Portal O Debate
Grupo WhatsApp


O futuro dos shopping centers: uma visão otimista

O futuro dos shopping centers: uma visão otimista

23/07/2020 Ladislau Karpat

O primeiro Shopping Center no Brasil, o Iguatemi*, foi inaugurado na cidade de São Paulo, em 1967.

O futuro dos shopping centers: uma visão otimista

Meio século se passou desde então. Nestes últimos 50 anos, o mundo passou por uma profunda transformação, enfrentando várias crises econômicas.

Este magnífico setor vinha crescendo, tornando-se presença obrigatória nas grandes e médias cidades, atraindo cada vez mais investidores.

Fazendo um pequeno retrospecto a respeito da evolução destes empreendimentos, a preocupação com a proliferação, passou a ser a proximidade deles, muito próximos uns dos outros, o que impactaria a concorrência.

Algum tempo se passou, até surgir uma nova ideia que prometia revolucionar esta nova questão. Introduziu-se nas relações contratuais entre empreendedores  e lojistas a denominada CLÁUSULA DE RAIO. Este dispositivo proibia o lojista, presente em um empreendimento, estabelecer-se com a mesma bandeira nas proximidades. Em geral, numa distância de 1.500,00 metros. A cláusula causou acaloradas discussões jurídicas sobre a sua legalidade, indo desaguar no CADE.

Uma outra questão fustigava os operadores do Direito. Os aspectos legais das ampliações desses empreendimentos, porque eles alteravam o “MIX ORIGINAL”.

Quanto ao aspecto financeiro, durante décadas, o afluxo de capital convergia maciçamente ao setor, atraindo investidores sob várias formas  de retorno do capital, ou de remuneração.

Dentre os mais comuns, podemos destacar: Abertura de Capital, em bolsa de valores, Aquisição de empreendimentos inteiros, por fundos de pensão, Aquisição por fundos imobiliários,  ou apenas  simples aquisições de quotas de participação.

Apenas para que se tenha uma ideia da força deste setor,  os investidores americanos têm  cerca de US$ 11 (onze) trilhões alocados em fundos imobiliários**. Parte significativa destes valores, direcionados aos Shopping Centers.

Este valor total ultrapassa o “PIB” de muitos países.

Sobreveio a PANDEMIA do novo corona vírus, que atacou e abalou a economia global. O mundo inteiro ficou  atônito à busca de soluções. Não é diferente com este segmento da economia.

Não é a primeira vez que a economia mundial colapsa, nos tempos modernos. Tivemos a Primeira Guerra Mundial, logo na sequência cronológica, a gripe espanhola, a grande depressão de 1929, Segunda Guerra Mundial, a crise de 2008, e ainda outros eventos de menor envergadura que abalaram a economia.

Agora, mais um evento se impõe, cutucando gravemente os alicerces dela.

O momento, contudo, é de transformação.

Decorrido mais de meio século desde o surgimento destes empreendimentos, este lapso temporal, por si só, aconselharia mudanças no “MIX”.

Estão aí os prestadores de serviços, pequenos e grandes, à busca de novas práticas comerciais. Já se pode notar a ainda tímida adesão destes aos shoppings.

Veja-se o que está ocorrendo com muitas academias de ginástica, salões de beleza, agências bancárias, farmácias e, até mesmo, clínicas médicas. Note-se o exemplo o CEMA – CENTRO DE MEDICINA AVANÇADA – no  Shopping Pátio Paulista,  e do Dr. Consulta, no Shopping Metrô Tatuapé, da Clínica Einstein, no Shopping Parque da Cidade e diversos outros aqui não citados.

Assim, enquanto os lojistas no interior destes empreendimentos já vinham enfrentando dificuldades com a concorrência de uma nova modalidade de vendas,  o E.COMMERCE e os altos custos, os prestadores de serviços conquistam cada vez mais seu lugar nos shoppings.

Os lojistas lentamente vão compartilhando o espaço com este segmento, que se impõe ante a nova realidade, e prática comercial.

É a vitória do Capital, que por vez ou outra adoece, mas nunca falece.

* Ladislau Karpat é advogado, consultor jurídico e autor do Manual Jurídico de Shopping Centers.

Fonte: Comuniquese



Estação das flores chega no Hemisfério Sul

Há probabilidade acima de 70% de que as condições do La Niña se iniciem durante a primavera de 2020.

Estação das flores chega no Hemisfério Sul

A espera da famosa reforma tributária

Não existe sistema tributário no mundo que seja perfeito, mas o nosso está muito longe de ser, no mínimo, bom.

A espera da famosa reforma tributária

Confiança do empresário do comércio tem alta recorde em setembro

Expansão é de 14,4% na comparação com agosto.

Confiança do empresário do comércio tem alta recorde em setembro

Incêndio em ambientes hospitalares: o que pode ser feito para minimizar riscos

Motivos ligados à rede elétrica é uma das causas mais comuns nas ocorrências.

Incêndio em ambientes hospitalares: o que pode ser feito para minimizar riscos

PIB tem queda de 4% no trimestre encerrado em julho, aponta FGV

Na comparação com junho, PIB cresceu 2,4% no mês.


Cartilha destaca os 30 anos do Código de Defesa do Consumidor

Material lançado pela Polícia Civil de Minas Gerais divulga os principais direitos na relação de consumo.


Exportações do agronegócio somam quase US$ 9 bilhões no mês de agosto

As vendas foram puxadas pela soja em grão e o açúcar de cana.

Exportações do agronegócio somam quase US$ 9 bilhões no mês de agosto

Valores de imóveis sobem e superam a inflação

A crise atual provocada pela pandemia do novo coronavírus tem afetado diversos setores da sociedade.

Valores de imóveis sobem e superam a inflação

Pandemia, economia brasileira e o Auxílio Emergencial

O Auxílio Emergencial, comumente conhecido como “coronavoucher”, teve seus valores atualizados.

Pandemia, economia brasileira e o Auxílio Emergencial

Queixas por compras online aumentam durante a pandemia, diz Procon

Número é quatro vezes maior do que em todo o ano passado.

Queixas por compras online aumentam durante a pandemia, diz Procon

Agronegócio mineiro mantém boa performance de exportação de alimentos

Embarque de produtos gerou cerca de US$ 5,7 bilhões de janeiro a agosto. China é o principal importador.

Agronegócio mineiro mantém boa performance de exportação de alimentos

Brasil está entre as 30 nações com a cerveja mais barata

Brasil cobra por volta de R$5,45 o ml da bebida.

Brasil está entre as 30 nações com a cerveja mais barata