Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Precisamos falar sobre segurança hídrica

Precisamos falar sobre segurança hídrica

30/03/2021 Norman de Paula Arruda Filho

O debate pela segurança hídrica é interdisciplinar e envolve os campos político, social e científico.

Precisamos falar sobre segurança hídrica

O Fórum Mundial da Água, que seria realizado em Dacar, no Senegal, neste último mês de março, foi transferido para 2022, mas não podemos esperar para refletir sobre o seu tema: “Segurança Hídrica para a Paz e o Desenvolvimento”. A questão da água, seja relacionada com desastres socioambientais, consequências do aquecimento global ou sua escassez, são mazelas da sociedade contemporânea. Segundo o relatório da UNICEF e OMS (2019), uma em cada três pessoas no mundo não tem acesso a água potável. A cada ano, morrem 297 mil crianças menores de 5 anos por doenças associadas a água, saneamento e higiene. Considero que a discussão e a necessidade de se achar soluções para a crise hídrica é tão importante quanto a soma de esforços para contermos a pandemia da covid-19. O debate pela segurança hídrica é interdisciplinar e envolve os campos político, social e científico.

Segundo o professor canadense Howard S. Wheater, 80% da população mundial está exposta a altos níveis de ameaças à segurança hídrica, e uma grave crise se mostra no horizonte até 2070. Um dos exemplos está relacionado à urbanização desordenada somada ao desmatamento ilegal e a agricultura predatória que significam poluição dos rios e ameaças a vida aquática. Além disso, podemos acrescentar à pressão sofrida pelo sistema hidrológico e a produção de alimentos para uma população em curva de crescimento ascendente. Estima-se que até 2050 a produção alimentar terá que ser incrementada em 60% para atender a projeção de 9,7 bilhões de habitantes na Terra.

Com o passar dos anos, em alguns países, ocorreu uma perigosa cisão entre o conhecimento científico produzido na academia, a gestão governamental e o conhecimento comunitário. Porém, como a pandemia nos mostrou, a gestão, seja ela da saúde, social ou ambiental, deve andar de mãos dadas com o conhecimento científico e ambos devem ‘convidar a sociedade para o jantar’. Para conseguirmos aplacar a severa crise hídrica que já enfrentamos e que tende a ficar insustentável nas próximas décadas, há a urgência de uma governança hídrica holística e em rede. Não há mais espaço para o negacionismo sobre como as alterações climáticas impactam os ecossistemas, a produção alimentar e o desenvolvimento socioeconômico.

Devemos promover parcerias e o intercâmbio de tecnologias e financiamentos de projetos com países mais desenvolvidos no quesito hídrico. A Arábia Saudita e outros lugares do Oriente Médio e do Norte da África, por exemplo, estão no centro de soluções como a dessalinização de água marinha que, apesar do caro processo e enorme gasto de energia, ainda é apontado como uma solução futura. Por isso, gestores, cientistas e sociedade devem olhar para os cenários futuros, compreender os impactos das alterações causadas pela ação do Homem sobre o meio ambiente e como sugere Wheater, “considerar a complexidade dos sistemas hídricos e sua interdependência em relação aos sistemas terrestres, energético e alimentar, em escalas local e mundial”.

Faço meu apelo para despertarmos enquanto indivíduos corresponsáveis pela crise hídrica e assumirmos o papel de protagonistas. Devemos facilitar o diálogo e a integração internacional, além de considerarmos as vulnerabilidades sociais para tornarmos o mundo mais resiliente perante a projeção de um cenário tão incerto e extremo relacionado a segurança hídrica mundial.

* Norman Arruda Filho é presidente do ISAE Escola de Negócios e membro do Comitê Brasileiro do Pacto Global das Nações Unidas.

Para mais informações sobre a Água clique aqui...

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!

Fonte: P+G Comunicação Integrada



Projeto incentiva o plantio de 1 bilhão de árvores em Minas Gerais

Conspiração Mineira pelo Plantio de Árvores é apresentada pela ACMinas.

Projeto incentiva o plantio de 1 bilhão de árvores em Minas Gerais

Estudo avalia a situação hídrica da Bacia do Rio da Prata, em Presidente Olegário

Diagnóstico de Zoneamento Ambiental Produtivo (ZAP) faz parte das ações do Programa Restaurar, estruturado pelo Sebrae Minas, no noroeste do estado.

Estudo avalia a situação hídrica da Bacia do Rio da Prata, em Presidente Olegário

Brasil registra reciclagem de 98,7% de latas de alumínio em 2021

Índice é o maior já alcançado pelo setor.

Brasil registra reciclagem de 98,7% de latas de alumínio em 2021

Onça-parda é vista em área onde era considerada extinta no Rio de Janeiro

Reserva ambiental fica em Maricá, na região metropolitana.

Onça-parda é vista em área onde era considerada extinta no Rio de Janeiro

Livro mostra biodiversidade do Parque Nacional do Iguaçu

Publicação tem imagens e infográficos para explicar como é o trabalho de conservação na região e curiosidades sobre espécies.

Livro mostra biodiversidade do Parque Nacional do Iguaçu

Acordo prevê remuneração para conservação de florestas

Estudo de viabilidade será feito em duas etapas.

Acordo prevê remuneração para conservação de florestas

Copasa prevê investir R$ 34 milhões na recuperação de nascentes em 2022

Investimento no programa Pró-Mananciais é recorde; nos últimos cinco anos, companhia empregou R$ 62 mi na revitalização de minas, córregos e rios.

Copasa prevê investir R$ 34 milhões na recuperação de nascentes em 2022

Inmet lança documento com informações meteorológicas de 30 anos

Dados do Inmet mostram elevação das temperaturas e maior frequência de chuvas intensas no Brasil.

Inmet lança documento com informações meteorológicas de 30 anos

Apenas 7% dos rios da Mata Atlântica apresentam água de boa qualidade

Dados são divulgados no Dia Mundial da Água, comemorado neste 22 de março.

Apenas 7% dos rios da Mata Atlântica apresentam água de boa qualidade

São Paulo inaugura programa que plantará um milhão de árvores pelo Brasil

União Química, em parceria com a ONG Ipê e o Centro de Educação Ambiental de Guarulhos, já começa a plantar 100 mil mudas de árvores nativas no estado.

São Paulo inaugura programa que plantará um milhão de árvores pelo Brasil

Parem de culpar o clima pelos desastres

Todos os anos, no período de janeiro a março, existe grande concentração de chuvas em algumas regiões brasileiras.

Parem de culpar o clima pelos desastres

Fundação UniAbralimp lança e-book gratuito sobre ESG

Entenda como funciona a adesão das melhores práticas ambientais, sociais e de governança na limpeza profissional.

Fundação UniAbralimp lança e-book gratuito sobre ESG