Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Valores de imóveis sobem e superam a inflação

Valores de imóveis sobem e superam a inflação

12/09/2020 Samuel Ferreira da Silva

A crise atual provocada pela pandemia do novo coronavírus tem afetado diversos setores da sociedade.

Valores de imóveis sobem e superam a inflação

Porém, o mercado imobiliário tem atravessado essa situação com resultados positivos, como é possível identificar em alguns dados fornecidos pela Associação Brasileira das Entidades de Crédito Imobiliário e Poupança (Abecip). Conforme as informações da entidade, o número de imóveis financiados no primeiro semestre de 2020 foi 35,2% superior em relação ao ano passado.

Ainda conforme o Índice Fipezap – pesquisa realizada pela Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe) com base nos anúncios do portal Zap –, ao final dos primeiros sete meses deste ano, o preço médio do metro quadrado no Brasil apresentou uma alta nominal de 1,4%, acima da inflação de 0,46%, estimada pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) naquele período. Após um aumento de 0,18% em junho, os preços ascenderam 0,28% em julho. Mesmo com este contexto, essa última elevação ficou abaixo do IPCA de 0,36%, ou seja, os imóveis revelaram uma variação real de -0,08% em julho, o que demonstra que subiram menos do que a variação geral de preços da economia.

Até o final do primeiro trimestre deste ano, o setor vivia um momento positivo, mas ainda não existem números concretos sobre a situação dos últimos meses. Dessa forma, ainda não dá para saber as consequências reais da crise no mercado imobiliário, mas é possível afirmar que o cenário deste último mês está favorável.

O mercado imobiliário apresentava um contexto animador antes da pandemia e possui maior estabilidade do que outros setores, por isso, acredito que mesmo com o aumento do desemprego e a diminuição da confiança do consumidor, a crise será passageira para os empreendimentos da área.

Mesmo com a crise, as pessoas ainda acreditam que a compra de um imóvel próprio seja a melhor opção do que o aluguel. A perspectiva de valorização dos imóveis no futuro também é fator que vem ganhando destaque entre os consumidores. A crise financeira de 2014, gerou uma demanda reprimida, que já estava em vias de resolução no início deste ano, período em que a economia estava começando a melhorar. No entanto, a chegada da pandemia trouxe diversas mudanças e uma das mais marcantes foi a alteração do comportamento do consumidor, que hoje prioriza uma maior segurança e conforto em detrimento de valores mais baixos. Acredito que essa nova realidade tem influenciado o aumento das vendas de imóveis e tem contribuído para a estabilização do mercado imobiliário.

No período pós-pandemia, acredita-se que o cenário deste setor continue a se valorizar. Com a crise financeira, há a necessidade de abaixar os preços, consequentemente, isso também impulsiona a perda do dinheiro investido. No entanto, a estimativa do futuro é positiva, já que se espera que a inflação continue sobre controle, fazendo com que novas aquisições sejam realizadas.

Essa valorização será pequena, principalmente, em função do baixo ritmo de produção e de estoque dos imóveis, devido à desaceleração econômica. A produção dos imóveis caiu um pouco devido a paralisação das atividades. Mas, acredito que posteriormente haverá uma valorização, mesmo que mínima.

* Samuel Ferreira da Silva, gestor imobiliário do Grupo MBL (Silva Empreendimentos e Fonsil)

Fonte: Naves Coelho Comunicação



Pecuarista de Minas Gerais recebe prêmio por silagem de alta qualidade

Desafio – Qualidade de Silagem Premium, realizado pela Sementes Biomatrix, reconhece os melhores produtores.

Pecuarista de Minas Gerais recebe prêmio por silagem de alta qualidade

BTG Pactual traz executivos do mercado em preparação para abertura de filial em BH

Time com vasta experiência em alta renda e Private vai liderar escritório de assessoria de investimento na capital mineira.



Ruas tomadas de alegria

Lembro-me bem quando tudo começou. Foi minha primeira eleição, para governador, em 1982.

Ruas tomadas de alegria

Cesta básica sobe em 13 das 17 capitais pesquisadas

Cesta mais cara é a de Porto Alegre, que custa R$ 664,67.

Cesta básica sobe em 13 das 17 capitais pesquisadas

Governo de Minas publica edital para concessão do Mineirinho

Empresa vencedora deverá promover reforma completa do imóvel e investir R$ 41 milhões nos dois primeiros anos de operação.

Governo de Minas publica edital para concessão do Mineirinho

Norte e Nordeste são regiões com maior insegurança alimentar, aponta estudo

Enani 2019 mostra que 47,1% das famílias brasileiras com crianças menores de 5 anos de idade vivem com algum grau de insegurança alimentar.

Norte e Nordeste são regiões com maior insegurança alimentar, aponta estudo

Porque o povo rejeita a política e os políticos

Os mal-acostumados querem voltar aos tempos fáceis.

Porque o povo rejeita a política e os políticos

Manifesto em defesa da democracia é lançado em BH

Nomes como Salim Mattar, Modesto Araújo e Cledorvino Belini se reúnem em documento que será entregue a autoridades.

Manifesto em defesa da democracia é lançado em BH

A retomada dos eventos-teste como um possível início do pós-pandemia

Como se adaptar e fornecer os melhores produtos e soluções frente a um cenário.

A retomada dos eventos-teste como um possível início do pós-pandemia

Lançada pedra fundamental da nova Apac Juvenil de Pouso Alegre

Frutal, no Triângulo Mineiro, foi a primeira cidade do país a inaugurar uma Apac Juvenil

Lançada pedra fundamental da nova Apac Juvenil de Pouso Alegre

Desemprego tem leve queda e fica em 14,1% no 2º trimestre

País tem 14,44 milhões de pessoas sem ocupação, recorde para o período.