esse é o debate que eu gostaria de fazer.

* José Pio Martins, economista, é reitor da Universidade Positivo.

Fonte: Central Press



CUFA e Favela Holding lançam prêmio “Pretos Empreendedores”

Premiação visa valorizar iniciativas realizadas por negros nos âmbitos da cultura, do empreendedorismo, do esporte e da música.


ONU prevê que 235 milhões precisem de assistência humanitária em 2021

Estimativa está em novo relatório anual do Ocha.

ONU prevê que 235 milhões precisem de assistência humanitária em 2021

Seguro de vida vitalício é a melhor opção de planejamento sucessório

O seguro de vida para doenças graves é uma alternativa importante para complementar o plano de saúde.

Seguro de vida vitalício é a melhor opção de planejamento sucessório

Bolsa Família: beneficiário do programa receberá por poupança digital

Beneficiário poderá ter conta bancária sem obrigatoriedade de saque integral das parcelas.

Bolsa Família: beneficiário do programa receberá por poupança digital

No segundo turno, vote no “menos pior”, mas vote!

É importante que o eleitor compareça e vote.

No segundo turno, vote no “menos pior”, mas vote!

Taxa de desemprego passa de 13,3% para 14,6% no terceiro trimestre

Total de pessoas com carteira assinada caiu 2,6%.

Taxa de desemprego passa de 13,3% para 14,6% no terceiro trimestre

Em 2018, 12,1% dos brasileiros viviam abaixo da linha de pobreza

Informação é da Pesquisa de Orçamentos Familiares, do IBGE.

Em 2018, 12,1% dos brasileiros viviam abaixo da linha de pobreza

AGU recupera mais de R$ 1 bilhão em 2020

Quantia foi arrecadada pela Procuradoria-Geral da União por meio de cobranças judiciais e acordos.

AGU recupera mais de R$ 1 bilhão em 2020

Campanha de vacinação contra a febre aftosa tem baixa adesão em Minas

Campanha de vacinação contra a febre aftosa termina no dia 30 de novembro no estado.

Campanha de vacinação contra a febre aftosa tem baixa adesão em Minas

Nova plataforma permite o registro gratuito de tratores e máquinas agrícolas

Pelo ID Agro, será possível gerar um documento oficial que permite a uniformização das informações e o rastreio dos tratores e aparelhos automotores.

Nova plataforma permite o registro gratuito de tratores e máquinas agrícolas

Plágio e Fake News: você verifica a origem do que lê?

Tanto o plágio quanto as fake news são problemas sociais antigos.

Plágio e Fake News: você verifica a origem do que lê?

A nova geografia eleitoral no Brasil e nos EUA

O calendário político brasileiro e norte-americano encerra o mês com uma nova geografia eleitoral.

A nova geografia eleitoral no Brasil e nos EUA