Portal O Debate
Grupo WhatsApp


A dessalinização como um seguro saúde para redução da vulnerabilidade hídrica no Brasil

A dessalinização como um seguro saúde para redução da vulnerabilidade hídrica no Brasil

02/12/2019 Virginia Sodré

A dessalinização é o processo de remoção de sais da água do mar - para que ela possa ser utilizada para fins potáveis ou industriais.

A dessalinização como um seguro saúde para redução da vulnerabilidade hídrica no Brasil

A falta de água é uma preocupação cada vez mais frequente no mundo. Segundo um levantamento feito pela Organização das Nações Unidas (ONU), cerca de 1,1 bilhão de pessoas em todo o mundo não têm acesso ao abastecimento adequado de água potável e, nos países em desenvolvimento, 80% das mortes e enfermidades estão relacionadas a esse problema. Calcula-se que 12,1 milhões de brasileiros não têm acesso adequado ao abastecimento de água. As moradias "sem torneira" somam 4,2 milhões. Vista, em alguns países, como uma tecnologia ainda inalcançável, a dessalinização tem se tornado uma opção cada vez mais viável para resolver essa a escassez de água no Brasil e no mundo.

A dessalinização é o processo de remoção de sais da água do mar - para que ela possa ser utilizada para fins potáveis ou industriais. Geralmente, é necessário um processo de pré-tratamento antes da água passar pela tecnologia de membranas de Osmose Reversa para que sua vida útil seja estendida. O desafio da viabilidade do processo de dessalinização são os custos energéticos, que possuem um grande impacto na tarifa, mas espera-se que os avanços tecnológicos reduzam os investimentos necessários do processo de dessalinização em 20% nos próximos cinco anos e em até 60% nos próximos 20 anos, tornando-o uma alternativa viável e atrativa para a produção de água potável, principalmente nas regiões litorâneas.

A redução dos custos de produção de água desmineralizada, associado a uma demanda e pressão crescente por água, maiores gastos no tratamento de água doce devido a redução da disponibilidade pela poluição e requisitos regulatórios mais rigorosos devem acelerar a tendência atual do uso do oceano como manancial e fonte de água. Isso estabelecerá ainda mais a dessalinização da água do oceano como uma alternativa confiável e à prova de seca para muitas comunidades costeiras em todo o mundo.

Mesmo detendo 13% do total de água doce do planeta, o Brasil apresenta regiões bem heterogêneas em relação a disponibilidade de água. A região norte tem 68,5% da reserva de água doce e aproximadamente 7% da população do Brasil. As regiões nordeste e sudeste possuem, juntas, aproximadamente, 9% da reserva de água doce e 72% da população brasileira e 71% do PIB Industrial do Brasil, as áreas litorâneas, que respondem por apenas 3% da oferta nacional, abrigam 45% da população do país. Ou seja, os brasileiros se concentram cada vez mais em áreas onde a oferta de água é desfavorável, sendo fundamental que o país diversifique a sua matriz hídrica, com o reuso de água e a dessalinização de água do mar, para evitar o colapso e aumentar a segurança hídrica. Segundo estudo realizado pela Agência Nacional de Água (ANA) 61 milhões de pessoas podem ficar sem água no Brasil. Pelo menos 300 milhões de pessoas, no mundo, já dependem do abastecimento feito pelas usinas de dessalinização.

A sociedade já está mais consciente que precisamos pensar em sustentabilidade hídrica e em novas alternativas de águas. Os recursos são disputados, vivemos uma crise. As cidades e as indústrias, podem e devem colocar como uma de suas alternativas de abastecimento de água o reuso e a dessalinização. Sabemos que as secas são cíclicas e que estão se agravando cada vez mais frente às mudanças climáticas e, dessa forma, as cidades necessitam de planejamento e de investimentos em sistemas alternativos de água para reduzir a vulnerabilidade hídrica, e desta forma sobrevirem a estes períodos.

A dessalinização e o reuso são uma alternativa importante que funciona como um seguro saúde, de forma a garantir que a água esteja disponível em tempos de seca, portanto as tarifas de água devem ser planejadas para oferecerem resiliência hídrica as cidades nestes períodos.

* Virginia Sodré é diretora da ACCIONA Água no Brasil

Fonte: RPMA Comunicação



China quer acabar com uso de plástico descartável até 2025

O país é o maior fabricante do produto no mundo.

China quer acabar com uso de plástico descartável até 2025

Primeiro posto de saúde sustentável do país começa a ser construído

Santa Cruz do Sul, cidade que fica no centro do Rio Grande do Sul, a cerca de 150 km da Capital Porto Alegre, terá o primeiro Posto de Saúde Sustentável do Brasil.

Primeiro posto de saúde sustentável do país começa a ser construído

Fogo na Austrália é “catástrofe ecológica”, diz cientista

A estimativa é de perda de 1 bilhão de animais.

Fogo na Austrália é “catástrofe ecológica”, diz cientista

Oceanos atingem a maior temperatura já registrada da história

A temperatura do oceano esteve 0,075°C acima da média para o período de 1981 a 2010.

Oceanos atingem a maior temperatura já registrada da história

Aplicativo educacional que identifica árvores quer chegar a BH

Natu Contos traz histórias escritas por autores da literatura infantojuvenil e narrados por grandes cantores


Nasa anuncia descoberta de planeta do tamanho da Terra

Ele é chamado de "TOI 700 d" e está a 100 anos-luz de distância.

Nasa anuncia descoberta de planeta do tamanho da Terra

Rio Paraopeba será monitorado por plano diretor inédito no país

Estado aposta na modernização da gestão hídrica das bacias mineiras em projeto inovador.

Rio Paraopeba será monitorado por plano diretor inédito no país

Campanha recolhe 15 toneladas de embalagens de agrotóxicos no Sul de Minas

Material entregue durante campanha itinerante realizada em Três Corações terá destinação adequada.


Brasil lançará sexto satélite em parceria com a China

CBERS-4A é o sexto satélite desenvolvido pelo Programa CBERS

Brasil lançará sexto satélite em parceria com a China

Mudanças climáticas forçam 20 milhões por ano a deixarem suas casas

Conferência da ONU COP25, em Madri, debate emergências climáticas no mundo.

Mudanças climáticas forçam 20 milhões por ano a deixarem suas casas

Bolsa Reciclagem beneficia 1,4 mil famílias de catadores em Minas

Governo retoma repasses do programa que estavam interrompidos desde 2017.

Bolsa Reciclagem beneficia 1,4 mil famílias de catadores em Minas

Para evitar catástrofe climática, emissões de CO2 precisam cair 7,6% ao ano

Dados do Pnuma mostram que em 2018, o total de emissões de CO2 atingiu níveis recordes e, na última década, as emissões aumentaram 1,5% por ano.

Para evitar catástrofe climática, emissões de CO2 precisam cair 7,6% ao ano