Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Entidades de imprensa condenam censura do STF a reportagem

Entidades de imprensa condenam censura do STF a reportagem

16/04/2019 Deutsche Welle

Organizações defensoras da liberdade de imprensa criticam decisão judicial de retirar do ar texto que liga Dias Toffoli, presidente do STF, a Marcelo Odebrecht.

Entidades de imprensa condenam censura do STF a reportagem

Tribunal aplica multa de R$ 100 mil a revista.

Associações que representam a imprensa criticaram a decisão do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandre de Moraes de retirar do ar uma reportagem que ligava o presidente da corte, José Antonio Dias Toffoli, ao empreiteiro e delator Marcelo Odebrecht.

Em nota conjunta, a Associação Nacional dos Jornais (ANJ) e a Associação Nacional de Editores de Revistas (Aner) protestaram contra a decisão do ministro do STF de proibir a publicação da reportagem "O amigo do amigo do meu pai" na revista digital Crusoé e no site O Antagonista.

"A decisão configura claramente censura, vedada pela Constituição, cujos princípios cabem ser resguardados exatamente pelo STF", afirmaram as entidades no comunicado.

A Associação Brasileira de Imprensa (ABI) afirmou que espera que o STJ reveja essa decisão "teratológica" e restabeleça, de forma urgente, o direito à informação e à liberdade de imprensa "como determina a lei".

"Como guardião da Constituição, não pode o Supremo advogar em causa própria, criando casuísmos jurídicos que violam princípios e direito que deveriam ser por ele protegidos", disse a ABI.

Em nota, a Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo (Abraji) afirmou que "causa alarme o fato de o STF adotar essa medida restritiva à liberdade de imprensa justamente em um caso que se refere ao presidente do tribunal".

"É grave acusar quem faz jornalismo com base em fontes oficiais e documentos de difundir fake news, independentemente de o conteúdo estar correto ou não", escreveu a Abraji. "O precedente que se abre com essa medida é uma ameaça grave à liberdade de expressão, princípio constitucional que o STF afirma defender."

A revista digital Crusoé repudiou a decisão e denunciou o caso como censura. O site O Antagonista comunicou que a reportagem tem como base um documento que consta dos autos da Operação Lava Jato. O Jornal Nacional, da Rede Globo, informou ter tido acesso ao documento e que ele consta do processo de delação de Odebrecht. A Folha também teve acesso ao documento, assinado por um advogado da Odebrecht.

De acordo com a reportagem publicada na semana passada pela Crusoé e O Antagonista, a defesa do ex-presidente da Odebrecht juntou em um dos processos contra ele na Justiça Federal um documento no qual afirma que o indivíduo mencionado num e-mail como "amigo do amigo do meu pai" era Dias Toffoli, que, na época, era advogado-geral da União. A explicação de Odebrecht se refere a um e-mail de julho de 2007.

Conforme a reportagem, Odebrecht tratava no e-mail com o advogado da empresa e com outro executivo sobre se tinham feito um acordo com o "amigo do amigo do meu pai". Não há menção de pagamentos. Ao ser questionado pela força-tarefa da Lava Jato, o empreiteiro respondeu que o e-mail "refere-se a tratativas que Adriano Maia [o advogado] tinha com a AGU sobre temas envolvendo as hidrelétricas do rio Madeira" e que "'amigo do amigo de meu pai' se refere a José Antonio Dias Toffoli".

Os autores da reportagem afirmaram que o conteúdo foi enviado à Procuradoria-Geral da República (PGR), que, em nota oficial, negou ter recebido qualquer material.

"Ao contrário do que afirma o site O Antagonista, a PGR não recebeu nem da força tarefa da Lava Jato e nem do delegado que preside o inquérito 1365/2015 qualquer informação que teria sido entregue pelo colaborador Marcelo Odebrecht em que ele afirma que a descrição 'amigo do amigo de meu pai' refere-se ao presidente do STF, Dias Toffoli".

"Obviamente, o esclarecimento feito pela Procuradoria-Geral da República torna falsas as afirmações veiculadas na matéria 'O amigos do amigo de meu pai', em típico exemplo de fake news – o que exige a intervenção do Poder Judiciário", afirmou Moraes.

Além de decretar a obrigatoriedade de retirar a reportagem do ar, Moraes impôs uma multa de 100 mil reais por dia caso houvesse descumprimento. Na segunda-feira, o STF aplicou uma multa de 100 mil reais à revista digital Crusoé, por considerar que esta não cumpriu a ordem. A revista classificou a multa como "absurda" e alegou que retirou o texto do ar no menor tempo possível. 

Organizações que não são diretamente ligadas à imprensa também protestaram contra a decisão de Moraes, entre elas a Transparência Internacional e a Associação Nacional de Procuradores da República (Anpr).

"Como ficam o cidadão e a liberdade de imprensa se o próprio juiz, ademais da Suprema Corte, ao que tudo indica com provocação de outro juiz, e mais nada, decide os rumos de uma investigação e dá ordens de retiradas de conteúdo e de oitiva de jornalistas?, questionou José Robalinho Cavalcanti, presidente da Anpr.

O caso repercutiu também entre os partidos políticos. O senador Alessandro Vieira (Cidadania-SE), autor do requerimento para instaurar a CPI da Lava Toga, que tem o objetivo de investigar o Poder Judiciário, também lamentou a decisão de Moraes.

"É profundamente lamentável que justamente aqueles que deveriam ser os guardiões máximos da Constituição Federal usem do abuso de poder para inibir investigações e manter o status de impunidade", disse Vieira.

A deputada estadual Janaina Paschoal (PSL-SP), que também é advogada e coautora da petição que iniciou o processo de impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff, afirmou que a legislação prevê outras medidas. "A reportagem poderia ser contestada e criticada, até duramente, mas tirar a matéria do ar, sob pena de multa diária de 100 mil reais? O que está acontecendo com o nosso país?"

Desdobramentos

A decisão de Moraes foi tomada no âmbito de um controverso inquérito aberto pelo próprio STF em março para investigar supostas ofensas e ameaças contra membros da Corte. Moraes ainda ampliou o escopo da investigação, ordenando o cumprimento de oito mandados de busca e apreensão contra usuários de redes sociais que haviam publicado conteúdos com críticas ao STF.

Agora, a iniciativa do STF ameaça se tornar uma briga com a Procuradoria-Geral da República, que já havia sugerido em março que o Tribunal estava extrapolando suas atribuições. Após a censura aos sites e as buscas e apreensões, Dodge resolveu enfrentar o STF, enviando um ofício ao tribunal. No documento, ela afirmou que ter arquivado o inquérito aberto pelo próprio Tribunal.

Apesar de a PGR não ter participado da investigação, Dodge argumentou que o Ministério Público é o único órgão com legitimidade para conduzir as acusações. Dessa forma, ela teria poder para arquivar ou prosseguir com o caso.

“O sistema penal acusatório é uma conquista antiga das principais nações civilizadas, foi adotado no Brasil há apenas trinta anos, em outros países de nossa região há menos tempo e muitos países almejam esta melhoria jurídica. Desta conquista histórica não podemos abrir mão, porque ela fortalece a justiça penal”, disse Dodge.

Em resposta, Moraes afirmou que a manifestação de Dodge não tem respaldo legal e manteve a investigação.

“O pleito da Procuradora Geral da República não encontra qualquer respaldo legal (...) e, se baseando em premissas absolutamente equivocadas, pretender, inconstitucional e ilegalmente, interpretar o regimento da corte e anular decisões judiciais do Supremo Tribunal Federal”, escreveu o ministro na decisão.

Moraes ainda informou que o inquérito foi prorrogado por mais 90 dias pela presidência do Tribunal.

Fonte: Deutsche Welle



Correios lançam selos em homenagem a ações de combate à pandemia

A tiragem será de 60 mil blocos, com valor de R$ 12,30.

Correios lançam selos em homenagem a ações de combate à pandemia

Estudo indica que futebol terá menos torcida e mais custo pós covid-19

Clubes precisarão desenvolver locais maiores com o mesmo número de assentos ou reduzir a capacidade dos estádios.

Estudo indica que futebol terá menos torcida e mais custo pós covid-19

Pesquisa mostra potencial para a expansão do home office

Trabalhadores ouvidos reportaram altos níveis de satisfação.

Pesquisa mostra potencial para a expansão do home office

Por que não se deve mentir no CV

"O que parece ser uma boa estratégia para ganhar vantagem entre os concorrentes, na verdade é o pior erro que se pode cometer na busca por emprego", explica especialista.

Por que não se deve mentir no CV

Minas Gerais atrai empresas globais do segmento de bebidas

Companhias internacionais possuem centros de distribuição em implantação ou operação no estado

Minas Gerais atrai empresas globais do segmento de bebidas

Pouco mais de 1 milhão de declarações do IR caíram na malha fina

Omissão de rendimentos e deduções são principais problemas.

Pouco mais de 1 milhão de declarações do IR caíram na malha fina

Marcas mais valiosas do mundo totalizam US$5 trilhões em 2020

Amazon mantém 1º lugar e é responsável por um terço do crescimento total das Top 100. O TikTok entra no ranking pela primeira vez em 79º lugar.

Marcas mais valiosas do mundo totalizam US$5 trilhões em 2020

Brasil registra retração de 331,9 mil postos de trabalho em maio

Todas as regiões extinguiram empregos com carteira assinada.

Brasil registra retração de 331,9 mil postos de trabalho em maio

Petrobras ultrapassa os R$ 4,5 bilhões em recursos recuperados

Companhia recebe mais de R$ 265 milhões referente à segunda parcela do acordo de leniência celebrado pela Technip


9,7 milhões de trabalhadores ficaram sem remuneração em maio, diz IBGE

Nordeste tem a maior proporção de pessoas afastadas entre as cinco regiões do país.

9,7 milhões de trabalhadores ficaram sem remuneração em maio, diz IBGE

Adiar as eleições sem prorrogar mandatos

O importante é que no dia 1º de janeiro os eleitos tomem posse.

Adiar as eleições sem prorrogar mandatos

Nova lei permite doação de refeições não vendidas

A doação deverá ser gratuita e não configurará relação de consumo.

Nova lei permite doação de refeições não vendidas