Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Antigo réptil voador “Dragão da Morte” é descoberto na Argentina

Antigo réptil voador “Dragão da Morte” é descoberto na Argentina

24/05/2022 Henri Navesuh

Fóssil foi encontrado nas montanhas dos Andes.

Antigo réptil voador “Dragão da Morte” é descoberto na Argentina

Cientistas argentinos descobriram uma nova espécie de um enorme réptil voador apelidado de "O Dragão da Morte" que viveu há 86 milhões de anos ao lado de dinossauros, em uma descoberta que traz novas percepções sobre um predador cujo corpo era tão longo quanto um ônibus escolar.

A nova espécie de réptil voador antigo, ou pterossauro, media cerca de 9 metros de comprimento e os pesquisadores dizem que ela antecedeu os pássaros como uma das primeiras criaturas na Terra a usar asas para caçar suas presas em céus pré-históricos.

A equipe de paleontólogos descobriu os fósseis do recém-nomeado Thanatosdrakon amaru nas montanhas dos Andes, na província de Mendoza, na Argentina. Eles concluíram que as rochas que preservavam os restos do réptil datavam de 86 milhões de anos ao período Cretáceo.

A data estimada significa que esses temíveis répteis voadores viveram pelo menos cerca de 20 milhões de anos antes de um impacto de asteroide no que hoje é a península mexicana de Yucatán exterminar cerca de três quartos da vida no planeta há cerca de 66 milhões de anos.

Para mais informações sobre fósseis clique aqui.

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!

Fonte: Agência Brasil



PUC Minas e UFMG se unem em defesa da Serra do Curral

Principais instituições de ensino superior da capital mineira se posicionam contra a instalação de complexo minerário no cartão postal dos belo-horizontinos.

PUC Minas e UFMG se unem em defesa da Serra do Curral

Rock in Rio terá palco 100% reciclável

Garantir a sustentabilidade é uma das metas do festival.

Rock in Rio terá palco 100% reciclável

Cientistas divulgam foto inédita de buraco negro no centro da Via Láctea

Imagem do Event Horizon Telescope mostra pela primeira vez o Sagitário A*, buraco negro supermassivo a mais de 26 mil anos-luz da Terra.

Cientistas divulgam foto inédita de buraco negro no centro da Via Láctea

Réptil de 225 milhões de anos não é pterossauro, mostra estudo

Conclusão é de pesquisadores brasileiros em artigo na revista PeerJ.

Réptil de 225 milhões de anos não é pterossauro, mostra estudo

Desafios e oportunidades para o saneamento

Considerado um dos menos atrativos na infraestrutura, o setor de saneamento passa por uma profunda mudança de paradigma com a aprovação da Lei 14.026/2020.

Desafios e oportunidades para o saneamento

Projeto incentiva o plantio de 1 bilhão de árvores em Minas Gerais

Conspiração Mineira pelo Plantio de Árvores é apresentada pela ACMinas.

Projeto incentiva o plantio de 1 bilhão de árvores em Minas Gerais

Estudo avalia a situação hídrica da Bacia do Rio da Prata, em Presidente Olegário

Diagnóstico de Zoneamento Ambiental Produtivo (ZAP) faz parte das ações do Programa Restaurar, estruturado pelo Sebrae Minas, no noroeste do estado.

Estudo avalia a situação hídrica da Bacia do Rio da Prata, em Presidente Olegário

Brasil registra reciclagem de 98,7% de latas de alumínio em 2021

Índice é o maior já alcançado pelo setor.

Brasil registra reciclagem de 98,7% de latas de alumínio em 2021

Onça-parda é vista em área onde era considerada extinta no Rio de Janeiro

Reserva ambiental fica em Maricá, na região metropolitana.

Onça-parda é vista em área onde era considerada extinta no Rio de Janeiro

Livro mostra biodiversidade do Parque Nacional do Iguaçu

Publicação tem imagens e infográficos para explicar como é o trabalho de conservação na região e curiosidades sobre espécies.

Livro mostra biodiversidade do Parque Nacional do Iguaçu

Acordo prevê remuneração para conservação de florestas

Estudo de viabilidade será feito em duas etapas.

Acordo prevê remuneração para conservação de florestas

Copasa prevê investir R$ 34 milhões na recuperação de nascentes em 2022

Investimento no programa Pró-Mananciais é recorde; nos últimos cinco anos, companhia empregou R$ 62 mi na revitalização de minas, córregos e rios.

Copasa prevê investir R$ 34 milhões na recuperação de nascentes em 2022