Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Dicas para ajudar na escolha do presente das crianças

Dicas para ajudar na escolha do presente das crianças

15/12/2006 Da Redação

Até um ano: Essa fase requer brinquedos para aprender noções de tamanho, forma, som, textura e como funcionam as coisas. A partir do terceiro mês, os chocalhos, brinquedos musicais e mordedores são os mais apropriados. Com seis meses, os brinquedos flutuantes entram no seu campo de interesse e o banho fica mais divertido com patinhos de borracha que bóiam na água. Quando um bebê já consegue sentar, também está pronto para brincar com cubos que tenham guizos embutidos ou ilustrações, com copos ou caixas que se encaixam uns dentro dos outros e com brinquedos ou argolas empilháveis. A partir do oitavo mês, brinquedos para martelar, empilhar e desmontar podem distrair a criança durante certo tempo.

1 a 2 anos: Brinquedos vistosos e leves, de várias texturas, estimulam os sentidos da visão, da audição e do tato. Um móbile no berço diverte até que se possa pegar objetos. Esse é o momento de dar bonecas de tecido e bichos de pelúcia feitos de materiais atóxicos, que são gostosos de tocar e abraçar, mas não servem para chupar ou morder. As costuras devem ser resistentes e os olhos e narizes devem estar firmemente costurados. Nesta idade, os bebês começam a apreciar livros com ilustrações de objetos familiares. Quando a criança começa a engatinhar ou a caminhar, os brinquedos mais estimulantes e divertidos são os de empurrar ou puxar como um pequeno vagão ou um carrinho de boneca, bem como brinquedos de montar e desmontar. Prefira brinquedos que tenham peças grandes que não possam ser engolidas, sejam leves para manusear, não tenham pontas ou bordas afiadas, sejam de cores vivas e não sejam tóxicos.

2 a 3 anos: É a vez das bolas. Para ajudar a garotada a se comunicar melhor e ampliar seu vocabulário, CDs com música que estimulam o canto e a dança também são ótimas opções. Para continuar incentivando os pequenos a desenvolver sua habilidade motora, use muitos blocos e ajude-o a empilhá-los, encher os carrinhos com os blocos, equilibrar um em cima do outro. Nessa fase, a criança já deve começar a participar da arrumação das suas coisas. Depois da bagunça, peça ajuda para organizar e recolher o brinquedo, como uma continuação da brincadeira, e não como uma obrigação, uma coisa chata.

3 a 4 anos: Com três aninhos a criança se diverte muito em cima de um triciclo ou com um grande carrinho de puxar. Isso é bom para desenvolver várias habilidades como o senso de direção, de espaço, controle e força. Brinquedos ao ar livre também são uma boa idéia, como bolas, infláveis, espelhos d'água ou caixas de areia com pás e cubos. Nessa etapa, é importante estimular algumas habilidades psicomotoras, incluindo a coordenação entre o olho e a mão e o desenvolvimento da habilidade dos dedos e das mãos, através de brinquedos de montar e desmontar mais complicados, blocos de tamanhos e formas diferentes, assim como jogos e quebra-cabeças simples. Livros cheios de ilustrações e histórias divertidas vão ajudar a criança a descobrir o nome das coisas e saciar suas curiosidades. 

4 a 6 anos: É a fase do mundo imaginário, quando sua criatividade está a todo vapor. Portanto, qualquer brinquedo ou equipamento que ajude o pequeno a entrar nesse mundo de fantasia é bem-vindo. As crianças nessa faixa etária se interessam muito por coisas que imitam o mundo dos adultos como dinheiro de brinquedo, caixa registradora, telefone, cidadezinhas, circos, fazendas, postos de gasolina e casas de boneca com móveis. Os meios de transporte também viram atração: caminhões, automóveis, aviões, trens, barcos e tratores. É com essa idade que começam a aparecer os medos infantis. Por isso, é interessante que a criança tenha uma boneca ou um ursinho de pelúcia, que ajude a dar segurança e a superar momentos difíceis.

Acima de 6 anos: Nessa etapa, as possibilidades de brinquedos são infinitas: jogos de tabuleiro, bolinhas de gude, pipas, carros de corrida, trens elétricos, argila para modelar, pincel, brinquedos de mágica, artigos esportivos e bicicletas maiores com rodinha de apoio, patins, skate e tudo que possibilite se movimentar com confiança. Como a criança manifesta grande interesse pelas atividades escolares, é bom fazer da brincadeira uma continuação da escola, com jogos que exigem o uso da imaginação ou o cálculo mental, tais como os eletrônicos, jogos de tabuleiro, jogos de palavras e de memória criados especialmente para essa faixa etária. É por volta dos seis anos que eles descobrem também os videogames. Escolhendo os jogos certos e impondo limites, essa pode ser uma ótima forma de aprender. Muitos jogos oferecem níveis progressivos de dificuldade bem como oportunidades para desenvolver a habilidade e a coordenação e uma compreensão do significado da estratégia no relacionamento humano, em geral através da competição.

Os pais podem identificar problemas de visão nos filhos observando se a criança não liga pontos sequencialmente de modo claro e rápido; se fica com a cabeça muito próxima ao livro de histórias; se só consegue ler se usar o dedo para acompanhar; quando lê, tende a tombar a cabeça para um lado; não troca sempre de lápis de cor; tropeça com freqüência; demora a chutar uma bola; não gosta de brincar de encaixar peças.

Uma em cada 4 crianças tem um problema de visão que pode interferir com seu aprendizado escolar. As tabelas com a letra "E" usadas pelas professoras em salas de aula detectam apenas 20% a 30% dos problemas visuais das crianças.

Fontes: Hospital de Olhos Dr. Ricardo Guimarães e Abrinq



Rede Cidades Criativas de Minas Gerais é lançada em Belo Horizonte

O evento, que acontece no CCBB-BH, terá Vesperata de Diamantina, experiência gastronômica e sessão de cinema.

Rede Cidades Criativas de Minas Gerais é lançada em Belo Horizonte

Inflação registra maior alta para um mês de novembro desde 2015

​A alta de 8,09% no preço das carnes foi o item que mais influenciou a inflação oficial de novembro.

Inflação registra maior alta para um mês de novembro desde 2015

Diferença de acesso à cultura está relacionada à cor e região

Norte e Nordeste têm menos equipamentos culturais.

Diferença de acesso à cultura está relacionada à cor e região

Helena lidera ranking dos nomes mais escolhidos de 2019

Entre os nomes masculinos, Miguel segue no topo do ranking desde 2011.

Helena lidera ranking dos nomes mais escolhidos de 2019

Número de feriados em dias úteis cresce em 2020

Para grande parte da população, os feriados são uma das poucas opções de descanso e período para viagens.

Número de feriados em dias úteis cresce em 2020

Messi conquista Bola de Ouro pela sexta vez

Jogador argentino se isola como maior vencedor da história da premiação da revista France Football.

Messi conquista Bola de Ouro pela sexta vez

Pequenos negócios ganham mais espaço na pauta do Poder Legislativo mineiro

Forum vai debater os desafios e as oportunidades para estimular a economia dos municípios.


Brasil tem 12,4 milhões de pessoas desempregadas, diz IBGE

Número de brasileiros com carteira de trabalho assinada no setor privado, chega a 33,2 milhões de pessoas.

Brasil tem 12,4 milhões de pessoas desempregadas, diz IBGE

Eleitores com mais de 70 anos precisam fazer a biometria

De acordo com o TSE, os títulos podem ser cancelados.

Eleitores com mais de 70 anos precisam fazer a biometria

Médicos pelo Brasil é aprovado pelo Congresso Nacional

O programa vai ofertar 18 mil vagas em regiões onde há maior carência de médicos no país para ampliar o acesso do cidadão a cuidados básicos em saúde. Texto segue para sanção presidencial.


Cresce percentual de brasileiros que vão usar 13º salário para comprar presentes

32% dos trabalhadores vão gastar com presentes do que com pagamento de dívidas, aponta pesquisa.

Cresce percentual de brasileiros que vão usar 13º salário para comprar presentes

Ganhador do Prêmio Jovem Empreendedor na Austrália é brasileiro

Ribeirão-Pretano conquista Prêmio Jovem Empreendedor 2019 em Sydney, após 10 anos de sua chegada ao país.

Ganhador do Prêmio Jovem Empreendedor na Austrália é brasileiro