Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Inadimplentes levam mais de um ano para limpar o nome

Inadimplentes levam mais de um ano para limpar o nome

25/03/2019 Divulgação

Estudo aponta que o principal vilão dos endividados é o cartão de crédito

Inadimplentes levam mais de um ano para limpar o nome

Apesar de encerrada a crise econômica, o brasileiro ainda sente seus efeitos e enfrenta dificuldades em limpar o nome. É o que revela pesquisa realizada pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) e pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) em todas as capitais com consumidores que estiveram inadimplentes nos últimos 12 meses e já saíram dos cadastros de devedores.

Os dados mostram que, em média, foram necessários 14 meses para o pagamento das dívidas responsáveis pela negativação de seus CPFs.

Na hora de quitar as contas responsáveis pela negativação, os maiores obstáculos encontrados foram obter um bom desconto no valor total da dívida (27%) e negociar prazos e formas de pagamentos (24%), enquanto 19% disseram não ter conseguido renda extra para quitar os compromissos em atraso.

Entre os motivos que impossibilitaram o pagamento dessas contas estão a redução da renda (42%), a perda de controle dos gastos (38%) e o surgimento de imprevistos (36%).

Ao investigar as dívidas que levaram o brasileiro a ficar com nome sujo, o estudo aponta como principal vilão o cartão de crédito (33%). Em seguida aparece o crediário (17% — percentual que sobe para 25% nas classes C, D e E), os gastos com telefone fixo ou celular (16% — com maior participação nas classes A e B, com 21%), além dos empréstimos contraídos (12%).



Correios lançam selos em homenagem a ações de combate à pandemia

A tiragem será de 60 mil blocos, com valor de R$ 12,30.

Correios lançam selos em homenagem a ações de combate à pandemia

Estudo indica que futebol terá menos torcida e mais custo pós covid-19

Clubes precisarão desenvolver locais maiores com o mesmo número de assentos ou reduzir a capacidade dos estádios.

Estudo indica que futebol terá menos torcida e mais custo pós covid-19

Pesquisa mostra potencial para a expansão do home office

Trabalhadores ouvidos reportaram altos níveis de satisfação.

Pesquisa mostra potencial para a expansão do home office

Por que não se deve mentir no CV

"O que parece ser uma boa estratégia para ganhar vantagem entre os concorrentes, na verdade é o pior erro que se pode cometer na busca por emprego", explica especialista.

Por que não se deve mentir no CV

Minas Gerais atrai empresas globais do segmento de bebidas

Companhias internacionais possuem centros de distribuição em implantação ou operação no estado

Minas Gerais atrai empresas globais do segmento de bebidas

Pouco mais de 1 milhão de declarações do IR caíram na malha fina

Omissão de rendimentos e deduções são principais problemas.

Pouco mais de 1 milhão de declarações do IR caíram na malha fina

Marcas mais valiosas do mundo totalizam US$5 trilhões em 2020

Amazon mantém 1º lugar e é responsável por um terço do crescimento total das Top 100. O TikTok entra no ranking pela primeira vez em 79º lugar.

Marcas mais valiosas do mundo totalizam US$5 trilhões em 2020

Brasil registra retração de 331,9 mil postos de trabalho em maio

Todas as regiões extinguiram empregos com carteira assinada.

Brasil registra retração de 331,9 mil postos de trabalho em maio

Petrobras ultrapassa os R$ 4,5 bilhões em recursos recuperados

Companhia recebe mais de R$ 265 milhões referente à segunda parcela do acordo de leniência celebrado pela Technip


9,7 milhões de trabalhadores ficaram sem remuneração em maio, diz IBGE

Nordeste tem a maior proporção de pessoas afastadas entre as cinco regiões do país.

9,7 milhões de trabalhadores ficaram sem remuneração em maio, diz IBGE

Adiar as eleições sem prorrogar mandatos

O importante é que no dia 1º de janeiro os eleitos tomem posse.

Adiar as eleições sem prorrogar mandatos

Nova lei permite doação de refeições não vendidas

A doação deverá ser gratuita e não configurará relação de consumo.

Nova lei permite doação de refeições não vendidas