Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Empregado intermitente poderá ter de pagar para trabalhar

Empregado intermitente poderá ter de pagar para trabalhar

30/11/2017 Divulgação

Nova Reforma Trabalhista abre espaço para situação inédita no Brasil.

Empregado intermitente poderá ter de pagar para trabalhar

A Receita Federal divulgou nesta segunda-feira (27) as regras para o recolhimento da contribuição previdenciária dos trabalhadores intermitentes cujo rendimento mensal ficar abaixo do salário mínimo. Em algumas situações, trabalhador poderá ter de tirar do próprio bolso dinheiro para pagar contribuição. Esta é uma situação inédita no país que pode ocorrer com aplicação das normas previstas na reforma trabalhista.

Como no contrato intermitente o empregado atua apenas quando é convocado, o salário varia conforme o número de horas ou dias trabalhados. Pela lei, deve-se receber, pelo menos, valor proporcional ao mínimo pela hora, R$ 4,26 , ou pelo dia trabalhado, R$ 31,23. Como o valor do contracheque é base de cálculo para os encargos sociais, os trabalhadores com salário inferior ao mínimo terão recolhimento abaixo do aceito pelo INSS para a contabilidade da aposentadoria.

Diante dessa situação inédita, a legislação prevê que trabalhadores “poderão recolher a diferença” entre a contribuição calculada sobre o contracheque e o mínimo exigido pelo INSS. Quem não recolher esse valor adicional por conta própria não terá acesso à aposentadoria nem a benefícios como a licença médica.

Nesta segunda-feira, a Receita explicou que esse recolhimento extra deverá ser feito pelo próprio trabalhador com base na alíquota de 8% sobre a diferença entre o que recebe e o salário mínimo até o dia 20 do mês seguinte ao salário. A Receita confirmou a situação que tem gerado reações no mundo sindical e político porque, no limite, é possível que o empregado tenha de tirar dinheiro do próprio bolso para trabalhar.

Como exemplo de situação extrema, pode ser citada uma das vagas anunciadas recentemente: operador de caixa intermitente de uma rede de supermercados em Fortaleza, no Ceará.Para quatro horas por dia, seis vezes por mês, a empresa oferece salário de R$ 4,81 por hora. Com essa carga horária, o salário mensal chegaria a R$ 115,44. Com este valor no contracheque, a contribuição à Previdência paga diretamente pela empresa à Receita seria de R$ 23,09. A contribuição mínima exigida pelo INSS, porém, é de R$ 187,40. Para se adequar à regra da Receita, portanto, o empregado precisaria desembolsar R$ 164,31. Ou seja, mais que o próprio salário, de R$ 115,44. Nesse caso, o trabalhador terminaria o mês devendo R$ 65,03.

Essa possibilidade aberta pela reforma trabalhista gera reações em vários setores. Entre as quase mil emendas ao ajuste da reforma, que ainda será votado pelo Congresso Nacional, algumas tentam mudar radicalmente o funcionamento da Previdência dos intermitentes. O senador José Serra (PSDB-SP), por exemplo, propõe que empregados que receberem menos que mínimo “terão recolhidas pelo empregador a diferença entre a remuneração recebida e o valor do salário mínimo” para o INSS.

Na documentação entregue ao Congresso, o senador explica que a regra prejudicará exatamente trabalhadores de baixa renda. “É demasiado duro para um trabalhador pobre, que recebe abaixo do salário mínimo, contribuir para a Previdência de maneira desproporcional, com alíquotas efetivas maiores que a de trabalhadores mais ricos”, diz Serra. “Avaliamos que o trabalho intermitente não pode ser uma mera formalização do bico, da precarização, com papel passado. Temos de fornecer proteção efetiva para esses trabalhadores”, completa.

Fonte: New Trade 



Desemprego cai para 13,2% no trimestre encerrado em agosto

População desocupada no país chega a 13,7 milhões de pessoas, segundo IBGE.

Desemprego cai para 13,2% no trimestre encerrado em agosto

Cartórios de Minas Gerais passam a receber denúncias contra violência doméstica

Campanha nacional Sinal Vermelho conta com os mais de 3 mil Cartórios mineiros para prestar auxílio discreto e sigiloso às mulheres em situação de vulnerabilidade.

Cartórios de Minas Gerais passam a receber denúncias contra violência doméstica

Cresce número de brasileiros que buscam passaporte europeu

Entre 2002 e 2017 mais de 170 mil brasileiros obtiveram cidadania europeia. Passaporte italiano é um dos mais procurados.

Cresce número de brasileiros que buscam passaporte europeu

População residente em área indígena e quilombola supera 2,2 milhões

A informação é resultado de estudo divulgado pelo IBGE.

População residente em área indígena e quilombola supera 2,2 milhões

Brasil registrou mais de 76 mil divórcios em 2020

Mediação familiar possibilita diálogo entre os protagonistas do conflito em vez de entrar na justiça.

Brasil registrou mais de 76 mil divórcios em 2020

Banco Mundial lança plataforma Brasil Aberto

Ferramenta informará sobre ações da instituição no país de 2018 a 2023.


Operações do Pix depois das 20h terão limite de R$ 1 mil

Objetivo é coibir os casos de fraudes, sequestros e roubos noturnos.

Operações do Pix depois das 20h terão limite de R$ 1 mil

Brasil ocupa sétima posição em ranking de governo digital

Índice do Banco Mundial avaliou 198 economias.

Brasil ocupa sétima posição em ranking de governo digital

Desemprego cai para 13,7%, revela pesquisa do Ipea

Alta do emprego atingiu todos os segmentos da população.

Desemprego cai para 13,7%, revela pesquisa do Ipea

Brasil tem 3.280 municípios sem nenhum veículo de comunicação local

Projeto da FENAJ de financiamento público do jornalismo pode combater deserto de notícias que atinge 33,7 milhões de brasileiros.

Brasil tem 3.280 municípios sem nenhum veículo de comunicação local

IBGE e ANA lançam dados para orientar análises de recursos hídricos

As publicações apresentam os recortes hidrográficos espaciais do país.

IBGE e ANA lançam dados para orientar análises de recursos hídricos

Consumidor satisfeito é utopia?

Ter clientes satisfeitos sempre foi um dos objetivos de qualquer organização.

Consumidor satisfeito é utopia?