Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Perfil dos candidatos nas eleições mudou: agora são homens negros, casados e com ensino médio

Perfil dos candidatos nas eleições mudou: agora são homens negros, casados e com ensino médio

28/10/2020 Doacir Gonçalves de Quadros

Professor explica o que gerou esta mudança e como ela pode contribuir para mudar o perfil dos eleitos.

Perfil dos candidatos nas eleições mudou: agora são homens negros, casados e com ensino médio

O perfil dos candidatos às Eleições Municipais 2020 mudou. Segundo dados do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), o novo perfil médio consiste em: homem, negro, casado com 46 anos e ensino médio completo. Esta é a primeira vez desde 2014, quando a instituição começou a coletar dados de raça, em que o candidato médio é negro. Nas eleições anteriores, a cor de pele mais comum era a branca.

São mais de 548 mil candidatos registrados para participar das eleições deste ano. Deste total, 49,9% são de pessoas que se declararam pardas ou pretas. Os brancos representam 47,8%, indígenas são 0,4% e outros 0,4% se consideram amarelos. Não há informação de raça de 1,6% dos registros.

“Os dados nos passam um indicativo de mudança no perfil dos aspirantes à elite política representativa no Brasil. Todavia, quando analisamos é possível observar que a mudança é mais atenuada de acordo com o cargo em disputa. Para cargo de prefeito, a grande maioria dos candidatos, 63% são brancos e 35% negros, para vice-prefeitos 59% são brancos e 38% negros. Para vereadores, 46% se autoproclamam brancos contra 50% negros”, comenta Doacir Gonçalves de Quadros, professor do curso de Ciência Política e do mestrado acadêmico em Direito do Centro Universitário Internacional Uninter.   

Para o especialista, a mudança do perfil dos candidatos é o primeiro passo para diminuir a discrepância entre o perfil da população e os eleitos, que ainda é muito grande. “A mulher negra representa 28% do total da população, porém, esse percentual não reflete na representação no Congresso Nacional. Negros não passam de 2% do total de parlamentares”, afirma.

Iniciativas como o "Movimento Mulheres Negras Decidem", que tem como objetivo ampliar o número de candidaturas negras, também estão auxiliando e estimulando mudanças na estrutura partidária. Quadros explica que alguns partidos no Brasil, sobretudo os grandes, não estão abertos para o lançamento de candidaturas negras. “Há uma restrição interna nos partidos.

Frente a sub-representação dos negros na política brasileira e ao assassinato brutal da vereadora Marielle Franco, e que se tornou um símbolo da militância do movimento negro no Brasil, se iniciou a partir de 2018, em específico no Rio de Janeiro, o "Movimento Mulheres Negras Decidem" e tornou-se uma moção nacional. Ele promove encontros para formação política e para definição das pautas de defesa do movimento negro no Brasil. Parece-me que esses dados sobre as candidaturas negras nas eleições 2020 refletem um pouco esse momento”, afirma.     

Mulheres na política

Apesar das mulheres corresponderem a 52% do eleitorado brasileiro, elas têm uma sub-representação no Congresso Nacional.  Somente 10% do total dos representantes na Câmara dos Deputados são mulheres. No Senado, dos 81 senadores, 13 são mulheres (16%). “Quais as explicações para isto?

A falácia que a mulher brasileira ‘não gosta de política’ e a não fiscalização de leis como a 9.504/1997, que determina que 30% das candidaturas devem ser ocupadas pelas mulheres nos partidos. Hoje, ela é facilmente burlada com candidaturas fictícias ou ‘laranjas’”, comenta Quadros.

* Doacir Gonçalves de Quadros, professor do curso de Ciência Política e do mestrado acadêmico em Direito do Centro Universitário Internacional Uninter.   

Fonte: Pg1 Comunicação



CUFA e Favela Holding lançam prêmio “Pretos Empreendedores”

Premiação visa valorizar iniciativas realizadas por negros nos âmbitos da cultura, do empreendedorismo, do esporte e da música.


ONU prevê que 235 milhões precisem de assistência humanitária em 2021

Estimativa está em novo relatório anual do Ocha.

ONU prevê que 235 milhões precisem de assistência humanitária em 2021

Seguro de vida vitalício é a melhor opção de planejamento sucessório

O seguro de vida para doenças graves é uma alternativa importante para complementar o plano de saúde.

Seguro de vida vitalício é a melhor opção de planejamento sucessório

Bolsa Família: beneficiário do programa receberá por poupança digital

Beneficiário poderá ter conta bancária sem obrigatoriedade de saque integral das parcelas.

Bolsa Família: beneficiário do programa receberá por poupança digital

No segundo turno, vote no “menos pior”, mas vote!

É importante que o eleitor compareça e vote.

No segundo turno, vote no “menos pior”, mas vote!

Taxa de desemprego passa de 13,3% para 14,6% no terceiro trimestre

Total de pessoas com carteira assinada caiu 2,6%.

Taxa de desemprego passa de 13,3% para 14,6% no terceiro trimestre

Em 2018, 12,1% dos brasileiros viviam abaixo da linha de pobreza

Informação é da Pesquisa de Orçamentos Familiares, do IBGE.

Em 2018, 12,1% dos brasileiros viviam abaixo da linha de pobreza

AGU recupera mais de R$ 1 bilhão em 2020

Quantia foi arrecadada pela Procuradoria-Geral da União por meio de cobranças judiciais e acordos.

AGU recupera mais de R$ 1 bilhão em 2020

Campanha de vacinação contra a febre aftosa tem baixa adesão em Minas

Campanha de vacinação contra a febre aftosa termina no dia 30 de novembro no estado.

Campanha de vacinação contra a febre aftosa tem baixa adesão em Minas

Nova plataforma permite o registro gratuito de tratores e máquinas agrícolas

Pelo ID Agro, será possível gerar um documento oficial que permite a uniformização das informações e o rastreio dos tratores e aparelhos automotores.

Nova plataforma permite o registro gratuito de tratores e máquinas agrícolas

Plágio e Fake News: você verifica a origem do que lê?

Tanto o plágio quanto as fake news são problemas sociais antigos.

Plágio e Fake News: você verifica a origem do que lê?

A nova geografia eleitoral no Brasil e nos EUA

O calendário político brasileiro e norte-americano encerra o mês com uma nova geografia eleitoral.

A nova geografia eleitoral no Brasil e nos EUA