Portal O Debate
Grupo WhatsApp

“Uma luz ao final do túnel para a retomada da economia”

“Uma luz ao final do túnel para a retomada da economia”

07/08/2021 Marcelo Reis

Os últimos números de Abril do IBGE já mostram que o efeito da vacinação e a diminuição do lockdown em alguns locais já traz números positivos a vários setores da economia.

“Uma luz ao final do túnel para a retomada da economia”

Uma luz ao final do túnel para a retomada da economia

- Por Macelo Reis – consultor e gestor empresarial

Os últimos números de abril do IBGE já mostram que o efeito da vacinação e a diminuição do lockdown em alguns locais já traz números positivos a vários setores da economia.

O consumidor aos poucos vai retornando ao comércio e aos escritórios, as viagens também vão sendo restabelecidas e o consumidor vai em busca do consumo represado. Represado para comprar coisas que nos últimos meses não fizeram sentido, mas também ele vai em busca de adquirir produtos que viu que eram importantes nas residências e que não tinha.

Analisando os números, vemos o crescimento muito acentuado na área de vestuário, papelaria e artigos pessoais, o que corrobora que temos sim uma demanda reprimida e que com a diminuição do isolamento e o aumento da vacinação os clientes vão novamente se aventurando as compras. O retorno, mesmo que ainda faseado, de volta aos escritórios também faz com que as pessoas queiram se preparar para o retorno com roupas e acessórios novos.

O período de isolamento também fez com que as pessoas vissem a necessidade de aprimorar suas residências para que possam ter mais conforto através da aquisição de novos produtos ou reorganizando a casa com obras. Este movimento está espelhado no aumento de vendas no item de materiais de construção e eletrodomésticos.

O curioso também é ver que pelo lado de tendências, antes da pandemia existia um movimento muito forte pelo aumento do transporte público e a utilização de táxis e ubers. Vemos que o aumento de vendas na área de veículos foi muito significativo em Abril e com o trauma da pandemia e a necessidade das pessoas retornarem aos escritórios e ao comércio de forma em geral, elas estão preferindo investir num modelo de transporte próprio para reduzir o risco de contaminação.

O consumidor mudou e o mundo das vendas do varejo está mudando de maneira muito rápida. A disparada pelo consumo via ecommerce não é apenas um modismo causado pela pandemia. Esta parcela de consumo já era esperada no médio prazo, mas foi acelerada. Aquelas pessoas que não tinham o hábito ou preferiam a zona de conforto e não comprar pelo meio digital, foram obrigadas a migrar para estas plataformas. E, a maioria gostou, pois, a compra digital libera tempo para que foquem em coisas mais importantes.

Por outro lado, a competição varejista que antes era “no porta a porta”, se transformou numa batalha global. Os clientes agora compram pelo ecommerce do outro lado do mundo e com preços muito mais acessíveis que compram aqui. O seu concorrente agora pode ser um vendedor na China, na Índia... e, não pense que são para produtos de alto valor, a grande massa de pedidos importados tem um ticket médio baixo.

Logo, vemos que as vendas estão retornando, que vemos uma luz no final do túnel para que a economia retorne a girar, mas não ache que o consumidor é o mesmo. Competição agressiva, busca por fidelização e encantamento ao cliente, serviço de alta performance e principalmente a presença no mundo digital serão primordiais para a sobrevivência neste período pós pandemia.

* Marcelo Reis é Founder da MR16, Consultor empresarial especializado em gestão e vendas. Graduado em Análise de SIstemas pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-RJ). Possui pós-graduação em Marketing pela Universidade Candido Mendes. Tem formação de MBA Executivo e fez o Programa de Desenvolvimento de Conselheiros pelo Fundação Dom Cabral.

Para mais informações sobre Economia clique aqui...

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!



IBGE e ANA lançam dados para orientar análises de recursos hídricos

As publicações apresentam os recortes hidrográficos espaciais do país.

IBGE e ANA lançam dados para orientar análises de recursos hídricos

Consumidor satisfeito é utopia?

Ter clientes satisfeitos sempre foi um dos objetivos de qualquer organização.

Consumidor satisfeito é utopia?

Milhares de brasileiros podem se legalizar nos EUA

Após aprovação de projeto, brasileiros podem ficar de forma legalizada na terra do tio Sam.

Milhares de brasileiros podem se legalizar nos EUA

Governo Federal lança plano de testagem em seis cidades brasileiras

Até o fim do ano, serão distribuídos 60 milhões de testes.

Governo Federal lança plano de testagem em seis cidades brasileiras

Estradas mineiras receberão 598 novos radares de velocidade

Implantação de novos equipamentos em trechos sob responsabilidade do DER-MG ocorrerá de forma gradativa e com ampla divulgação.

Estradas mineiras receberão 598 novos radares de velocidade

Pecuarista de Minas Gerais recebe prêmio por silagem de alta qualidade

Desafio – Qualidade de Silagem Premium, realizado pela Sementes Biomatrix, reconhece os melhores produtores.

Pecuarista de Minas Gerais recebe prêmio por silagem de alta qualidade

BTG Pactual traz executivos do mercado em preparação para abertura de filial em BH

Time com vasta experiência em alta renda e Private vai liderar escritório de assessoria de investimento na capital mineira.



Ruas tomadas de alegria

Lembro-me bem quando tudo começou. Foi minha primeira eleição, para governador, em 1982.

Ruas tomadas de alegria

Cesta básica sobe em 13 das 17 capitais pesquisadas

Cesta mais cara é a de Porto Alegre, que custa R$ 664,67.

Cesta básica sobe em 13 das 17 capitais pesquisadas

Governo de Minas publica edital para concessão do Mineirinho

Empresa vencedora deverá promover reforma completa do imóvel e investir R$ 41 milhões nos dois primeiros anos de operação.

Governo de Minas publica edital para concessão do Mineirinho

Norte e Nordeste são regiões com maior insegurança alimentar, aponta estudo

Enani 2019 mostra que 47,1% das famílias brasileiras com crianças menores de 5 anos de idade vivem com algum grau de insegurança alimentar.

Norte e Nordeste são regiões com maior insegurança alimentar, aponta estudo