Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Transferência de Neymar enterra o “jogo limpo”

Transferência de Neymar enterra o “jogo limpo”

04/08/2017 Joscha Weber (DW)

Transação de 222 milhões de euros mostra que regra criada pela Uefa é só fachada.

Transferência de Neymar enterra o “jogo limpo”

Jürgen Klopp é um bom treinador, mas não foram os êxitos que o transformaram em ídolo dos torcedores em Mainz, Dortmund ou Liverpool – foram seu senso de realidade, sua autenticidade e suas palavras claras. Em várias ocasiões, ele disse o que muitos entusiastas do futebol pensam. Como também agora: "Na verdade, sempre pensei que o fair play financeiro havia sido criado para que algo assim não fosse possível, mas pelo jeito esse "jogo limpo" nas finanças é mais sugestão do que regra", afirmou o treinador do Liverpool.

Com sua resposta espontânea no gramado da Allianz Arena, de Munique, Klopp, mais uma vez, acertou em cheio. Não só o técnico do Liverpool, mas também milhões de torcedores se perguntam, diante da estonteante dimensão da transferência de Neymar: o futebol respeita as próprias regras? A resposta é: infelizmente, não.

O fair play financeiro é apenas uma expressão vã, uma promessa vazia, uma tentativa bem-intencionada de conter a capitalização desenfreada do futebol profissional num nível razoavelmente aceitável. Mas a regra já é desrespeitada há muito – na verdade, desde o início. Com os 222 milhões de euros (cerca de 824 milhões de reais) que o Paris Saint-Germain transferiu para o Barcelona, essa tentativa fracassou definitivamente. Em outras palavras, o "jogo limpo" financeiro foi desmascarado como sendo apenas uma fachada.

Aprovado em 2009 e introduzido em 2013, o fair play nas finanças deveria "melhorar a saúde financeira dos clubes europeus de futebol", como explica, floreadamente, o site da Uefa. A essência da regra é que um clube pode gastar até 5 milhões de euros a mais do que arrecada por período de avaliação, ao longo de três anos. Em casos excepcionais, pode ser aprovado um deficit de 30 milhões de euros.

O PSG, no entanto, não poderá nunca compensar os 222 milhões de euros (que no total deverão se elevar a 500 milhões, com multa rescisória, gratificações, salário e comissões), considerando que o balanço de transferências do PSG, sem Neymar, apresentava um superávit de apenas 1 milhão de euros. O presidente da liga espanhola, Javier Tebas, que até o último momento tentou bloquear o negócio, está certo ao falar, com irritação, de "doping financeiro": os milhões que os proprietários catarianos injetam em seu brinquedo Paris Saint-German são uma ameaça para a concorrência e prejudicam o futebol.

É claro que o Paris Saint-Germain não está sozinho, muitos outros pesos-pesados do futebol europeu pouco se importam com o fair play financeiro. É tentadora demais a perspectiva de ampliar, com as grandes estrelas, não só o sucesso em campo como também o número de torcedores e as opções de marketing.

Na verdade, deficits relativos a transferências, como no caso de Neymar, deveriam resultar em penalidades: a Uefa prevê sanções para tais violações, desde a exclusão de competições até a perda de títulos. O problema é que as sanções não são impostas. Assim, o fair play financeiro é um tigre sem dentes – talvez porque, na verdade, a Uefa nunca o quis de outra forma. Certamente, Neymar não vai deter esse recorde de transferência por muito tempo. A mudança do valioso Kylian Mbappé, de 18 anos, deverá alcançar dimensões semelhantes.

Os torcedores, que cofinanciam tudo isso com a TV por assinatura, as camisetas, os cachecóis ou até ações de clubes de futebol, devem reagir. Protestos já se anunciam há muito, mas agora eles precisam se acirrar. É hora de uma revolução no futebol. Os clubes vão tentar recuperar os salários e as taxas de transferência astronômicas de seus seguidores. É exatamente nesse ponto que os torcedores devem demonstrar que não estão mais dispostos a isso. O limite foi ultrapassado. O futebol se degenera para um evento meramente comercial. E quem continua jogando esse jogo se torna cúmplice. 



Alta carga tributária não garante retorno de serviços à sociedade

Com carga tributária de 34%, Brasil é o último entre 30 países em retorno de serviços à população

Alta carga tributária não garante retorno de serviços à sociedade

BNDES disponibiliza R$ 23 bilhões para Plano Safra 2019/2020

Todas as principais linhas de fomento à agropecuária empresarial tiveram o orçamento ampliado

BNDES disponibiliza R$ 23 bilhões para Plano Safra 2019/2020

Pequenos negócios poderão retornar ao Simples Nacional

Pequenos negócios excluídos do Simples Nacional poderão solicitar o reenquadramento até o dia 15

Pequenos negócios poderão retornar ao Simples Nacional

Paraty e Ilha Grande (RJ) recebem título de Patrimônio Mundial da Unesco

Local é o primeiro sítio misto do Brasil, reconhecido por cultura e natureza

Paraty e Ilha Grande (RJ) recebem título de Patrimônio Mundial da Unesco

Novo projeto de lei quer obrigar advogados a provar origem lícita dos honorários

Apresentado pela deputada federal Bia Kicis, texto é criticado como trava no exercício da profissão.


Receita abre consulta a segundo lote de restituição do IR

O crédito bancário será feito em 15 de julho

Receita abre consulta a segundo lote de restituição do IR

Manifestações – A Voz e a força do Povo

As manifestações populares são legítimas, republicanas, sejam elas a favor ou contra o governo.

Manifestações – A Voz e a força do Povo

IMA vai fiscalizar cerca de 800 propriedades produtoras de soja

Durante o vazio sanitário, fica proibido o cultivo da planta em todo o território mineiro

IMA vai fiscalizar cerca de 800 propriedades produtoras de soja

Partido propõe fim da aposentadoria para políticos corruptos

Podemos quer fim do benefício para políticos condenados por corrupção

Partido propõe fim da aposentadoria para políticos corruptos

Medo do desemprego aumenta e satisfação com a vida diminui

Pesquisa CNI indica frustração maior dos brasileiros nestes primeiros meses de 2019

Medo do desemprego aumenta e satisfação com a vida diminui

Canonização de Irmã Dulce será em 13 de outubro

Além de Irmã Dulce, serão canonizados quatro beatos

Canonização de Irmã Dulce será em 13 de outubro

Montevidéu é a cidade mais cara da América Latina para se viver

Pesquisa avaliou cerca de 500 cidades em mais de 200 países

Montevidéu é a cidade mais cara da América Latina para se viver