Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Superminas será nos dias 17 a 19 de outubro em BH

Superminas será nos dias 17 a 19 de outubro em BH

18/08/2017 Divulgação

Superminas é o principal evento do varejo no País no segundo semestre.

Superminas será nos dias 17 a 19 de outubro em BH

Nos dias 17, 18 e 19 de outubro deste ano, as atenções dos setores de supermercados, padarias, atacados e do varejo em geral de todo o País se voltam para o Expominas, em Belo Horizonte.

Um dos maiores centros de eventos do País vai sediar o 31º Congresso e Feira Supermercadista e da Panificação (Superminas Food Show/2017). Maior evento empresarial anual do estado e o mais completo e diversificado do segmento no Brasil, a Superminas atrai também visitantes, compradores e expositores de vários países de todos os continentes.

A Superminas é o principal evento do varejo no País no segundo semestre. A expectativa de dirigentes da Associação Mineira de Supermercados (AMIS) e do Sindicato e Associação Mineira da Indústria de Panificação (Amipão), entidades organizadoras do evento, é que a Superminas 2017 supere todos os números de 2016.

No ano passado, a feira movimentou cerca de R$ 1,7 bilhão em negócios, com a presença de 430 expositores e 53,5 mil participantes representando 650 municípios mineiros. A Superminas é composta ainda de rodada internacional de negócios; espaço internacional e promoção de incentivo às compras.

As projeções de um evento ainda maior estão baseadas nas oportunidades de negócios, de qualificação profissional e de relacionamento oferecidas na Superminas. A previsão de crescimento dos segmentos supermercadista e panificador em Minas vem num movimento que contraria todo o cenário econômico do País. Os supermercados mineiros estão investindo R$ 400 milhões em expansão neste ano. Pelo menos 56 unidades serão abertas, o que fará o setor chegar 7.163 lojas ao final de 2017. O segmento encerrou o ano de 2016 com 7.107 lojas e faturamento de R$ 33,97 bilhões.



Portabilidade de crédito imobiliário cresce 200% em 2019

Número representa 6,4% dos contratos que poderiam ser alterados.

Portabilidade de crédito imobiliário cresce 200% em 2019

Casos de feminicídio crescem 22% em 12 estados durante pandemia

Números da violência contra a mulher caíram em apenas três estados.

Casos de feminicídio crescem 22% em 12 estados durante pandemia

Consumo das famílias tem a queda mais intensa desde 2001

O motivo da queda, segundo o IBGE, foi a pandemia do novo coronavírus.

Consumo das famílias tem a queda mais intensa desde 2001

Por que plano de saúde está tão caro?

Não é de hoje que os planos de saúde estão ficando cada vez mais caros.

Por que plano de saúde está tão caro?

Brasil perde mais de 860 mil empregos formais em abril

De janeiro a abril foram 4.999.981 admissões e 5.763.213 demissões.

Brasil perde mais de 860 mil empregos formais em abril

Correios serão opção para fazer cadastro para auxílio emergencial

Banco é condenado por falha ao compensar cheque

Cliente vai receber R$ 15 mil por danos morais.

Banco é condenado por falha ao compensar cheque

Dólar nas alturas: será que só existe desvantagem?

Do momento em que os casos de covid-19 começaram a aparecer fora da China, a moeda norte-americana acelerou o movimento de alta dos preços.

Dólar nas alturas: será que só existe desvantagem?

Fake news: da mídia à justiça (e vice-versa)

As fake news estão ultrapassando os prejuízos financeiros e de credibilidade nas empresas e invadindo o judiciário com dezenas de processos.

Fake news: da mídia à justiça (e vice-versa)

Por que emitir moeda em tempos de pandemia?

Somente o BC pode emitir moeda e somente o TN pode emitir títulos e pagar as despesas do Governo Federal.

Por que emitir moeda em tempos de pandemia?

Cartórios do interior já podem realizar casamentos virtuais

O projeto-piloto que autoriza a realização de casamentos civis por videoconferência e escritura pública digital foi ampliado.

Cartórios do interior já podem realizar casamentos virtuais

O que está acontecendo com o dólar com a saída do Moro?

A crise causada pelo Coronavírus já vinha elevando o preço do dólar que, nos últimos tempos, estava apresentando patamares históricos.

O que está acontecendo com o dólar com a saída do Moro?