Portal O Debate
Grupo WhatsApp

A pegada ecológica do pão nosso de cada dia

A pegada ecológica do pão nosso de cada dia

01/03/2017 Deutsche Welle

O pão de cada dia também gera impacto para o meio ambiente. O culpado é o uso insustentável de fertilizantes.

A pegada ecológica do pão nosso de cada dia

O aquecimento global tem feito parte do nosso dia a dia nos últimos anos – quase tanto quanto o pão. Agora, pesquisadores conseguiram relacionar ambos.

Um estudo publicado na revista Nature Plants analisou o impacto ambiental de um único pedaço de pão de sementes em nossos cafés da manhã. Surpreendentemente, o maior dano ao nosso planeta ocorre quando o nosso pão ainda é apenas um grão de trigo minúsculo.

Os fertilizantes são os culpados. Mais precisamente, o fertilizante de nitrato de amônio. Só ele responde por quase a metade de todas as emissões de gases de efeito estufa na cadeia de produção do pão.

Mas os pesquisadores insistem que o estudo não visa parar o consumo de pão. Em vez disso, quer motivar os consumidores a exigir maior transparência, e aumentar a cooperação em toda a cadeia de abastecimento para que sejam produzidos produtos mais sustentáveis.

O pão foi simplesmente um produto usado como exemplo para chamar a atenção do público.

"Nosso objetivo era destacar a dependência excessiva dos fertilizantes em nosso sistema alimentar", diz Liam Goucher, autor do estudo e pesquisador da Universidade de Sheffield. "E o pão é um produto que todos conhecem facilmente".

Desde o início

Somente no Reino Unido, cerca de 12 milhões de pães são consumidos todos os dias. Em 2016, os europeus consumiram em média 63 quilos de pão por pessoa, de acordo com a Iniciativa Pão, um grupo que inclui cinco das maiores associações europeias de panificação.

Mas, apesar da enorme presença do pão em nossas vidas, raramente pensamos em seu impacto ambiental – enquanto nos preocupamos com nosso consumo de energia ou com o combustível de nossos carros, por exemplo.

Com o avanço da pesquisa, a enorme quantidade de energia utilizada e as constantes emissões produzidas para colheita e irrigação não surpreenderam ninguém. Mas mais de 60% das emissões vieram do cultivo de trigo.

Um dos elementos poluentes tinha um impacto muito mais severo do que todos os outros. "O que mais nos surpreende é que 43% das emissões provêm de um único fertilizante", diz Goucher.

É o fertilizante com nitrato de amônio.

Fertilizantes sintéticos

Além da água, as plantas precisam de nutrientes e oligoelementos para crescer de acordo com padrões de alta qualidade. Fertilizantes com os nutrientes exatos são essenciais para garantir a fertilidade do solo, diz a agência federal alemã de meio ambiente (UBA).

No entanto, há uma distinção importante entre fertilizantes orgânicos e fertilizantes minerais ou sintéticos.

Os fertilizantes podem acabar contribuindo para o aquecimento global devido à grande quantidade de energia necessária para sua produção e o gás de óxido nitroso (N2O) que é liberado quando degradado no solo, revela o estudo.

Os números podem ajudar a entender o problema. O óxido nitroso é um gás de efeito estufa que provoca 300 vezes mais danos ao clima do que o dióxido de carbono (CO2). Juntamente com o metano, o óxido nitroso constitui cerca de um quarto do aquecimento global – e é liberado principalmente através da agricultura industrial.

A cadeia do pão ajuda a mostrar em um contexto mais amplo a dependência do uso insustentável de fertilizantes na agricultura, acredita Goucher.

Responsabilidade compartilhada

Em 2050, teremos que partilhar nosso espaço na Terra com quase 10 bilhões de seres humanos, se considerarmos as projeções das Nações Unidas.

Os adeptos de fertilizantes sintéticos têm razão em argumentar que eles aumentam a produção de alimentos. Mais produção em espaços menores parece ser a solução que estamos procurando para alimentar tal quantidade enorme de pessoas. Os pesquisadores estão cientes desse desafio, mas enxergam uma alternativa.

Eles acreditam que uma agricultura mais sustentável é possível se todos os participantes se envolverem e cooperarem. Ao contrário da ideia de culpar o fazendeiro ou o fabricante, a equipe de Goucher acredita em uma responsabilidade compartilhada.

"Apresentamos a ideia de uma responsabilidade compartilhada", disse ele. "Nós nos concentramos em como cooperar para reduzir o impacto ao longo da cadeia de suprimentos."

Todo mundo possui poder para diminuir o impacto ambiental do nosso alimento diário – começando pelo pão.

O agricultor poderia aplicar métodos de agricultura de precisão; os fabricantes de fertilizantes podem reduzir a quantidade de gás natural utilizado; e até mesmo os consumidores poderiam ser mais exigentes na transparência do processo de produção e mais informados para escolher o seu pão de cada dia de forma mais adequada.

Dinheiro e dinheiro

"Goste ou não", aponta Goucher, "muitas mudanças no setor agroalimentar dependem de incentivos econômicos."

O pesquisador está convencido de que mais investimentos poderiam reduzir o uso de fertilizantes insustentáveis. Eles poderiam ajudar, por exemplo, a tornar os fertilizantes orgânicos economicamente viáveis ??para que os agricultores optem por eles.

Mas a indústria agrícola tem ainda mais interesse em ganhar dinheiro do que impulsionar fontes sustentáveis ??de alimentos. Agricultores e varejistas dependem de culturas altamente produtivas – e, portanto, de fertilizantes perigosos.

"É claro que há produtos muito prejudiciais, como carne bovina", diz Goucher. O pão é um ponto de partida improtante, pois é um companheiro diário para a maioria de nós. Mas uma mudança não acontecerá se apontarmos apenas o pão, afirma: é necessário aumentar a transparência em todos os diferentes sistemas agrícolas e alimentares. 



Exposição apresenta elementos da pré-história no DF e em Santa Catarina

A exposição Arqueologia e Habitantes da Pré-História pode ser vista no Museu de Geociências da Universidade de Brasília (UnB)

Exposição apresenta elementos da pré-história no DF e em Santa Catarina

Insetos como alternativa para ração animal

A mais moderna fazenda de insetos da Europa acaba de ser inaugurada na Holanda. Empresa aposta na produção em grande escala para alimentar animais. Quais são as vantagens desta fonte de proteína?

Insetos como alternativa para ração animal

Ameaças à fauna marinha estão aumentando, diz SeaWorld

Metade dos peixes-bois resgatados na costa da Flórida desde 2015 estavam em perigo

Ameaças à fauna marinha estão aumentando, diz SeaWorld

Plataforma facilita doação de matéria-prima e reaproveitamento de resíduos sólidos

No site é possível anunciar diversos tipos de materiais como alumínio, metal e madeira

Plataforma facilita doação de matéria-prima e reaproveitamento de resíduos sólidos

Cuidar do ar importa

No ano de 1972 na Suécia, a sociedade dava um grande passo em relação as questões ambientais, através da Conferência de Estocolmo.

Cuidar do ar importa

Brasil e Alemanha assinam acordo para repatriar ararinhas-azuis

Projeto inédito vai levar de volta ao país 50 aves que vivem num criadouro alemão. Apenas 163 ararinhas-azuis existem no mundo.

Brasil e Alemanha assinam acordo para repatriar ararinhas-azuis

Desmatamento é principal preocupação do brasileiro, revela pesquisa

Em seguida aparecem a poluição da água e como lidar com os resíduos produzidos

Desmatamento é principal preocupação do brasileiro, revela pesquisa

Saneamento precisa de um rumo

O governo federal precisa dar um norte para o saneamento brasileiro para atender às antigas demandas da população por melhor qualidade de vida.


Inscrições abertas para o Prêmio Hugo Werneck de Sustentabilidade

O prêmio é uma realização da Revista Ecológico em parceria com a Fiemg


O papel dos jovens frente a escalada da destruição da natureza

Estimular os jovens ao exercício da cidadania não teria momento mais oportuno do que o atual.


Clima gera prejuízo de US$ 1 trilhão a grandes empresas

Relatório mostra como grandes corporações como Nestlé, Unilever, Apple e Microsoft podem perder com as mudanças climáticas e deveriam fazer mais para reduzir emissões de CO2.

Clima gera prejuízo de US$ 1 trilhão a grandes empresas

Como está o ar que respiramos?

A poluição do ar reflete também na poluição do solo por meio da emissão do gás ozônio.

Como está o ar que respiramos?